1ª PÁGINA


Concurso de Cantores:

Cinco novos talentos com passagem para a semifinal

Por Jonathan Costa
Sol Português

São cinco os novos semifinalistas do Concurso de Cantores com John Santos (SCJS, na sigla em inglês), apurados à quarta ronda de qualificação desta que é já a 13.ª edição do popular certame que nasceu no seio da comunidade portuguesa e se tornou numa competição multicultural.

A prova decorreu na Casa do Alentejo de Toronto, na pretérita quarta-feira (23), e resultou na selecção de dois cantores juvenis e três adultos que ficaram agora mais perto do seu sonho de fazer carreira no mundo da música.

Selena Bhardwaj, que interpretou o tema "Photograph", de Ed Sheeran: e Emilie Naimark, com "Million Reasons", da autoria de Lady Gaga, foram as duas qualificadas na categoria juvenil e têm agora passagem para a semifinal a realizar em Março.

Já nos adultos, Helen Guryn com a sua versão de "Adagio", de Lara Fabian; Marylord Goh, com "Too Good at Goodbyes", de Sam Smith (apesar de constipada); e Paul Panait, que escolheu o tema "Feel", de Robbie Williams, foram os vencedores dessa noite.

Um total de 16 concorrentes (sete na categoria juvenil e nove na cde adultos), incluindo alguns luso-canadianos, demonstraram o seu talento perante o público e o júri que, colectivamente, foram responsáveis pela decisão final.

Entre os candidatos encontrava-se Ricardo Oliveira, jovem luso-descendente que já havia participado na terceira ronda de qualificação e para quem "nem tudo correu como queria", por isso decidiu voltar, determinado a dar o seu melhor.

O jovem explicou o misto de emoções que sentia antes de pisar o palco como uma montanha russa, adiantando estar nervoso, já que "não é fácil lidar com esta ansiedade", mas "preparado para o que vou enfrentar".

Como habitualmente, o júri foi constituído por nomes de sucesso no mundo da música, desta feita o produtor e proprietário da editora Rammit Records, Trevor Shelton; o compositor e pianista Patrick Albernaz; o vocalista e guitarrista brasileiro Valter Barberini; o vocalista e perito em instrumentos musicais Mike McDonnell; a compositora e engenheira de áudio Yanni Caldas; e o compositor e vocalista luso-canadiano Paulo Pereira.

Face ao nível de talento exibido ao longo da noite, a sua missão tornava-se imensamente difícil, como sublinhou Valter Barberini, referindo que o objectivo é "encontrar os candidatos que merecem passar à próxima fase".

Segundo Paulo Pereira, algumas das principais características que considera na sua avaliação são "a presença em palco, o nível de conforto à frente do público, a intensidade e o controlo de voz" do concorrente, adiantando que procura também "identificar a margem de progressão de cada um e até onde podemos desenvolver a sua voz, a sua imagem e a sua confiança".

A prova, transmitida em directo para todo o mundo através do website, das redes sociais e do canal do concurso no YouTube, teve apresentação de John Santos e Lisa Santos e da locutora Marisa Oliveira.

Os primeiros a pisar o palco foram os jovens que integravam a categoria juvenil, demonstrando um nível de maturidade e à vontade impressionantes apesar das suas tenras idades.

No final das suas actuações individuais, Marisa Oliveira reuniu-os em grupo no palco onde questionou cada um sobre como se sentiam, como descobriram a sua paixão pela música e quais os seus objectivos para o futuro.

"Senti-me imensamente bem em palco, a música é uma paixão para mim e seria um sonho poder seguir uma carreira profissional", afirmou na ocasião Cindy Botelho, uma das concorrentes luso-canadianas.

Seguiram-se os cantores que concorrem no escalão de adultos e que através da sua selecção de temas viajaram por diversas eras e estilos musicais, demonstrando todo o seu potencial.

Tal como havia acontecido com o grupo anterior, Marisa Oliveira reuniu-os em palco e abordou-os sobre a sua preparação física e mental para essa noite, quais os artistas que mais os inspiram e a origem do seu desejo de seguirem uma carreira musical.

Entretanto, e enquanto se procedia à contabilização dos votos, o espectáculo prosseguiu com actuações de Jheo Navarro, professora de canto na edição deste ano e vencedora de uma das primeiras edições deste concurso, que interpretou os temas "Youngblood" e "Worst In Me".

Bruna Vilaça, artista luso-canadiana e vencedora deste concurso em 2014, brilhou ao interpretar os temas "Lose Control" e "Figures", enquanto John e Lisa Santos fecharam as actuações conquistando os aplausos do público com a sua selecção de temas clássicos.

Estava na altura pela qual todos ansiavam: a revelação dos resultados da votação, e o salão encheu-se de um clima de suspense e nervosismo, com muitos dos concorrentes abraçados aos seus familiares enquanto eram anunciados os nomes dos que conseguiram o apuramento.

Os cinco seleccionados terão agora de iniciar a sua preparação para a semifinal que se irá realizar em Março, havendo uma nova ronda de qualificação, em data a anunciar brevemente, que oferecerá aos que não conseguiram ainda a qualificação uma nova oportunidade para conquistarem também um lugar.

A par deste concurso, John Santos revelou ainda uma nova iniciativa, intitulada "Back on Track", e que apresentou como um programa de cariz social que oferece formação e acompanhamento a jovens que enfrentam situações financeiras difíceis, problemas de delinquência ou desalojados e que querem dar um novo rumo à sua vida.

Em declarações ao jornal Sol Português, o mentor do concurso SCJS expressou confiança neste projecto que envolve jovens referidos pelos serviços de assistência social e que classificou como uma forma de os tirar das ruas, "onde podem encontrar mais problemas", dando-lhes uma oportunidade para desenvolverem as suas capacidades técnicas e profissionais.

"Aqui eles aprendem a trabalhar com uma câmara de filmar, com uma mesa de som ou com as luzes, enquanto recebem créditos escolares que lhes permitem concluir o ensino secundário", explicou John Santos, adiantando que "depois desta experiência, estão preparados para trabalhar em qualquer canal televisivo ou editora musical, o que nos deixa imensamente orgulhosos".

Cita como exemplo Zach, o operador de câmara do concurso que considerou demonstrar um elevado nível de profissionalismo e talento, e que descreve como "um miúdo espectacular, excelente profissional, que infelizmente enfrentou um período difícil na sua vida" que o levou a ficar sem abrigo.

"Recentemente perdeu um amigo, que foi assassinado há cerca de um mês em Mississauga, e acredito que se o Zach não estivesse aqui, a trabalhar connosco e a dedicar-se à sua carreira, corria também sério risco de perder a vida", afirmou, salientando a importância que uma boa influência e uma porta aberta pode ter "na vida destes jovens e no seu desenvolvimento profissional e emocional".


Voltar a Sol Português