1ª PÁGINA


Arsenal do Minho de Toronto:

22.º Festival de Concertinas celebra cultura minhota

Por Jonathan Costa
Sol Português

Cerca de 890 pessoas assistiram no passado sábado (23) à 22.ª edição do Festival de Concertinas, um evento anual organizado pelo Arsenal do Minho de Toronto como forma de promover e divulgar a música e a cultura da região.

O certame, que teve por palco o salão de festas Gerry Gallagher da LIUNA Local 183, ficou marcado por um jantar convívio e uma sessão de cantigas ao desafio com artistas vindos de Portugal, a par da animação proporcionada por dezenas de tocadores de concertina pertencentes ao rancho do Arsenal e de outras associações da comunidade portuguesa.

"É incrível vermos este salão repleto de tantos amigos e família que nos vieram apoiar", dizia Joel Bastos, CEO do Arsenal, à nossa reportagem, acrescentando que "esta noite representa as nossas raízes minhotas, a nossa devoção pela concertina, pela nossa música e talento, que celebramos há uns incríveis 22 anos".

O dirigente foi também o mestre-de-cerimónias nessa noite, responsável pela apresentação do espectáculo, e numa expressão de satisfação com a afluência de público, indicou estarem todos "imensamente felizes" e gratos pelo apoio da comunidade.

Ainda antes do jantar e a abrir o programa, uma breve exibição dos Bombos do Arsenal do Minho – grupo que se apresentou composto por oito tambores e quatro concertinas – encheu o salão com os seus ritmos e energia, correspondidos pelos aplausos fervorosos do público.

Pouco depois, a deputada federal Julie Dzerowicz subia ao palco para partilhar algumas palavras de admiração e carinho com o público no que classificou como uma "noite repleta de boa música, arte e cultura".

A política, que representa o distrito de Davenport, onde reside a maior concentração de portugueses no país, entregou à Direcção do Arsenal um certificado do governo federal a propósito desta realização, incentivando ainda todos os portugueses para que "continuem a representar a vossa região e o vosso país com toda essa paixão e orgulho que caracterizam a vossa comunidade, que tem tido um impacto tão importante na história" do Canadá.

Prestes a ser servido o jantar, Joel Bastos aproveitou para destacar publicamente o orgulho que sente nas suas raízes minhotas e no árduo trabalho de todos os membros e voluntários do Arsenal afirmando que "ser minhoto é ser diferente" e "não ter vergonha de representar a sua cultura, a sua `labreguice' e as suas raízes".

Num agradecimento colectivo "a cada um de vocês que tornou esta e todas as outras noites possíveis", o responsável pela Direcção considerou que "todo este sucesso é vosso" e se deve à acção dos voluntários da colectividade, bem como à participação dos membros, que dão alento e motivação para darem continuidade à sua missão.

Enquanto decorria o jantar, confeccionado pela empresa de banquetes luso-canadiana Europa Catering, escutar-se-ia mais um orador a destacar os sucessos da comunidade portuguesa neste país, desta vez na voz do líder do Partido Conservador federal.

Ressalvando o impacto dos portugueses "na história desta cidade e deste país" como um "facto assinalável", Andrew Scheer agradeceu não apenas o convite nessa noite, mas também "todo o apoio demonstrado ao longo destes últimos anos" e prometeu "fazer de tudo para retribuir a vossa confiança".

Em declarações ao jornal Sol Português, o candidato a Primeiro-ministro viria ainda a apontar os portugueses como um exemplo de sucesso da imigração no Canadá ao destacar as suas qualidades.

"São uma comunidade que trabalha arduamente, que luta para assegurar uma qualidade de vida superior para a sua família e futuras gerações", criou "um enorme legado na história de Toronto e do Canadá", e partilha de valores que se enquadram com os que são defendidos pelo Partido Conservador, afirmou.

Entretanto, e uma vez concluído o jantar, era altura para se dar início ao espectáculo, que contou com som e luzes a cargo da empresa Five Star Productions e abriu ao som das concertinas.

Com os seus temas repletos de humor e boa disposição, os sete tocadores que se apresentaram em palco fizeram levantar o público dos seus lugares, sendo de destacar os elementos da Direcção do Arsenal que na pista de dança demonstravam o seu talento com as castanholas e na interpretação das danças tradicionais minhotas.

Era visível também um elevado número de jovens que participavam neste encontro, como foi o caso de Vanessa Veloso, directora da juventude do rancho do Arsenal, que abordou a importância da inclusão dos mais novos nas actividades desta associação.

"Herdei o orgulho pela cultura minhota dos meus pais e da minha família; apaixonei-me por ela e, como muitos destes jovens que fazem parte deste grupo, procuramos sempre celebrá-la e promovê-la ao mais alto nível", destacou a jovem dirigente que considerou ainda serem "a mistura perfeita entre a experiência dos mais velhos e a energia dos mais novos, que vão ser o futuro" do Arsenal e da comunidade portuguesa.

Entretanto, e continuando em grande, o serão passou para o domínio das cantigas ao desafio numa sessão que abriu com Liliana Oliveira e Augusto Moreira em palco, a puxarem pelas vozes e pela criatividade para levarem o público ao delírio com o humor e a sátira que expressavam em versos.

"Não sejas fraco estupor/as cantigas são assim/mostra vontade e valor/só assim puxas por mim", recitou Liliana Oliveira que, tal como o seu "adversário" e os dois cantadores que se seguiram, veio de Portugal para participar neste encontro.

Momentos depois era a vez de Borguinha de Braga e Cristiana Antunes se desafiarem mutuamente, deixando, entre outros versos de improviso, uma bonita dedicatória ao Arsenal do Minho: "Mas que maravilhosa noite/que lindo trabalho se fez/desejamos muitos parabéns a este lindo povo português/esperamos não os deixar mal/muito obrigado, Arsenal".

Por fim, os quatro desgarrados viriam a juntar-se em palco para mais alguns temas em conjunto, recebidos com grande carinho pelo público que se mostrava visivelmente agradado com a qualidade da exibição.

Cada um dos artistas foi premiado com uma placa oferecida pelo Arsenal do Minho, a destacar o sucesso desta que foi a sua primeira exibição no Canadá.

Para a conclusão do evento, Joel Bastos convocou as dezenas de tocadores de concertina que se encontravam na sala a reunirem-se em palco para uma última exibição.

Com a pista de dança repleta de gente, os músicos – de todos os tamanhos e idades – proporcionaram um animado baile com a sua interpretação de temas extraídos do folclore e da música popular minhota, levando o serão a prolongar-se bem para lá da meia-noite.

Segundo os responsáveis da colectividade, a próxima grande realização do Arsenal será a sua tradicional Festa da Páscoa, que será celebrada em Abril, em data ainda por anunciar.


Voltar a Sol Português