1ª PÁGINA


Comemoração marcou 47.º aniversário do Amor da Pátria

Por Noémia Gomes
Sol Português

Foi há 47 anos – decorria o mês de Fevereiro de 1971 – que em Toronto nasceu o Amor da Pátria Community Centre, uma colectividade que mesmo volvidos todos estes anos continua a singrar e a lutar para preservar e mostrar aos mais jovens algumas das principais tradições das ilhas açorianas, sobretudo das gentes do Pico.

Ao longo deste tempo só foi possível fazê-lo graças aos muitos sacrifícios e à dedicação de centenas de voluntários que por ela têm passado e deixado o fruto do seu trabalho, e foi esse legado que no passado sábado (27) o clube recordou ao celebrar o seu aniversário entre sócios, simpatizantes e convidados.

Na sede da Casa dos Açores do Ontário, onde se realizou o evento, o salão nobre encontrava-se decorado de acordo com o tema "Circo debaixo da grande tenda" – com balões e pipocas a decorar as mesas, e o tecto a imitar uma gigantesca tenda circense.

Foi nesse ambiente alegre e original que os mestres-de-cerimónias começaram por dar as boas-vindas ao público, convidando todos a divertirem-se e fazendo votos de que passassem uma noite feliz.

Rui Fraga, presidente da Assembleia-Geral, e Vanessa Carapinha, vice-presidente do Executivo, expressaram estas saudações em português e inglês, declarando a dada altura estarem ali reunidos "não só para celebrar 47 anos, mas também a nossa cultura e para preservar estas tradições para as futuras gerações e ajudá-las a perceber as nossas raízes", destacando que estão "envolvidos no Amor da Pátria desde crianças", motivo porque "incentivamos todos os jovens a participar" também.

Os mestres-de-cerimónias reconheceram publicamente a presença dos convidados dessa noite e chamaram ao palco o gerente musical do Amor da Pátria, Steven Vieira, para interpretar os hinos nacionais do Canadá e de Portugal, após o que foi observado um momento de silêncio em memória dos sócios já falecidos.

Procedeu-se então a uma breve acção de graças e, após vários aperitivos, disponibilizados em estilo bufete, foi servida a refeição que decorreu em animado convívio.

Nessa altura procedeu-se também ao corte do bolo comemorativo – que mais tarde serviria de sobremesa – uma agradável tarefa que recaiu sobre os presidentes da Direcção, Assembleia-Geral e Concelho Fiscal, respectivamente, Valerie da Silva, Rui Fraga e Manuel Terra.

No final do jantar, Rui Fraga e Vanessa Carapinha voltaram ao pódio para alguns agradecimentos, após o que convidaram a deputada Cristina Martins para dirigir algumas palavras aos sócios.

A política luso-canadiana congratulou o clube pelo aniversário e considerou a sua presença ali nessa noite, durante uma celebração de familiares e amigos, "uma honra", algo que "só é possível com o trabalho dos voluntários que se empenham a ensinar as tradições aos mais novos para que, daqui a 20 anos, eles também saibam dançar a chamarrita", reforçou, referindo-se à típica dança açoriana.

A terminar, a deputada ofereceu à Direcção, em nome próprio e do governo provincial que representa, um certificado de apreço pela actividade realizada pelo Amor da Pátria.

Escutar-se-ia ainda Marília Fraga, do clube irmão Asas do Atlântico, que marcou a ocasião dirigindo palavras de elogio à actividade realizada pela colectividade aniversariante antes de ofertar uma lembrança, em nome da Direcção e dos sócios do clube a que preside.

As formalidades terminaram com Valerie da Silva a expressar a sua satisfação em ver o salão cheio, dizendo-se orgulhosa da associação a que preside e a enaltecer o elevado número de jovens que, aliados aos veteranos, a compõem.

Este misto de vivências junta a capacidade de inovação dos mais novos à experiência dos mais velhos, algo que, acredita, permitirá ao Amor da Pátria continuar a passar as tradições às novas gerações – ainda que, relembrou, seja preciso espírito de auto-sacrifício da parte de um bom número de voluntários.

O resto do serão passou então para o domínio do conjunto convidado, a Karma Band, que animou a festa com música alegre e variada, levando muitos a divertirem-se na pista de dança, mas apreciado também por aqueles que apenas escutaram do seu assento.

Formado há sete anos, o agrupamento é composto por cinco músicos açorianos e do continente, ex-elementos dos conjuntos Chaves de Ouro e Mexe-Mexe, designadamente, Fernando Corvelo (baterista), John Bettencourt (viola-baixo), Danny J. Ricardo (guitarra), Paulo Marques (vocalista) e Jessie Moniz (guitarra/teclado).

Segundo os responsáveis, a próxima festa do Amor da Pátria está marcada para 23 de Fevereiro e será uma noite de "chamarrita", orientada em torno desta popular e tradicional dança açoriana.


Voltar a Sol Português