1ª PÁGINA


Grande Noite de Fado voltou à Casa dos Açores

Tony Gouveia e Clara Santos abrilhantaram espectáculo de duas partes

Por Luís Aparício

Sol Português

Depois do cancelamento de um espectáculo do mesmo género em Março de 2020, altura em que surgiu a pandemia de Covid-19, a Casa dos Açores do Ontário (CAO) voltou a ser palco de uma grande noite de fados quando no passado sábado (27) Tony Gouveia e Clara Santos encantaram mais de oito dezenas de espectadores com uma variedade de temas tradicionais e alguns originais.

Artistas de renome na comunidade portuguesa no Ontário, os fadistas foram acompanhados em palco pelos músicos Hernâni Raposo (guitarra), Valdemar Mejdoubi (viola) e Pedro Joel (baixo acústico).

Clara Santos, que não escondia a felicidade que sentia por voltar a cantar naquela colectividade portuguesa, reconheceu o esforço que alguns clubes e associações têm feito nos últimos meses para tentar regressar a uma certa normalidade, especialmente, como destacou, "em momentos como este [de pandemia]".

Na sua opinião, nada melhor do que uma noite de fados para "apaziguar" uma certa saudade e nostalgia de quantos são apaixonados por este estilo musical tão caracteristicamente português.

Durante a sua actuação a fadista de Hamilton aproveitou para dar a conhecer alguns dos temas que compõem o álbum "Alma Nua", o seu segundo trabalho discográfico e que teve lançamento oficial na Primavera de 2019, mas que na sua avaliação "ainda não teve tempo para voar", muito por culpa dos efeitos da pandemia.

Também para Tony Gouveia a noite era de "recomeço", depois do cancelamento do espectáculo em 2020, pelo que o artista interpretou alguns dos temas que tem gravados, mas também outros de fado-canção, "coisas que são nostálgicas para o público", afirmou.

Depois de nos últimos três anos ter lançado vários singles de fado nas plataformas digitais, o artista espera poder ter, finalmente, um espectáculo ao vivo para apresentação do novo álbum na Primavera, um trabalho que diz estar "bem concebido" e que foi feito "com muito carinho".

"E ainda tem lá muito fado", como afirma, com um misto de temas "tradicionais e músicas originais".

O novo disco, composto por 17 faixas e cujo lançamento em Maio de 2020 foi adiado devido à pandemia, vai ser distribuído em formato digital em todas as plataformas onde estão presentes também todos os artistas internacionais.

A propósito do espectáculo dessa noite, a presidente da CAO, Suzanne Cunha, explicou que a Direcção decidiu que um dos primeiros eventos a realizar, fora do âmbito do aniversário do clube, seria um espectáculo de fado, porque proporciona "uma noite calma, com um certo ambiente (...) e permite às pessoas apreciarem a música".

A dirigente confirmou também que vai candidatar-se a um novo mandato de dois anos, ao longo dos quais espera envolver mais os jovens no projecto e dar uma maior visibilidade à participação destes nas actividades do clube açoriano.

"É preciso começar a planear o futuro próximo", afirmou, sublinhando que isso passa inevitavelmente pelos jovens.

A CAO realiza este domingo (5), pelas 13h30, uma Assembleia-Geral ordinária para escolher os seus novos corpos gerentes.


Voltar a Sol Português