1ª PÁGINA


Jessica Vidal "A Caminho" com novo lançamento discográfico

Por João Vicente
Sol Português

Faltavam poucos minutos para começar o espectáculo e Jessica Vidal confessava-nos sentir-se "um bocadinho nervosa" mas também "muito ansiosa" por poder finalmente apresentar o seu novo trabalho discográfico às cerca de 480 pessoas que na noite de sábado (28) a esperavam no Clube Português de Cambridge.

Intitulado "A Caminho", o álbum é o mais recente projecto da jovem cantora luso-canadiana que nele reúne um conjunto de talentos da comunidade portuguesa, muitos dos quais se encontravam ali presentes nessa noite.

Era o caso da sua instrutora e produtora executiva, Minah Jardim, do autor de um dos temas, Zé da Vesga, do fotógrafo Eduardo Martins, do produtor musical Nelson Câmara e dos cantores Stephanie Tavares, Lindsey Câmara, Carlos Borges e Steve Vieira – estes dois últimos convidados também para abrilhantar a noite com as suas actuações – enquanto outros mais se encontravam na sala para lhe demonstrarem o seu apoio, incluindo os cantores Nancy Costa e Paulo Pereira.

Algum tempo antes, e após o jantar confeccionado e servido pelos voluntários do clube, ouviram-se algumas palavras de Minah Jardim acerca da artista e deste novo trabalho, pelo que o público aguardava com ansiedade a sua entrada em palco.

Quando por fim chegou a hora, a jovem cantora fez a sua entrada pelas traseiras do salão ao som de "Milagre a Dois", um tema da autoria de Minah Jardim e dedicado às mães, dirigiu-se a cantar pelo meio do salão e sentou-se momentaneamente ao colo da sua progenitora, Ana Vidal, antes de subir ao palco.

"Tentei ao máximo não chorar na primeira canção, quando se sentou ao meu colo, mas estou muito orgulhosa dela porque tem trabalhado muito e agradeço imenso à dona Minah pois é a chave de tudo isto", confessou-nos mais tarde a orgulhosa mãe, que habitualmente acompanha a filha aos inúmeros ensaios e lhe dá todo o apoio de que ela necessita.

Uma vez no palco e sentando-se ao piano, Jessica passou a interpretar o primeiro tema da sua autoria, "Falling Fast", após o que se escutaram algumas mensagens em vídeo de alguns dos intervenientes neste álbum, incluindo Sarah Pacheco, que lhe cedeu o tema "We need love", da sua autoria, e que Jessica gravou para este álbum.

Seguiram-se "Assim te procuro", "We need love" e o tema de estilo popular português, escrito por Zé da Vesga, "A saudade cala fundo", continuando depois com "Aqui rendida", antes de ceder o palco a Carlos Borges, o primeiro artista-convidado dessa noite.

Este, por seu turno, abriu com o animado êxito de Clemente, "Uma noite à beira-mar", e após desejar a Jessica pelo menos 40 anos de carreira, tais como os que ele completa para o ano, interpretou ainda "As tuas mãos", um tema que dedicou a Milú Pacheco, e finalizou a sua actuação com "That's why they call it the blues".

De volta ao palco, Jessica Vidal fez-se acompanhar por Steve Vieira no dueto "Chão distante, lusa vaidade", um fado-canção muito bem recebido pelo público.

O artista interpretou ainda dois temas a solo, "Cry me a river" e "Anel de Rubi", contando com bastante participação do público neste último, após o que Jessica Vidal voltou para interpretar "Cidade conto de fadas", uma canção de contornos populares que bastante agradou, logo seguido de "Doce Loucura", de inspiração latina e que também puxou pelo público, recebendo calorosos aplausos.

Passando para o fado, "O título vem depois" foi o tema que interpretou, terminando com um de cariz mais popular, mas também com um cheirinho a fado, "A voz de Portugal", desta feita em trio com Steve Vieira e Carlos Borges.

Por fim Jessica chamou ao palco Minah Jardim, a quem dedicou um agradecimento especial, bem como ao jornal Sol Português e ao seu director, António Perinú, e que foi repetido pela sua mentora que destacou também José Élio Martins e a JEM Productions pelo som e luzes do espectáculo.

Angélica Cunha Bragança, que faz parte da Comissão do Dia de Portugal de Cambridge, estava profundamente comovida e teve de interromper várias vezes a sua mensagem até se recompor, desejando à jovem, em seu nome, em nome da falecida mãe que tanto gostava da jovem cantora, e do clube, os maiores sucessos antes de lhe entregar um ramo de flores.

Por fim foram colocados à venda os CDs e Jessica participou numa sessão de autógrafos enquanto a festa continuou noite dentro com música para dançar.

Em declarações ao jornal Sol Português, Minah Jardim mostrou-se orgulhosa da sua protegida, salientando que a jovem teve a acrescida responsabilidade de apresentar todo o espectáculo, tocar piano e cantar simultaneamente, considerando que isso denota um progresso significativo, "fruto de muito trabalho".

Também Steve Vieira, que já fez parte do primeiro disco de Jessica Vidal, revelou à nossa reportagem notar uma grande diferença na cantora.

"Acho que a Jessica agora está a entrar na sua voz, afirma o cantor, que destaca ter tido "orgulho" ao vê-la crescer, "não só fisicamente mas também artisticamente", e que o novo álbum "tem um bocadinho de tudo o que toca no seu talento e nas áreas em que ela tem mais força", concluiu.

Entretanto, o gerente de Sarah Pacheco, Evanson Chung, que também assistiu ao espectáculo, mostrou-se bastante satisfeito com o que viu.

"Notei muito crescimento na Jessica e ela tem algo de especial, tanto como artista como cantora, e estou certo de que com a ajuda de Minah Jardim irá desenvolver-se ainda mais", afirmou.

Quanto ao pai da jovem, Manuel Vidal admitiu que embora já há uma semana tivesse os CDs em casa, fez um esforço para não ouvir o álbum antes desta noite pois queria ouvir os temas pela primeira vez ao vivo.

Naturalmente adorou, até porque considera que a filha é dotada de uma voz suave e melodiosa, que dá vida ao que canta, admitindo ter sentido um prazer especial ao escutar o tema de sabor latino, "Doce loucura".

A artista regressou segunda-feira (30) a França, onde está a solidificar os seus estudos da língua francesa, mas estará de volta em Junho, altura em que irá dar continuidade à carreira artística, agora já com novo repertório nos seus espectáculos.


Voltar a Sol Português