1ª PÁGINA


Casa das Beiras

Angariação de fundos para vítimas dos incêndios em Portugal

Por António Perinú
Sol Português

Nos últimos meses, dezenas de milhar de hectares de Portugal arderam numa série de violentos incêndios que ceifaram a vida a mais de 100 pessoas, provocaram centenas de feridos, muitos ainda com prognóstico reservado, queimaram milhares de animais e resultaram em prejuízos de valor incalculável – mormente em termos psicológicos e emocionais.

Depois dos catastróficos incêndios de Junho, que devastaram a região de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, eis que em pleno Outono, a 15 de Outubro, a mais recente hecatombe resultou numa vaga de fogos sem precedentes que durante vários dias varreu Portugal de Norte a Sul, incidindo com especial ferocidade na região de Viseu.

Foi face a isto que a Direcção da Casa das Beiras de Toronto (CBT) realizou no passado fim-de-semana, em parceria com a emissora CHIN Radio e os jornais Sol Português e Voice, dois eventos destinados a angariar fundos para as mais recentes vítimas destes incêndios e dos quais resultaram mais de 20.000 dólares.

O primeiro encontro teve lugar na noite de sábado (28) e, como era de esperar, beirões e não beirões esgotaram por completo a lotação, enchendo o salão desta colectividade com cerca de 300 pessoas.

José Leme foi o mestre-de-cerimónias e a ele coube a apresentação do evento que, por forma a responder o mais depressa possível às necessidades das vítimas, foi organizado em torno da festa de Halloween que a colectividade tinha programada igualmente para essa noite.

Depois de saudar todos e agradecer-lhes pela presença, José Leme deu a conhecer o programa de actividades para essa noite, referindo a colaboração apertada com a emissora CHIN Radio e os jornais Sol Português e Voice no apoio a esta causa.

O mesmo destacaria o presidente do Executivo da CBT, Bernardino Nascimento, que ao dar as boas-vindas ao público realçou que "hoje e amanhã, todo o dinheiro que angariarmos é para mandarmos para Portugal" e que "toda a comunidade vai ter conhecimento através" destes órgãos de informação.

Como destacou, "aquando da angariação conjunta `Juntos por Pedrógão' ganhámos alguma experiência a nível de identificarmos as pessoas mais necessitadas" fazendo questão de seguir o mesmo modelo, o que significa que cada "donativo irá directamente para a conta bancária" das pessoas a que se destina.

O serão incluiu um jantar convívio, após o que teve lugar um espectáculo com vários talentos da comunidade – uma parada de artistas que acederam a actuar gratuitamente para ajudar esta causa.

A primeira presença em palco foi do jovem luso-canadiano Peter Serrado, logo seguido por Al Raposo, Júlia Raposo, Luís Lourenço, Ricardo Cidade, João Marques, Victor Martins, Lídia de Sousa e Décio Gonçalves, num espectáculo com som e luzes a cargo de Digital Dream DJ e David Gouveia.

Todos os artistas agradeceram o convite que lhes foi endereçado para actuarem nessa noite, destacando a importância da comunidade mostrar solidariedade para com os seus conterrâneos que neste momento se vêm numa situação desesperante, tendo muitos deles perdido entes queridos, casa e todos os seus haveres.

A actuação dos nove artistas deu um brilho especial ao evento num concerto em que, como salientou José Leme, o seu único "cachet" foram as ovações do público.

Para além do espectáculo e da venda dos bilhetes e donativos feitos pelo público houve ainda outras oportunidade para contribuir para esta angariação de fundos, incluindo através da compra de rifas, cujos prémios seriam posteriormente sorteados, e de um leilão silencioso onde entre os objectos nos quais era possível fazer ofertas se incluíam camisolas dos clubes Tondela, Académico de Viseu e Benfica, cada uma delas autografada pelos respectivos jogadores e elementos da equipa técnica.

Entretanto, e tal como estava anunciado, o serão incluiu um concurso de máscaras organizado em torno do tema do Halloween e durante o qual dois grupos, divididos por escalões etários – crianças e adultos – foram julgados por um júri constituído pelo casal de artistas Al Raposo e Júlia Raposo, e tendo Anabela Barrocas por presidente.

Num clima de alegria e boa disposição, os mascarados fizeram o seu melhor para impressionar os jurados com a sua criatividade na elaboração dos disfarces com que se apresentaram a concurso e no final coube a Anabela Barrocas comunicar o resultado das deliberações e proceder à entrega dos prémios aos três primeiros classificados de cada grupo.

Mais tarde e continuando nesse espírito de boa disposição, Bernardino Nascimento viria a inventar outra divertida forma de angariar dinheiro para as vítimas dos incêndios, recorrendo a uma bola de futebol da Selecção Nacional.

Como explicou, quem quisesse ter o esférico em seu poder teria que oferecer 10 dólares, sendo que o último com ele nas mãos ficava com ele.

A bola foi passando de pessoa para pessoa e os próprios participantes sugeriram que o valor fosse subindo, passando assim para 20, 50, 100 e, eventualmente, 200 dólares.

Quando tudo terminou, foi o artista Al Raposo quem, após várias tentativas, conseguiu ser o último com a bola – privilégio que lhe custou 200 dólares, além dos 100 que já tinha gasto antes – tinham-se conseguido mais 1.610 dólares e a assistência havia-se divertido à grande com a brincadeira.

Nos agradecimentos finais, Bernardino Nascimento fez saber que nessa noite se encontravam presentes "todos os ex-presidentes desta Casa, menos um, porque está em Portugal, se não também estaria aqui", um bonito exemplo de união que nem sempre se consegue numa realização comunitária mas que, perante uma causa maior, não deixou ninguém indiferente.

No dia seguinte, domingo (29) a angariação continuou com um almoço convívio e espectáculo com o conjunto Nova Banda que, como destacou o artista Al Raposo, fez a sua apresentação oficial.

Segundo Bernardino Nascimento, a iniciativa rendeu nestes dois dias um total de 20.040 dólares, que serão enviados para Portugal para ajudar as famílias das vítimas.


Voltar a Sol Português