1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Ontário atinge objectivo de realizar mais de 16.000 testes diários

No início desta semana, quando o número de casos de Covid-19 a nível mundial indicava 6,35 milhões de infectados e 377.000 óbitos, o Canadá registava um ligeiro abrandamento no número de novas infecções, que caíram de quase 8.000 para 5.000 por semana.

Assim, o total nacional cifrava-se em 92.400 casos (mais de 50.000 no Quebeque e quase 30.000 no Ontário) e os óbitos – com um acréscimo de cerca de 800 mortes no mesmo período – rondavam os 7.400 (cerca de 4.500 no Quebeque e pouco mais de 2.000 no Ontário).

A meio da semana anterior a província do Ontário voltou a registar, pelo segundo dia consecutivo, menos de 400 infecções num período de 24 horas, após vários incrementos diários superiores a esse número que é considerado um importante indicador da evolução da doença.

Cerca de 75 por cento dessas novas infecções foram detectadas na cidade de Toronto e na região de Peel.

Entretanto, e pela primeira vez na história do Canadá, os deputados federais puderam participar em pessoa ou virtualmente em debates no Parlamento, embora nem todas as regras, tradições e privilégios habituais estivessem em vigor.

Na verdade, a Assembleia de deputados, tal como tradicionalmente se realiza, continua suspensa e foi substituída pelo que é designado como um comité parlamentar que trata quase exclusivamente de assuntos relacionados com a pandemia.

Esta situação voltou a ser criticada pelos deputados Conservadores que, em minoria face à coligação informal que se formou entre os partidos Liberal e Neo-Democrático (NDP, na sigla em inglês), viram as suas objecções derrotadas na votação.

Ao longo da última semana as medidas destinadas a retomar a actividade a nível nacional têm vindo a ser implementadas em fases e mais de metade dos parques federais, locais históricos e zonas de conservação marinha, que se encontravam encerrados desde Março, reabriram no dia 1 de Junho.

Enquanto isso, representantes das comunidades de surdos e deficientes auditivos do Canadá, bem como de outros grupos de pessoas portadoras de deficiências, expressaram a sua preocupação com algumas das medidas implementadas para travar o alastramento da Covid-19 dizendo sentirem-se excluídos no processo que determina os métodos a utilizar.

Entre as preocupações citam as máscaras, cujo uso se torna limitativo ou representa uma barreira à forma como comunicam e que nem todas as pessoas estão dispostas a ultrapassar, apelando por isso à compreensão e ao apoio dos governos e da sociedade em geral.

No rescaldo do escândalo em torno das condições em vários lares de idosos, o Primeiro-ministro do Ontário, Doug Ford, revelou que elementos das Forças Armadas canadianas iriam permanecer até 12 de Junho nas cinco instituições para onde foram destacados e que o governo provincial estava a trabalhar no sentido de substituir a gerência e tomar conta da administração destes e doutros lares da terceira idade.

Ao todo, o governo provincial viria a assumir a direcção de sete instituições, entre elas Orchard Villa em Pickering, Altamont Care Community em Scarborough, Eatonville Care Centre em Etobicoke, Hawthorne Place em North York e Camilla Care in Mississauga.

Além de afirmar a intenção de serem levadas a cabo inspecções "extremamente rigorosas" nestas e em 13 outras instituições que estariam a ter dificuldade em lidar com a pandemia, Doug Ford indicou que vão passar a realizar-se inspecções-surpresa em todos os lares de idosos na província.

Segundo indicou ainda, a comissão independente que foi criada para investigar o que aconteceu nas instituições da terceira idade vai arrancar já em Julho, em vez de Setembro, e o governo está pronto a revogar as licenças e a encerrar ou tomar conta das que não cumprirem com os requisitos mínimos.

Doug Ford sugeriu aos accionistas dos lares privados onde se registaram os problemas mais graves que chamem à responsabilidade as companhias que falharam na sua administração e chamou também à atenção os inspectores que, como destacou, "se recusaram" a ir aos lares no auge da Covid-19.

Tendo em conta que apenas assumiu funções há dois anos e que os problemas nos lares de idosos vêm de longe, lembrou que muitas das acusações de que o governo tem estado a ser alvo deveriam ser dirigidas ao sindicato, agradecendo no entanto ao presidente do mesmo, Smokey Thomas, por ter conseguido que os inspectores voltassem a fazer o seu trabalho.

Por seu turno, também o Primeiro-ministro Justin Trudeau afirmou que iria abordar o assunto dos lares de idosos com os seus homólogos provinciais, sendo para já prioridade imediata garantir que os residentes recebem os cuidados necessários e, posteriormente, dialogar a respeito da implementação de mudanças mais profundas.

Entretanto, e no que diz respeito ao município de Toronto, os mapas criados com base nos dados recolhidos pelo departamento de saúde indicam que os moradores das zonas noroeste de Etobicoke e nordeste de Scarborough estão a ser desproporcionalmente afectados pela pandemia em relação a outras zonas da cidade.

Porém, segundo acautelou a Dra. Eileen de Villa, directora dos serviços de saúde da cidade, estes dados indicam apenas onde vive o maior número de pessoas infectadas e não onde contraíram a doença, pelo que ninguém deve ter receio de se deslocar àquelas zonas nem achar que estão seguros noutros locais menos afectados, pois "os dados demonstram que o vírus está presente em todos os bairros de Toronto".

Na recta final da semana, a autarquia torontina procedeu à pintura de círculos na relva do parque Trinity-Bellwoods, um projecto piloto que as autoridades indicaram poder ser útil para ajudar o público a manter a distância adequada e evitar as aglomerações que se registaram no fim-de-semana anterior.

Os círculos, com 2,5 metros de diâmetro e pintados a cada três metros, comportam até três pessoas sentadas, ou duas pessoas deitadas, desde que vivam na mesma casa.

Entretanto, o Primeiro-ministro Justin Trudeau foi um dos anfitriões, juntamente com o seu homólogo jamaicano Andrew Holness e o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, de uma conferência virtual com vista a desenvolver uma resposta coordenada para minimizar o impacto sócio-económico da pandemia.

Nela participaram cerca de 50 líderes governamentais cuja agenda de trabalhos tinha como principal objectivo procurar formas de mitigar os efeitos que os estimados 8,5 biliões de dólares que a ONU calcula venham a ser subtraídos da economia mundial nos próximos dois anos devido à pandemia terão no bem estar das populações.

Foi também na última semana que o Ontário conseguiu pela primeira vez superar a fasquia dos 16.000 testes diários de despistagem da Covid-19 que o governo considera necessário, o que se viria a repetir durante três dias consecutivos.

Enquanto isso, foi dada a conhecer uma nova estratégia de despistagem, com campanhas dirigidas a segmentos específicos da força laboral da província e em zonas que registam focos de infecção ou sectores-chave onde o vírus se propaga com facilidade, como nos sectores de fabrico automóvel, da indústria alimentar ou das grandes superfícies comerciais.

A nível camarário, o presidente da autarquia torontina, John Tory, pediu às grandes empresas para que mantivessem os seus empregados em regime de teletrabalho até, pelo menos, Setembro para garantir uma reabertura "lenta, constante e segura".

Citando o elevado número de utentes dos transportes públicos como um dos factores que complica a retoma das actividades na cidade, o edil indicou que adiar o regresso aos locais de trabalho e escalonar os horários de abertura são medidas que poderão ajudar.

John Tory voltou ainda a incentivar o público a usar máscaras nos transportes públicos, embora ressalvando que a Câmara ainda não tinha considerado decretar obrigatório o seu uso.

Segundo o departamento de Estatísticas do Canadá, a economia nacional registou o seu pior primeiro trimestre desde 2009 e o Produto Interno Bruto decresceu a uma taxa anualizada de 8,2 por cento nos primeiros três meses de 2020.

Com a chegada do fim-de-semana chegaram também notícias de que o governo provincial iria continuar a subsidiar o preço da electricidade durante mais cinco meses, embora a taxa máxima por quilowatt-hora estivesse previsto aumentar em cerca de três cêntimos.

Assim, a nova taxa de 12,8 cêntimos – que entrou em vigor esta segunda-feira (1) – vai manter-se até 31 de Outubro, continuando bastante abaixo das tarifas normais de hora de ponta que já chegaram a atingir 20,8 cêntimos durante o anterior governo.

Entretanto, os ajuntamentos que se haviam registado na semana anterior no parque Trinity-Bellwoods não se voltaram a repetir no último fim-de-semana, com a maioria das pessoas a respeitarem os círculos de distanciamento pintados na relva.

Com o aliviar de algumas restrições impostas como forma de manter a sustentabilidade das redes de fornecimento de produtos essenciais, porta-vozes de organizações de idosos e da indústria farmacêutica do Ontário indicaram que também a limitação do avio de medicamentos para um máximo de 30 dias – para evitar faltas durante a pandemia – deveria ser eliminada até 1 de Julho.

No início desta semana o Ontário passou também a permitir o uso dos parques provinciais para acampar durante o dia, com a autorização para pernoitar esperada para 14 de Junho se tudo continuar a correr como previsto.

Mantêm-se as directrizes sobre as distancias a observar entre o público e o limite de cinco pessoas por agrupamento, salvo em casos onde os campistas vivem na mesma casa, mas é agora novamente permitido o acesso a trilhos pedestres, a zonas de piquenique, aos lagos e rios para canoagem e aos espaços dedicados para cães sem trela.

Com as autarquias a braços com défices monumentais, Justin Trudeau anunciou que o governo federal iria acelerar a distribuição de 2,2 mil milhões de dólares destinados a ajudar os governos municipais.

Segundo o Primeiro-ministro canadiano, as verbas provenientes do imposto de combustíveis e que normalmente são concedidas aos municípios em dois pagamentos anuais irão ser distribuídas este ano de uma só vez.

A Federação de Municípios Canadianos, porém, calcula que o défice orçamental das autarquias nos próximos seis meses ronde os 10 a 15 mil milhões de dólares pelo que esta não será uma solução para colmatar as quebras nas receitas provenientes dos transportes públicos, estacionamento e centros comunitários.

Ainda para mais quando o Primeiro-ministro indicou que gostaria que o dinheiro fosse aplicado em projectos de construção para melhoramento das infra-estruturas ao mesmo tempo que criam empregos.

Pela sua parte, o edil torontino, John Tory, considera que este adiantamento das verbas provenientes da taxa de combustíveis vai ajudar o município, mas acrescenta que as conversações continuam pois será necessário muito mais.

O Presidente da Câmara viria ainda a anunciar a reabertura de algumas casas de banho públicas nos parques e jardins da cidade, assim como das fontes, depois de uma desinfecção profunda que deverá ser repetida frequentemente.

Entretanto, o Aeroporto Internacional Lester B. Pearson de Toronto anunciou a implementação de uma série de novas directrizes, incluindo o uso obrigatório de máscara e a proibição da entrada de pessoas no terminal a menos que tenham passagem para esse dia ou sejam funcionários de serviço.

Por seu turno, a administração dos Blue Jays indicou que o estádio Rogers Centre irá armazenar temporariamente 4,5 milhões de quilos de comida, numa parceria entre aquela equipa de basebol e os Bancos Alimentares do Canadá para suprir as necessidades dos mais desfavorecidos durante a pandemia.

No início da semana o Ontário inaugurou o primeiro centro móvel de despistagem da Covid-19 e o Primeiro-ministro Doug Ford incentivou de novo a população a fazer o teste – mesmo os que têm poucos ou nenhuns sintomas.

Entretanto, o governo indicou que os trabalhadores não sindicalizados e que perderam o emprego ou sofreram reduções nas horas de trabalho devido às medidas decretadas para travar a pandemia continuariam a ser considerados empregados, de acordo com legislação com aplicação retroactiva até 1 de Março, o que lhes permitirá qualificarem-se para vários benefícios.

Segundo o departamento de saúde do Ontário, uma falha de comunicação levou a atrasos no rastreamento dos contactos de algumas pessoas infectadas com Covid-19, situação que está ainda em averiguação.

Um porta-voz daquele departamento refere que a maioria dos pacientes sabia que tinha testes positivos, "pois tinham verificado os resultados online ou foram contactados pelos seus médicos", mas muitos continuavam a precisar de ser acompanhados pelo departamento de saúde – o que estaria a ser rectificado pelas unidades de saúde locais.

Na terça-feira (2) o governo federal anunciou ter assinado um contracto para a aquisição de 37 milhões de seringas – número suficiente para toda a população canadiana – em preparação para uma campanha de inoculação em massa contra a Covid-19 logo que surja uma vacina.

O governo indicou também que continuaria a aumentar o stock de equipamento de protecção e clínico necessário para combater o vírus, no que Justin Trudeau considerou um equilíbrio entre as aquisições que estão a ser feitas um pouco por todo o mundo e o reforço da capacidade de produção nacional.

Por seu turno, o governo do Ontário anunciou verbas no valor de 2,8 milhões de dólares destinadas a estimular os fabricantes locais a aumentarem a produção de materiais de protecção.

O governo assumiu também a direcção do lar Forest Heights, em Kitchener, que apesar da ajuda dum hospital não tem sido capaz de conter o alastramento da Covid-19 entre os residentes e funcionários.

A instituição, onde já tinham falecido 51 residentes e 55 outros estão infectados, assim como 69 funcionários, tem 240 camas e passou a ser gerida pelo St. Mary's General Hospital durante pelo menos durante 90 dias.

Entretanto, a unidade de saúde de Haldimand-Norfolk anunciou que o víruscorona tinha sido detectado localmente em 164 pessoas – a maioria trabalhadores sazonais migrantes na quinta da firma Scotlynn Group – sete das quais teriam sido hospitalizadas.

Por seu turno, a autarquia torontina urgiu o governo provincial a recolher dados indicativos da raça e da actividade ocupacional das pessoas infectadas, considerando "perturbadores" informações preliminares que apontam para um impacto desproporcional da pandemia nos novos imigrantes e nas pessoas de cor ou com baixos rendimentos.


Voltar a Sol Português