1ª PÁGINA


Peter Serrado prepara primeiro álbum de originais

Por João Vicente
Sol Português

Acabado de regressar de Portugal, onde se classificou entre os 10 finalistas mais pontuados do Festival RTP da Canção 2018, Peter Serrado e a sua carreira foram tópico para uma conferência de imprensa na Casa do Alentejo de Toronto (CAT) onde foram revelados os próximos passos do cantor luso-canadiano.

Convocada pela MDC Media Group para o passado dia 27 de Março, a sessão viu o músico Reno Silva anunciar que Peter Serrado está oficialmente sob contracto com a empresa e que estão já a trabalhar na gravação de um álbum discográfico.

Reconhecendo a quantidade de espectáculos que o jovem tem vindo a realizar na comunidade lusa, Reno advertiu que será algo que vai necessariamente ter de ser alterado por forma a dar prioridade ao álbum, assim como para que seja feita uma selecção mais criteriosa dos concertos em que a partir de agora irá participar.

Conforme revelou, o álbum – que por enquanto ainda não tem título – vai ter duas versões e embora a sua elaboração já tenha começado, só em Maio ou Junho darão início ao trabalho de estúdio.

A primeira versão deverá ser publicada no final do Verão e será totalmente em português, seguida, cerca de três meses depois, pela versão em inglês, com as mesmas músicas.

Será um projecto que para além de Peter Serrado terá por elementos Reno e Vic Florencia – renomado e premiado engenheiro de som – assim como alguém capaz de ajudar a trabalhar as letras em português, o que é considerado "o ponto fraco", tanto de Reno como de Peter.

O objectivo é aproveitar a receptividade que sentiram nesta visita a Portugal e a recente experiência no Festival da Canção para partirem à conquista do mercado europeu.

Das cerca de 48 músicas ou esboços que têm entre mãos, irão escolher e trabalhar pouco mais de uma dezena para inclusão neste disco, que será orientado em torno do som e estilo de música mais apetecível ao ouvido do consumidor europeu.

O álbum em português será dirigido ao mercado português e da saudade – concentrando-se em países como a Alemanha, França, Luxemburgo e outros onde existem grandes comunidades lusas – enquanto que com a versão inglesa do álbum se pretende conquistar a Inglaterra, Alemanha, França e restantes países europeus, mas focados na cultura dominante de cada país e apostando na receptividade praticamente universal à música em língua inglesa assente na qualidade das canções e da voz de Peter Serrado.

Segundo Reno Silva, não é que estejam a descurar o mercado nacional canadiano ou norte-americano, mas nesta altura existem portas abertas na Europa e é uma oportunidade que deve ser aproveitada.

No decorrer da conferência de imprensa, Peter falou da sua experiência no Festival da Canção, considerando-a "única", tanto em termos de ambiente como no que diz respeito à escala do evento.

"Quando submeti a canção [a concurso] nem sequer esperava que viesse a ser escolhida", afirmou o jovem que considerou a chegada à final já como uma espécie de vitória e o facto de ter ficado em 10.° lugar na classificação – e no 8.° lugar na votação dos telespectadores – uma grande recompensa.

Para colocar o resultado em perspectiva, Reno comparou a experiência à de um desconhecido que entrasse num concurso lado-a-lado com artistas canadianos de renome, como Bryan Adams, Shanya Twain ou Celine Dion, e conseguisse chegar à final.

Naturalmente, os fãs número um do Peter, o pai e a mãe, acharam que o tema do filho merecia ter ganho, opinião partilhada também por Reno que considera que aquilo que levou muitos portugueses a não votarem na canção "Sunset" – o facto de ser em inglês – é exactamente o que teria a seu favor se chegasse à Eurovisão.

No entanto, e apesar dos votos não lhe terem dado a vitória, Reno mostrou-se algo surpreendido pela recepção que foi dada ao jovem luso-canadiano, referindo que no passado chegou a ver alguma frieza, ou até hostilidade, em relação a músicos vindos de fora e encarados como competição, enquanto que no caso do Peter houve bastante apoio e receptividade, tanto da parte da organização como do público, dos outros músicos e cantores, e das pessoas que trabalharam nos bastidores do festival.

Um dos fãs lá conquistados foi o irmão da famosa fadista Carminho, ele próprio dotado de voz excepcional que usou para acompanhar Peter Serrado na final, como vocalista.

Peter refere que ao tocar em pequenos bares e cafés – às vezes apenas para uma ou duas pessoas, ou apenas com a mãe como assistência – sempre idealizou que gostaria que os palcos e as plateias fossem crescendo, por isso esta participação no Festival da Canção foi algo de monumental.

"A porta está aberta mas ainda não passei por ela", refere o cantor que esclarece ser por isso que "estamos a trabalhar neste álbum e a tentar aproveitar a promoção" que lhe proporcionou.

Algumas dessas portas poderão passar por colaborações, ou até duetos com artistas de Portugal, mas Peter, que após uma sessão de perguntas e respostas terminou a conferência de imprensa com a interpretação do tema "Sunset", garante que não tem intenção nenhuma de se mudar para lá.

No entanto, em Maio vai regressar a Portugal para participar numa tournée de três concertos com os restantes concorrentes numa celebração do Festival da Canção, altura em que conta apresentar uma nova canção.

Uma vez editado o álbum, está planeada também uma tournée da Fnac, assim como uma actuação no Hard Rock Café de Lisboa e, possivelmente, a participação em festivais de música e onde Reno está convencido de que Peter vai brilhar pois o seu ponto forte é tocar ao vivo.

Entretanto a ênfase está no trabalho discográ-fico, pelo que os espectáculos ao vivo terão de passar para segundo plano.


Voltar a Sol Português