ACTUALIDADE INTERNACIONAL


Trump defende "direito absoluto" de se perdoar a si próprio

O Presidente norte-americano, Donald Trump, declarou segunda-feira que tem o "direito absoluto" de se perdoar a si próprio, mas acrescentou que não fez "nada de mal", numa referência à investigação federal em curso sobre um alegado conluio com a Rússia.

"Como foi assinalado por numerosos académicos no activo, tenho o direito absoluto de perdoar-me a mim mesmo, mas porque deveria fazê-lo se não fiz nada de mal?", afirmou Trump em mensagem na sua conta do `Twitter'.

"Entretanto", acrescentou, "a interminável caça às bruxas, liderada por 13 democratas muito enfadonhos e com numerosos conflitos (e outros) prossegue à medida que nos aproximamos das eleições de metade do mandato".

As declarações de Trump ocorrem após as declarações no domingo, de Rudy Giuliani, ex-presidente da Câmara de Nova Iorque e advogado de Trump, quando considerou que a Constituição permite a possibilidade de "auto indulto", apesar de precisar que o Presidente não tem a intenção de o praticar.

O Chefe da Casa Branca tem insistentemente questionado o trabalho do procurador especial Robert Mueller III, que desde há um ano investiga a alegada ingerência do Kremlin nas eleições para a Casa Branca de 2016 e os possíveis vínculos entre a campanha republicana e funcionários russos.

Mueller foi designado procurador especial após Trump ter despedido em Maio de 2017 James Comey do cargo de director do FBI.

Por diversas ocasiões o Presidente exigiu que Mueller "interrompa" a investigação sobre o alegado envolvimento russo nas presidenciais de 2016, definida como uma "caça às bruxas", e citou o suposto custo da investigação avaliado em 20 milhões de dólares (17 milhões de euros) como um dos motivos para a sua suspensão, abrindo uma nova frente de ataque às iniciativas judiciais dirigidas contra o seu círculo mais próximo.

A equipa de juristas de Trump está a deixar claro que vai combater qualquer esforço para obrigar o Presidente a testemunhar perante um grande júri.

Ainda no domingo, Giuliani revelou um dos muitos argumentos incluídos numa carta enviada em Janeiro a Mueller pelos advogados de Trump, em que se sublinha que um Presidente não pode comparecer perante um grande júri no âmbito da suposta interferência estrangeira nas eleições presidenciais de Novembro de 2016.

Trump também insinuou no domingo que Robert Mueller passa documentos confidenciais para a imprensa, repetindo que a investigação não tem fundamento.


Voltar a Actualidade Internacional


Voltar a Sol Português