1ª PÁGINA


Onze anos depois:

Centro Cultural Português de Mississauga volta a ter Miss

Chama-se Carina Neto e vai representar a colectividade no concurso Miss Portuguesa Canadá 2018

Por João Vicente
Sol Português

Após uma década de interregno, o Centro Cultural Português de Mississauga (CCPM) voltou sábado (3) a eleger uma nova Miss, uma jovem que desta feita será simultaneamente a sua representante na próxima edição do concurso Miss Portuguesa Canadá.

A colectividade, que realizou concursos de misses de 1974 até 2007, retomou este ano a iniciativa e no decorrer de um encontro destinado a assinalar também o Dia Internacional da Mulher, os sócios e simpatizantes tiveram oportunidade de ver uma jovem de 21 anos, Carina Neto, conquistar o título para 2018.

Como representante do CCPM, Carina Neto tem também passagem directa para a final do Miss Portuguesa Canadá, concurso cuja vencedora viajará até Portugal para representar a comunidade luso-canadiana no Miss Portuguesa 2018.

Além de Carina, que é natural de Meirinhas, na região de Leiria, concorreram ainda quatro jovens da ilha Terceira: Britney da Silva, 18 anos; Kayla Toste, 23; Lisa Silva, 22; e Alysha Mendes; bem como Karen Torneiro, 23, cujo pai é de Fafe e a mãe da Lourinhã.

Após um jantar convívio deu-se início à competição e espectáculo com as seis concorrentes a apresentarem-se em palco em calções de ganga e t-shirt na interpretação de uma dança coreografada pela academia Azucar Picante.

Esse seria o primeiro acto apreciado pelo júri, que foi composto por Jorge Mouselo, vice-presidente do CCPM; Patrícia Fino e Mónica Rasteiro, respectivamente, directora e vice-directora do Miss Portuguesa Canadá; e Pedro Maia, da firma Maia & Associates.

No decorrer do evento, que teve apresentação da locutora Lídia Ferreira, escutar-se-iam os cantores Nelson "Nelz" Medeiros (e a sua banda) e Eduardo Sant'Ana, bem como se apreciaram algumas danças interpretadas por Ashley Maia, da Ontario School of Ballet.

Dado que o lema do concurso é "beleza por uma causa", no entretanto o público teve oportunidade de assistir a uma sequência de vídeos das candidatas onde se deram a conhecer e às causas que defendem, assim como deixaram os seus testemunhos sobre o que significava para cada uma delas "ser Miss".

As causas pelas quais prometiam pugnar tinham por característica querer "dar voz a quem não a tem" e incluíam iniciativas ligadas à promoção da auto-estima,à igualdade de oportunidades para crianças deficientes e meninas, sobretudo em países onde isso ainda não acontece, e à defesa e promulgação da cultura portuguesa.

Ao longo da noite as concorrentes desfilaram por duas vezes em vestido de noite e foi logo após o primeiro que foram escolhidas a Miss Fotogenia e Miss Simpatia, respectivamente, Alysha Mendes (que recebeu a sua faixa do presidente da colectividade, Tony de Sousa) e Carina Neto (presenteada pela patrocinadora dos vestidos, Brenda Konwisarz, da boutique Naked Bodyz).

No final do segundo desses desfiles foram dadas a conhecer as quatro melhores classificadas: Alysha Mendes, Carina Neto, Britney da Silva e Kayla Toste.

Por fim, a mestre de cerimónias pôs ainda uma questão ao vivo a cada uma das concorrentes: "como apresentarias Portugal num concurso internacional?", após o que o júri passou à deliberação e à convocação das vencedoras.

A primeira a ser chamada ao palco foi a segunda-dama de honor, Alysha Mendes, que recebeu a sua faixa e a tiara das mãos de Maria José Martins, patrocinadora das tiaras entregues às jovens premiadas.

Seguidamente, o júri revelou o nome de Kayla Toste para o título de primeira-dama de honor, sendo-lhe a respectiva faixa e tiara colocada por Mariana Franco, que foi ela própria primeira-dama de honor na edição de 2017 do Miss Portuguesa Canadá.

Por fim, num momento de grande tensão e com as duas finalistas de mãos dadas, foi anunciada a vencedora: Carina Neto, a quem Ryan Durão, Miss Portuguesa Canadá 2017, atribuiu as insígnias de Miss CCPM.

No fim do mês de Abril esta jovem irá representar a sua colectividade e defrontar as vencedoras de idênticas competições realizadas na Casa da Madeira, na Casa das Beiras e no Clube Oriental de Cambridge, assim como um leque de participantes que se inscreveram directamente no Miss Portuguesa Canadá 2018, concurso aberto desde o final da gala do ano passado.

A eventual vencedora irá representar a comunidade luso-canadiana na edição deste ano do concurso Miss Portuguesa, que vai realizar-se em Portugal.

Para os responsáveis do CCPM, esta e outras iniciativas que têm vindo a abraçar pretendem atrair e cativar os jovens, e levá-los a ter uma participação mais activa no clube.

Os resultados parecem positivos, a julgar pela aderência de jovens, e a nova Miss do CCPM, que diz ter ouvido o anúncio do concurso na rádio, é disso exemplo.

Segundo explica, o importante para ela foi participar e desde logo se mentalizou que mesmo que não ganhasse iria aprender alguma coisa e crescer com a experiência, por isso decidiu inscrever-se.

Apesar de se sentir à altura das outras concorrentes, à medida em que se foram conhecendo melhor ao longo dos dias e das experiências que partilharam, ganhou uma apreciação pelos dotes e talentos das colegas pelo que a vitória chegou um pouco de surpresa.

Ainda assim, e apesar da sua primeira reacção ter sido: "não tenho palavras", estas depressa voltaram e permitiram-lhe expressar o seu orgulho pela conquista do título e pela oportunidade de representar "esta cultura linda", referindo o legado cultural luso-canadiano.

Kayla Toste, por seu turno, declarou-se "muito feliz e honrada" pelo título de primeira-dama de honor, enquanto Alysha Mendes diz ter adorado a experiência, especialmente a camaradagem com as outras concorrentes, adiantando terem-se tornado "as melhores amigas".

"Sofremos muito esta semana, a ensaiar a nossa dança até à uma ou duas da manhã, chorámos juntas e tenho uma experiência que posso levar comigo para o resto da vida", concluiu.

Entretanto a responsável do Miss Portuguesa Canadá, Patrícia Fino, disse-se feliz por ver o CCPM participar neste concurso.

Foi "uma semana intensa [durante a qual] tivemos oportunidade de conhecer" as candidatas pois, como ressalva, "essa avaliação não é só feita no dia do desfile – nós temos de as conhecer – e por isso mesmo temos uma semana intensa de ensaios", incluindo visitas aos patrocinadores da competição.

Esse período "dá-nos oportunidade de conviver com elas e conhecer a conduta de vida delas", salientando que "é aí que começa a grande avaliação" e que, com base nisso, está confiante de que o CCPM está "muito bem representado".

O serão viria a terminar com um animado espectáculo a cargo do artista Tony Câmara, que foi também o coordenador de cena durante o concurso.


Voltar a Sol Português