1ª PÁGINA


Dia Internacional da Mulher:

Portuguesa entre as distinguidas por contributos a favor da condição feminina

Por João Vicente
Sol Português

Ângela Machado foi uma das homenageadas esta quarta-feira (7) pela deputada Cristina Martins, no decurso de uma cerimónia destinada à entrega dos prémios "Leading Women, Leading Girls", atribuídos pelo Ministério do Estatuto da Mulher em reconhecimento de líderes comunitárias cuja acção voluntária contribui para melhorar a vida das pessoas que as rodeiam.

A homenagem, que decorreu no escritório de representação da deputada luso-canadiana em Davenport na véspera do Dia Internacional da Mulher, reuniu pouco mais de 20 pessoas num ambiente intimista, apesar da montra que expunha o que no interior se passava.

Ângela Machado, que há 17 anos realiza um jantar de gala beneficente no âmbito do convívio anual do Círculo de Amigas – um encontro de mulheres que dá continuidade a uma tradição dos Açores – já conseguiu através desta iniciativa angariar cerca de 800 mil dólares a favor do Hospital Princess Margaret para a luta contra o cancro.

Além desta portuguesa foram premiadas também Alicia Vianga, fundadora e dirigente da organização After Breast Cancer, que presta auxílio a mulheres com cancro da mama que não têm posses para a compra de próteses após a mastectomia, e Lourdes Fuentes, mais conhecida por "Lumi", pelo seu trabalho com idosos no centro comunitário Davenport-Perth e noutras iniciativas que beneficiam as mulheres e a comunidade local.

Mary Oko foi distinguida pela sua actividade voluntária, no conselho de administração da Marcha das Mulheres e no conselho familiar da Copernicus Lodge, além do apoio que tem prestado a várias organizações de caridade e grupos sem fins lucrativos, enquanto Phoi Nguyen, que veio para o Canadá como refugiada do Vietname, em 1979, foi reconhecida pelo trabalho desenvolvido em várias iniciativas beneficentes, assim como em prol das comunidades vietnamita e islâmica de Toronto.

"São mulheres fortes e inspiradoras", salientou a deputada Cristina Martins em declarações ao jornal Sol Português, considerando-as um exemplo "para que tenhamos mais mulheres como elas a fazerem pelo bem da comunidade", e a inspirar também as jovens "para que sigam o caminho do voluntariado" e de ajuda à comunidade onde se inserem.

"Custa a acreditar que ainda estejamos a lutar por tantas coisas para as mulheres" referiu a deputada luso-canadiana após citar a origem do Dia Internacional da Mulher e a realização de marchas e outros eventos que começaram pela reivindicação de determinados direitos para as mulheres, há cerca de um século.

"Esta é uma oportunidade para reconhecermos as mulheres que nos precederam e o caminho que nos abriram para chegarmos até este ponto", acrescentou Cristina Martins.

Além das cinco premiadas em pessoa, houve duas outras distinguidas in absentia, designadamente, Jutta Mason pelo seu contributo ao longo dos anos para o parque Dufferin Grove, e Mariella Sotto pelo seu trabalho com idosos no Davenport-Perth Community Health Centre.

Para além desta cerimónia, o encontro visou igualmente dar relevo às peças de arte que estão actualmente expostas neste espaço onde, mensalmente, a deputada luso-canadiana apresenta uma nova mostra de artes plásticas.

Desta vez, toda a arte ali instalada foi feita por mulheres e inclui pinturas de Suzanne Barnes, que decoram as paredes e as vitrines, enquanto no parapeito da montra está uma colecção de peças de barro feitas por utentes do Inspirations Studio.

Suzanne Barnes, agora reformada, foi professora de arte na Direcção Escolar de Toronto durante 30 anos e continua activa e a aperfeiçoar as suas técnicas na Toronto School of Art, que está localizada no distrito de Davenport – através da qual foi contactada para exibir o seu trabalho.

As peças de barro foram criadas por mulheres que tentam ultrapassar problemas de saúde física ou mental, sem abrigo ou que procuram normalizar a sua vida e estão, duma forma ou doutra, marginalizadas.

Segundo Gudrun Olafsdottir, responsável por este programa ministrado pela Inspirations Studio, o trabalho com barro ajuda-as a lidar com os problemas e a esquecer por alguns momentos as dificuldades que atravessam, sendo ainda uma fonte de rendimento suplementar pois podem levar as suas criações e vendê-las.

"É" – como referiu uma das participantes deste programa de olaria – "como ir a uma sessão de psicote-rapia, onde não é preciso falar".

A presença e a contribuição de Suzanne Barnes e Gudrun Olafsdottir para esta mostra foram publicamente reconhecidas pela deputada luso-canadiana que anunciou que a exposição vai estar patente ao público até ao fim do mês de Março.


Voltar a Sol Português