ACTUALIDADE INTERNACIONAL


Covid-19: Pandemia suspendeu serviços de saúde mental em 93% dos países do mundo

A pandemia de Covid-19 interrompeu ou suspendeu serviços essenciais de saúde mental em 93% dos países do mundo, numa altura em que a procura por estes cuidados de saúde está a aumentar, revela um inquérito da OMS segunda-feira divulgado.

O inquérito realizado em 130 países fornece os primeiros dados globais que mostram o impacto devastador da Covid-19 no acesso aos serviços de saúde mental e realça a necessidade urgente de um aumento do financiamento.

O inquérito, que foi realizado entre Junho e Agosto deste ano, em 130 países das seis regiões da Organização Mundial da Saúde, avalia como a prestação de serviços mentais, neurológicos e de uso de substâncias mudou devido à Covid-19, os tipos de serviços que foram interrompidos e como os países estão a adaptar-se para superar esses desafios.

Mais de 60% dos países reportaram perturbações nos serviços de saúde mental para pessoas vulneráveis, incluindo crianças e adolescentes (72%), idosos (70%) e mulheres que necessitam de serviços pré-natais ou pós-natais (61%).

Segundo o estudo, 67% viram interrupções no aconselhamento e psicoterapia, 65% nos serviços de redução de danos. Quase um terço (35%) reportou interrupções nas intervenções de emergência, incluindo pessoas que sofrem de convulsões prolongadas, síndromes de retirada de uso de substâncias severas, e delírio.

Houve 30% que relataram perturbações no acesso a medicamentos para distúrbios mentais, neurológicos e de uso de substância e quase três quartos reportaram pelo menos perturbações parciais nos serviços de saúde mental escolar e no local de trabalho (78% e 75%, respectivamente).

Enquanto muitos países (70%) adoptaram a tele-medicina ou a tele-terapia para superar as interrupções dos serviços presenciais, existem disparidades significativas na adopção destas intervenções, adianta o estudo.

Mais de 80% dos países de alto rendimento reportaram o desenvolvimento de tele-medicina e tele-terapia para colmatar as lacunas na saúde mental, em comparação com menos de 50% dos países de baixos rendimentos.

A investigação é divulgada dias antes da realização de um grande evento da OMS a 10 de Outubro, Dia Mundial da Saúde Mental, um evento virtual de `advocacy' da OMS que reunirá líderes mundiais, celebridades e defensores da saúde mental para apelar ao aumento dos investimentos nesta área na sequência da pandemia.

A OMS já salientou o subfinanciamento crónico da saúde mental: antes da pandemia, os países gastavam menos de 2% dos seus orçamentos nacionais de saúde nesta área e lutavam para satisfazer as necessidades das suas populações.

Agora, a pandemia está a fazer aumentar a procura destes serviços. "O luto, o isolamento, a perda de rendimento e o medo estão a desencadear condições de saúde mental ou a exacerbar as já existentes", salienta.

"Muitas pessoas podem estar a enfrentar um aumento do consumo de álcool e de drogas, insónias e ansiedade". Enquanto isso, o próprio vírus SARS-CoV-2 pode levar a complicações neurológicas e mentais, como delírio, agitação ou ataque.

As pessoas com distúrbios pré-existentes mentais, neurológicas ou derivados de consumo de substâncias também são mais vulneráveis à Covid-19 e podem ter um maior risco de resultados graves e até mesmo de morte, adverte.

A OMS afirma, em comunicado, que emitiu orientações aos países sobre como manter os serviços essenciais - incluindo os serviços de saúde mental - durante a Covid-19 e recomenda que os países aloquem recursos à saúde mental como componente integrante dos seus planos de resposta e recuperação.

Também insta os países a monitorizarem as mudanças e perturbações nos serviços para que possam abordá-los conforme necessário.

Embora 89% dos países tenham comunicado no inquérito que a saúde mental e o apoio psicossocial fazem parte dos seus planos nacionais de resposta à Covid-19, apenas 17% têm financiamento adicional total para cobrir estas actividades.

"Tudo isto sublinha a necessidade de mais dinheiro para a saúde mental", diz, sublinhando que "à medida que a pandemia continua, será ainda mais procurada em programas nacionais e internacionais de saúde mental que sofreram anos de subfinanciamento crónico".

Os financiadores internacionais também precisam de fazer mais: a saúde mental ainda recebe menos de 1% da ajuda internacional destinada à saúde, sublinha, salientando que os que investem em saúde mental vão "colher recompensas".


Voltar a Actualidade Internacional


Voltar a Sol Português