PENA & LÁPIS


Correspondente da Alemanha:

A história repete-se e o homem diverte-se

Por António Justo

Sol Português

A História não se repete, o Homem é que continua a ser igual a si mesmo! O Homem é simultaneamente lobo e o cordeiro que, conforme os interesses e as circunstâncias, assume um ou outro papel.

Enquanto a pessoa não reconhecer as duas energias (o bem e o mal) em si própria, será tentada a assumir apenas o papel de cordeiro para se justificar em lobo do outro (considerado adversário). Como não reconhece a realidade, em nome da bondade e da inocência, torna-se em lobo lutador contra o que define de bom ou de mau.

O que não reconhecemos e não aceitamos dentro de nós mesmos combatemo-lo fora, nos outros. Assim, o cordeiro em nós propaga a guerra contra o lobo que não reconhece em si!

Este jogo fatídico será projectado na tela da História enquanto a espécie humana se afirmar pela exclusão, extinção ou desrespeito do outro.

A guerra fará parte dominante da vida e da História enquanto não reconhecermos a lei da complementaridade (da realidade, dos actos e das coisas). Uma tal consciência levar-nos-ia a aproximar uns dos outros e não a comportarmo-nos como inimigos.

A guerra e a paz têm a sua casa em nós e na natureza.

Uma medida prática e eficiente no convívio e nas relações é a ética filosófica do meio-termo de Aristóteles: "a virtude está no meio". A coragem é o meio-termo entre covardia e temeridade.

Como seres chamados à felicidade, a virtude pressupõe naturalmente a educação da vontade pela razão e pela intuição, dado não sermos bichos isolados.

O amor ao próximo é um ideal a tornar-se universal que não se circunda à família, ao país, à cultura nem à religião.

António da Cunha Duarte Justo é Teólogo e Pedagogo


Voltar a Pena & Lápis


Voltar a Sol Português