SAÚDE & BEM ESTAR


Investigadores descobrem proteína responsável pelo desenvolvimento das células T

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) da Universidade do Porto descobriram uma proteína responsável pelo desenvolvimento das células T, essenciais na resposta do organismo a ameaças externas, foi na passada semana anunciado.

Em comunicado, o instituto do Porto revela que o artigo, publicado na revista Autophagy, "abre portas à exploração de terapias dirigidas" àquela proteína, intitulada LAMP2, e cuja ausência diminui a resposta imune ao afectar a produção das células T no timo (órgão regulador central da resposta imunitária).

O desenvolvimento de novas terapias permitirá restaurar a função tímica em pessoas com problemas imunológicos causados pela acção deficiente das células T, como é o caso da população envelhecida e de pacientes imunocomprometidos.

"A pandemia provocada pelo novo vírus SARS-CoV-2 demonstrou a importância de estarmos sempre equipados com um sistema imune composto por um reportório de células T diverso, que seja imunológica e funcionalmente competente para responder a qualquer nova ameaça", refere o i3S.

A criação das células T, que são capazes de reconhecer todos os elementos estranhos, ocorre no timo, estando também dependente do micro-ambiente fornecido pelo timo, que é "arquitectado e proporcionado pelas chamadas células epiteliais tímicas".

Foi precisamente nestas células que os investigadores descobriram a proteína LAMP2, que se veio a revelar essencial na regulação do desenvolvimento das células T.

Citado no comunicado, o investigador Nuno Alves afirma que a proteína "permite diversificar o reportório de células T, isto é, seleccionar uma população diversa de células capazes de responder a várias ameaças".

Os resultados, salienta o investigador líder do grupo Thymus Development and Function Laboratory, "são verdadeiramente inovadores na área do desenvolvimento das células T, pois permitem compreender melhor os mecanismos fundamentais que regulam o estabelecimento da imunidade conferido pelas células T".

Ao mesmo tempo, a descoberta abre portas para a "possibilidade de explorar terapeuticamente a função da LAMP2 para restaurar a função tímica em indivíduos com doenças associadas a respostas T deficientes".

A equipa de investigadores vai agora tentar perceber se a função da proteína diminui com a idade e se o declínio da mesma contribui para a perda da diversidade das células T.

"Se isso se comprovar, teremos uma oportunidade única para tentar restaurar terapeuticamente a função da LAMP2, e desta forma conseguirmos rejuvenescer a resposta imunológica de grupos de risco, como os indivíduos mais idosos ou pacientes imunocomprometidos, a novas infeções, cancro ou vacinas", acrescenta.


Voltar a Saúde


Voltar a Sol Português