1ª PÁGINA


Subsídios governamentais para projectos dedicados à terceira idade

Novas verbas mas também novas regras do governo provincial levam a deputada Cristina Martins a organizar uma sessão de esclarecimento sobre o processo de candidatura

Por João Vicente

Sol Português

Com o objectivo de elucidar as organizações comunitárias de Davenport sobre os subsídios provinciais para projectos dedicados aos idosos, a deputada Cristina Martins acolheu terça-feira (7) na Casa das Beiras de Toronto um grupo de dirigentes de organizações que têm já em vigor este tipo de programas ou que estão a considerar a sua implementação.

Estes subsídios, como destacou, destinam-se a projectos para a terceira idade e foram criados há cinco anos pelo governo provincial, inicialmente com uma verba de um milhão de dólares.

Apesar do valor ter duplicado no segundo ano, o número de pedidos tem sido sempre superior ao orçamento pelo que este ano foi anunciada uma verba de 11 milhões de dólares para os próximos três anos.

Entretanto, foi criado também um novo escalão que permitirá financiar projectos mais ambiciosos, de maior envergadura, ou que levem à expansão de projectos já existentes por forma a cobrirem uma área geográfica maior.

Assim, aos dois níveis de subsídios já existentes, e que este ano contemplam projectos orçados entre 1.000 e 3.000 dólares, ou entre 3.000 e 12.000 dólares, surge agora um terceiro escalão que vai até 100.000 dólares.

Convidados a explicar os detalhes e responder às perguntas dos representantes das organizações que compareceram ao encontro estiveram Phillip Lloyd, assistente do ministro dos Assuntos dos Idosos, e Anjali Wimpenny, uma das funcionárias responsáveis pela administração destes subsídios.

Com a ajuda de slides, Phillip Lloyd destacou o envelhecimento geral da população no Ontário, realçando existirem actualmente mais de dois milhões de seniores, número que se prevê venha a duplicar nos próximos 25 anos, o que, posto em perspectiva, significa que pela primeira vez haverá mais pessoas acima dos 65 anos do que com menos de 15.

É, como realçou, uma situação sem precedentes e que levou o governo a estudar as implicações desta mudança radical para tentar criar um plano de resposta.

Foi nesse âmbito que foi constituído o Ministério dos Assuntos dos Idosos, há menos de um ano, e criado este programa de subsídios, para dar resposta às necessidades presentes e crescentes dos idosos da província.

Dado que um dos maiores receios da população idosa é o isolamento social e a solidão, são necessários projectos que lhes ensinem coisas novas e lhes permitam maior interacção social.

Assim, foram destacados como exemplos os projectos ligados à actividade física, ou à participação em bandas e coros, podendo estes, no entanto, tomar muitas outras formas, tais como excursões com uma componente educativa ou trabalhos manuais.

Com um papel preponderante ao longo desta apresentação, pois era a pessoa mais apta a responder a muitas das questões devido ao seu conhecimento aprofundado das regras de financiamento, Anjali Wimpenny foi dando esclarecimentos ao mesmo tempo que convidava os dirigentes das organizações a fazerem uma leitura cuidada das regras – estipuladas na documentação oficial livremente acessível na Internet – e a consultarem os representantes do governo pelo telefone ou por e-mail para clarificarem quaisquer dúvidas.

Segundo referiu, é necessário formular os projectos de forma cuidada uma vez que, ao contrário de outros anos, estes são aprovados ou chumbados sem oportunidade para renegociação ou adaptação da proposta.

A pressão é acrescida pois restam menos de três semanas para apresentarem as candidaturas, cuja data limite é o dia 30 de Novembro para projectos a implementar entre Abril de 2018 e Março de 2019.

De destacar ainda que a intenção destes subsídios, segundo os apresentadores, é agir como semente para programas capazes de virem a andar pelo seu próprio pé e não sustentá-los ano após ano.

Admite-se, no entanto, que os projectos originais possam vir a ser modificados no seu âmbito ou escala por forma a receberem verbas adicionais em anos subsequentes.

A par de outras organizações que servem comunidades como a hispânica e vietnamita, da comunidade portuguesa estiveram representadas as Casas do Alentejo e dos Açores, e o First Portuguese-Canadian Cultural Centre, assim como o Centro Abrigo cujo director, Ed Graça, referiu, em declarações ao jornal Sol Português, sentir-se um pouco decepcionado com o que considerou ser uma aproximação menos conciliatória em relação aos montantes propostos e que passam agora a ser "tudo ou nada".

Com respeito ao terceiro nível de subsídio agora introduzido, confessa que o deixa um pouco incerto quanto aos tipo de projectos que o governo irá favorecer, pois é algo novo, mas vê a vantagem em propor projectos mais ambiciosos ou ampliar outros já existentes.

"Ao ver isto estou a pensar em ampliar algo que já tenhamos feito no passado, talvez estabelecer parcerias com outras organizações aqui presentes", disse o dirigente da Abrigo, acrescentando que o seu objectivo é "submeter uma proposta entre 25 e 30 mil dólares – não tem de ser 100 mil dólares".

As suas palavras foram ao encontro da opinião de outros responsáveis de organizações ali presentes, pelo que não é de surpreender que logo ali, à despedida, já tivesse decorrido uma conversa informal sobre um possível projecto conjunto do Centro Abrigo com o First Portuguese, organizações com largos anos de experiência na prestação de serviços e programas dedicados aos idosos.

No final do encontro, a deputada Cristina Martins declarou-se satisfeita com a forma como a sessão decorreu pois houve tempo para explicar e para fazer perguntas, tal como era o seu objectivo.

"Incentivo todos os grupos que ajudam e trabalham com idosos a candidatarem-se e a tirarem partido destas verbas, para ajudarem a fortalecer as nossas comunidades", adiantou a deputada luso-canadiana que considerou que assim se pode garantir aos idosos "viver a sua vida em pleno, tanto em Davenport como no resto da província".

Devido às complexidades inerentes a este tipo de iniciativas e ao facto da não haver oportunidade para reformular uma proposta depois de recusada, os apresentadores aconselharam vivamente os interessados a falarem com representantes do governo antes de apresentarem as suas candidaturas.

Poderão fazê-lo através do telefone 1-833-724-4636 ou pelo email: seniorscommunitygrant@ontario.ca.

Entretanto, Cristina Martins disponibilizou igualmente os seus recursos e os seus funcionários para ajudar a responder a eventuais perguntas ou para servir de intermediária na obtenção de respostas, podendo ser contactados no seu escritório de atendimento em Toronto pelo telefone 416 535-3158.


Voltar a Sol Português