COMUNIDADES EM FOCO


Canadá cancela deportação de família portuguesa

As autoridades canadianas cancelaram a deportação da família portuguesa prevista para esta quinta-feira, disse quarta-feira à agência Lusa a advogada da família.

"Não tenho a certeza do que se passou, mas fomos notificados pela Agência de Fronteiras Canadiana (CBSA, sigla em inglês), de que tinham cancelado a ordem de deportação", disse Jacqueline Swaisland.

Filipe Gonçalves, de 40 anos, Eva Ferreira, de 39 e o filho Luís Gonçalves, de 15 - no Canadá desde 2012 e oriundos de Fafe (distrito de Braga) tinham uma ordem de deportação para ontem (quinta-feira) após o visto do trabalho ter expirado, apesar de várias tentativas em diferentes processos de revalidação do estatuto.

Neste momento a advogada diz "não ter mais informações" sobre o cancelamento da deportação e o facto de a CBSA não "enviar uma nova data para a deportação" é um "bom sinal".

"Não nos enviaram nenhuma data futura para a deportação, não aparenta que eles sejam deportados numa outra data, apenas nos disseram que foi cancelada", acrescentou.

Desde a chegada ao Canadá, em Agosto de 2012, a família diz que já gastou cerca de 56 mil dólares canadianos (36,4 mil euros) em três consultores e advogados de imigração de diferentes empresas.

A família portuguesa chegou ao Canadá, candidatou-se em 2012 a dois vistos de trabalho, através de uma companhia de transportes pesados de mercadorias.

Os vistos de trabalho, de Filipe, de um ano, e de Eva, válido por dois anos, foram aprovados em meados de Novembro desse ano, altura em que ambos começaram a trabalhar no Canadá com toda a documentação legal.

O problema surgiu com a renovação dos vistos de trabalho, que não aconteceu, com a família a culpar vários consultores de imigração que não "fizeram o seu trabalho".

A família só teve conhecimento que se encontrava em situação indocumentada em 2014, apesar das infrutíferas tentativas de legalização.

Em Março de 2020, Otava suspendeu a maioria das deportações, devido à pandemia. No início de Agosto, o Canadá decidiu deportar os casos mais graves de inadmissibilidade. E todos os casos de inadmissibilidade no final de Novembro.

Foi nessa altura, que a família portuguesa contactou a advogada de Toronto, que apresentou em Dezembro uma candidatura ao estatuto de compaixão humanitária pelo enorme esforço que "têm feito para regularizar o seu estado no Canadá".

Entretanto, Jacqueline Swaisland submeteu um pedido de adiamento da deportação, alegando que a família "não deve ser deportada neste momento", e que a CBSA deverá aguardar até que tenha uma resposta à candidatura ao estatuto de compaixão humanitária e porque "não é seguro viajar para Portugal, porque tem uma das taxas mais altas de casos com infecções devido à pandemia".

O pedido foi rejeitado pelas autoridades canadianas, tendo como última alternativa um recurso ao Tribunal Federal, que seria apresentado na quarta-feira, um dia antes da deportação.

Segundo dados do Governo canadiano, residem no país mais de 480 mil portugueses e luso-descendentes.


Voltar a Comunidade em Foco


Voltar a Sol Português