ECONOMIA & FINANÇAS


Stress e pressões financeiras aumentaram durante a pandemia

Por Jorge Oliveira

Estamos há perto de um ano a sofrer com os efeitos da pandemia de Covid-19 e as ansiedades associadas ao assustador vírus que a provoca continuam a dominar o mundo.

Estressados e frustrados com mais um período de confinamento, a vida tem-se tornado difícil e muito mais complicada no seio familiar.

Trabalhar de casa, ajudar os filhos com a escola virtual enquanto estes sentem saudades dos colegas e dos amigos, todos confinados no mesmo espaço, 24 horas por dia, 7 dias por semana, torna-se difícil, mais ainda para aqueles que se vêm confrontados com dificuldades financeiras e outros problemas.

É frequente verem-se casais com opiniões diferentes sobre o que fazer para manterem os filhos seguros durante a pandemia, com um dos cônjuges a considerar seguro os filhos saírem e frequentarem as aulas presenciais enquanto o outro quer que estudem de casa, pelo ensino virtual.

Outros discutem a forma como cada um respeita as regras de distanciamento social para si e para os filhos.

É natural os casais juntarem-se com amigos, mas a Covid-19 eliminou o convívio e já nem os filhos podem visitar os avós, em muitos casos.

Estas dificuldades e problemas levaram a que disparassem as chamadas para os advogados especializados em assuntos familiares, para darem início a processos de separação e divórcio.

Alguns não serão culpa da pandemia e talvez tivessem acontecido de qualquer forma, mas a pressão provocada pela pandemia acelerou o processo de dissolução desses casamentos.

O estado de stress em que nos encontramos afecta a nossa capacidade de tomarmos decisões e o divórcio envolve muitas decisões que afectam os filhos e a sua estabilidade financeira.

A terapia pode ajudar os casais a reconciliarem as suas diferenças e deve ser procurada antes de recorrerem ao divórcio. Mas como todos sabemos, há casos em que não há reconciliação possível.

O divórcio durante uma pandemia não é impossível. Na verdade, por vezes é até bastante necessário e embora seja um assunto desagradável é importante os leitores saberem quais os seus direitos quando têm de vender a casa matrimonial.

Ao longo dos anos tenho tido por clientes vários casais durante o processo de divórcio ou separação.

Dividir os bens pode ser uma questão complicada, mas se conseguirem apresentar uma frente unida isso irá ajudá-los não não só com a venda da casa mas também com o valor pelo qual a conseguem vender.

Um dos primeiros passos que devem dar é informarem-se das suas opções e direitos, dependendo da situação em que se encontram.

A seguir devem pedir uma avaliação da propriedade junto de um agente imobiliário experiente e com conhecimento da zona onde residem.

O casal concorda em vender a casa e o divórcio é amigável, ou é conflituoso e há falta de comunicação? A resposta a esta pergunta vai determinar a forma como devem agir.

Infelizmente todos sabemos que concordar um com o outro durante o processo de divórcio por vezes torna-se difícil.

Se não conseguirem um consenso a respeito da venda da casa, poderá ser necessário o advogado apresentar o caso a um juiz e se o divórcio não for consensual e tiver de ir a tribunal, vai levar mais tempo.

Antes de ser decretado o actual período de confinamento os tribunais estavam no processo de reabrir, mas existe ainda um grande número de casos em atraso e os juízes estão a tratar dos mais urgentes primeiro.

É importante ter em conta que a casa matrimonial só pode ser vendida se o casal concordar, já que se apenas um dos cônjuges tentar fazê-lo sem o consentimento do outro, o contrato pode ser invalidado.

Se ambos concordarem em vender a casa, vão precisar de um agente imobiliário com experiência neste tipo de situação, já que se trata de uma venda complicada e há muitas emoções envolvidas na venda duma casa – ainda mais durante um divórcio ou separação.

Face à actual pandemia, é necessário também agir dentro das novas regras que foram estipuladas, para segurança de todos.

Jorge Oliveira é agente imobiliário da Royal LePage Supreme Realty, em Toronto, onde pode ser contactado através do telefone 416 535-8000


Voltar a Finanças


Voltar a Sol Português