1ª PÁGINA


Banda Sagrado Coração de Jesus:

Concerto de Primavera pretexto para homenagem surpresa ao maestro Miguel Domingos

Por António Perinú
Sol Português

O salão paroquial da Igreja de Santa Helena foi palco no pretérito sábado (7) de um Concerto de Primavera durante o qual foi prestada uma homenagem surpresa ao maestro Miguel Domingos, cujos recentes problemas de saúde o obrigaram a afastar-se do cargo que há seis anos desempenhava à frente da filarmónica desta paróquia.

O serão, que incluiu um jantar convívio antes do concerto, registou uma actuação de temas eclécticos que puseram em evidência o talento e o alargado repertório da Banda do Sagrado Coração de Jesus (BSCJ) de Santa Helena, e culminou com um espectáculo animado pelo popular artista luso-canadiano Henrik Cipriano.

Segundo Hélder Correia, que assumiu a presidência da Executivo da Banda após Pitty Domingos, esposa do maestro, se ver igualmente obrigada a afastar-se para prestar assistência ao marido, a ideia para este concerto partiu do maestro Sandro Melo, que assumiu o cargo deixado vago por Miguel Domingos quando este, em Dezembro, se viu confrontado com graves problemas de saúde.

Os músicos da BSCJ imediatamente apadrinharam a ideia e sem que Miguel Domingos tivesse conhecimento de que este serão seria nada mais do que um Concerto de Primavera, tal como o haviam anunciado, o maestro Sandro Melo entrou em contacto com o músico Nuno Osório, em Lisboa, para que compusesse uma marcha em sua honra.

Hélder Correia, que foi o apresentador do espectáculo, viria a descrever esta homenagem como uma forma de "demonstrar a nossa gratidão, simpatia e amizade ao músico, maestro, homem e amigo" Miguel Domingos, louvando-o "pela dedicação e contributo que sempre deu à Banda" e por "tudo o que ao longo dos anos tem feito nesta organização e pela comunidade", para realçar ainda que neste momento difícil "aqui tem uma família à sua volta, que muito o admira pela sua paixão pela música [e] pelo seu mérito".

Várias entidades políticas estiveram presentes no serão, incluindo a vereadora e vice-presidente da Câmara de Toronto, Ana Bailão, o ministro das Finanças do Ontário, Charles Sousa, e a deputada federal Julie Dzerowicz, que publicamente aludiram às qualidades humanas e artísticas do homenageado antes de lhe conferirem certificados emitidos pelos três níveis governamentais – tal como o faria ainda outra representante do governo provincial, a deputada Cristina Martins, que só mais tarde pôde estar presente.

No decorrer da noite, que incluiu uma refeição constituída por caldeirada confeccionada por uma equipa de cozinheiros locais, viriam a proceder-se a arrematações e leilão, dirigidos por Nélia Correia e Pitty Domingos, após o que se daria então início ao concerto da banda.

Os cerca de 40 músicos que compõem a filarmónica foram dirigidos pelo maestro Sandro Melo e abriram com o tema surpresa, a Marcha Miguel Domingos, que muito comoveu o homenageado e lhe fizeram correr lágrimas pelo rosto enquanto o público, de pé, lhe dirigia múltiplas ovações numa emotiva demonstração de solidariedade e carinho.

O concerto continuou com um paso-doble, seguido de uma grande variedade de temas que deixaram claro o elevado mérito do maestro e dos músicos, incluindo uma inspirada actuação do baterista que a determinada altura deixou o público completamente rendido ao seu talento.

Registar-se-iam momentos particularmente marcantes, incluindo uma homenagem dos directores e músicos ao chamarem Miguel Domingos para receber um ramo de flores e uma caixa que tinha no seu interior uma nova batuta, a qual o maestro viria a usar pouco depois quando foi novamente chamado ao palco e convidado a dirigir a orquestra em dois temas.

Ambos os momentos foram de grande emoção para o homenageado, embargando-lhe a voz e tornando impossível expressar-se até, que no final das duas músicas conseguiu recompor-se e declarar "não vou mais chorar", agradecendo a todos pela maravilhosa homenagem.

"Não tenho palavras para agradecer a vossa amizade, amabilidade e a simpatia que têm demonstrado por mim", disse Miguel Domingos, acrescentando que a orquestra é constituída por "grandes músicos e sem música não havia vida".

A propósito do seu sucessor, Sandro Melo, considerou-o o seu "braço direito" indicando que "a ele se deve a Banda estar a tocar tão bem" e por isso sentir-se confiante de que está "bem entregue".

No entanto, garantiu, "eu não me vou embora, ainda não me vou embora; vou andar por aí".

Depois de mais uma série de interpretações da Banda, dirigida novamente pelo maestro Sandro Melo, o serão terminou com um espectáculo de Henrik Cipriano que dedicou a sua actuação "ao amigo que muito estimo e admiro".

"Preparei a minha actuação desta noite com as canções que tu mais gostas", salientou o artista luso-canadiano, que presenteou o homenageado e o público com um animado concerto.

Breve biografia de Júlio Miguel H. Domingos

Júlio Miguel H. Domingos nasceu a 29 de Setembro de 1961 e iniciou os estudos musicais com nove anos de idade.

Mais tarde ingressou na Banda Filarmónica 1.º de Dezembro Pragança, Cadaval, e foi músico militar da Banda do Exército.

Findo o serviço militar, incorpora como músico profissional na Banda Sinfónica da PSP de Lisboa.

Estudou na Academia dos Amadores de Música de Lisboa, onde fez parte do grupo coral, trabalhou ao lado do conceituado maestro Fernando Lopes Graça e fez parte de grupos de música de câmara da Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 1987 chega ao Canadá com um projecto ambicioso em mente. Simultaneamente, inscreve-se no Royal Conservatory of Music of Toronto onde estuda harmonia, clarinete e regência.

Do seu envolvimento comunitário destacam-se participações no grupo musical Onda Viva, que vence os primeiros festivais da canção realizados pela emissora CIRV, bem como noutros conjuntos musicais, de teatro e como júri em vários concursos.

Entretanto dedicou-se ao ensino de música aos jovens da comunidade portuguesa, na escola de música da Banda do Senhor Santo Cristo, voluntariando o seu tempo em absoluto.

Maestro de algumas das Bandas da comunidade, entre elas as conceituadas Banda Sagrado Coração de Jesus e Banda do Senhor Santo Cristo, onde permaneceu durante 17 anos, foi também maestro do coro da igreja de Santa Cruz e criou, a pedido do director do jornal Sol Português, a Banda Ecos Taurinos do Sagrado Coração de Jesus que abrilhantava musicalmente com pasos-doble as corridas de toiros que se realizaram em Dundalk.

Actualmente continua a dar lições de música e voz na academia de música da Banda do Sagrado Coração de Jesus, onde é maestro até ter de se afastar por motivos de saúde.

De salientar que uma elevada percentagem dos seus alunos tem obtido um aproveitamento musical considerado "extraordinário", ao ponto de serem premiados pelas suas escolas com Music Merit Awards.


Voltar a Sol Português