1ª PÁGINA


Hamilton:

Gala de fado angaria mais de 6.000 dólares para a LCCS

Por João Vicente
Sol Português

Uma Gala de Fado organizada pela fadista Clara Santos resultou em mais de 6.000 dólares a favor do Centro da Luso Canadian Charitable Society (LCCS) em Hamilton, espaço dedicado à prestação de cuidados e serviços a pessoas com deficiências motoras e cognitivas.

O evento, que decorreu no passado sábado (7) no salão nobre da LIUNA Station, em Hamilton, foi a quarta edição de um espectáculo anual dedicado ao fado e reuniu cerca de 250 pessoas, além dos fadistas e músicos convidados, desta feita com a intenção também de ajudar uma boa causa.

A organizadora, que além de fadista é massagista profissional, explica que tomou conhecimento da existência do Centro da LCCS em Hamilton através de uma cliente, que ao saber que tinha um sobrinho autista lhe recomendou uma visita às instalações.

Foi, como nos refere, "amor à primeira vista" e desde logo, emocionada e inspirada pelo que ali testemunhou, passou a voluntariar-se com a organização, a qual visita todas as segundas-feiras e a favor da qual decidiu dedicar a receita da gala deste ano.

O resultado ultrapassou as expectativas da organizadora que, emocionada, revelou ter conseguido reunir 6.430 dólares entre a venda de rifas e CDs dos artistas convidados, e a ajuda dos patrocinadores, que incluíram os jornais Sol Português e Voice.

Para realizar este projecto, e tal como em anos anteriores, Clara Santos conseguiu o apoio de vários colegas fadistas pelo que além da organizadora pisaram o palco os artistas anunciados para essa noite: Sónia Tavares, Teresa Santos, Jennifer Bettencourt, Rui Furtado e Luís Ferraz; e duas vozes surpresa: Sílvia Ferreira e a irmã da organizadora, Sofia Santos.

Coube a Clara Santos, que foi também a mestre-de-cerimónias deste evento, dar as boas- vindas ao público, após o que passou a agradecer aos patrocinadores antes de chamar o pastor Márcio Silva, da Igreja Baptista de Hughson Street, em Hamilton, para a oração de graças e bênção que precedeu o jantar.

Segundo a organizadora, este evento anual surgiu em resposta às queixas que escutava com frequência de que Hamilton precisava de mais espectáculos de fado.

O público que sábado compareceu só pode ter saído saciado pois o leque de talento ofereceu actuações de alta qualidade que foram apreciadas com o silêncio e o respeito que o fado exige e merece.

Durante o intervalo do espectáculo, que teve acompanhamento musical de Hernâni Raposo (guitarra), Pedro Joel (viola) e Sérgio Santos (viola-baixo), procedeu-se ao sorteio das rifas que ajudaram a angariar a generosa quantia oferecida essa noite à LCCS.

Mais tarde, e antes de se escutar o último fado, Jacinta Ribeiro, directora do Centro LCCS de Hamilton, subiria ao palco, acompanhada do presidente, Joe Botelho, e do presidente do Executivo da LCCS, Jack Prazeres, para receber das mãos de uma muito emocionada Clara Santos o dinheiro angariado.

Segundo Jacinta Ribeiro, a verba será aplicada na compra de um autocarro para que os utentes do centro se possam mais facilmente deslocar onde desejam ou necessitam, o que resultará numa melhoria da sua qualidade de vida e uma ajuda preciosa no seu objectivo de se tornarem parte integrante da comunidade.

"Temos 83 – para a semana 84 – clientes e lista de espera", dizia, satisfeita Jacinta Ribeiro do "Programa ECHO", nome que foi inicialmente dado a este Centro, antes de passar a fazer parte da LCCS, e pelo qual é ainda conhecido localmente.

Também Joe Botelho se apraz com o sucesso alcançado pelo Centro, que no início da década conseguiu construir novas instalações para os utentes, inauguradas em 2012.

A propósito do reconhecimento de que têm sido alvo, Joe Botelho cita o exemplo de um senhor que não é português mas que há cerca de três meses pediu aos amigos que não lhe dessem prendas nos anos e efectuassem antes donativos a favor da LCCS – donativos esses que, segundo referiu, já se aproximam dos 10 mil dólares.

Se o sucesso e reconhecimento são factores positivos, já a lista de espera, que é também fruto desse sucesso, é algo que gostariam de resolver, mas para já, a saúde e o bem-estar dos utentes actuais são a preocupação principal pelo que a carrinha-autocarro que procuram financiar é um dos melhoramentos contínuos que vão implementando.

Tendo cada vez mais utentes nos três Centros a cargo da LCCS, o que os leva a comportar enormes despesas, tanto operacionais como patrimoniais, o presidente Executivo desta organização beneficente, Jack Prazeres, congratula-se com os resultados e com a generosidade do público salientando que por vezes recebem cheques com donativos que nem sabem de onde vêm, pois as pessoas desejam permanecer anónimas, assim como já tem havido também quem direccione fundos recolhidos em funerais para auxiliar a organização.

Mas a necessidade é contínua, recorda o dirigente, que considera importante as pessoas não julgarem que as necessidades da organização se encontram satisfeitas.

Por isso mesmo apela ao público e agradece quaisquer angariações de fundos que desejem organizar em benefício da LCCS, assim como donativos de fundos ou bens.

Os interessados em ajudar esta causa podem fazê-lo pessoalmente nos centros de Toronto, Peel ou Hamilton, ou ainda obter mais informações ou fazer donativos online, em lusoccs.org.

Ciente de que há organizações semelhantes que recebem muito mais verbas do que a LCCS, Jack Prazeres refere que o objectivo é agora dá-la a conhecer a cada vez mais gente pelo que se apraz com a recente visita de Kathleen Wynne ao Centro de Peel pois espera que tenha tido um pouco esse efeito.

Como ressalva, porém, o objectivo principal foi que a primeira-ministra do Ontário "visse com os seus próprios olhos o que esta organização faz, sem a ajuda do governo, e o que faz falta à LCCS [e outras organizações do género]".

No dia 18 de Abril o Centro da LCCS em Hamilton vai comemorar o seu 15.° aniversário.

Entretanto, a organização chama a atenção para uma alteração na data da marcha e passeio de bicicleta que anualmente decorre em Maio e que, após três anos consecutivos de mau tempo, decidiram passar a realizar em Setembro.


Voltar a Sol Português