1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Face a novo recorde de casos diários, Ontário e Toronto ponderam medidas mais restritivas

O número de casos de Covid-19 registados mundialmente desde o início da pandemia cifrava-se no princípio desta semana em mais de 51,2 milhões, acrescidos pelos mais de 3,9 milhões que foram detectados desde a semana anterior, enquanto as mortes, que aumentaram quase 59.000, passaram a totalizar 1,26 milhões.

Face a isto, a taxa de recuperados, que na semana anterior rondava os 70,8 por cento, voltou a descer, cifrando-se agora nos 69,4 por cento, ou 35,5 milhões de pessoas que já tiveram e se viram livres da doença.

Também no Canadá o número de infecções diárias continua a aumentar e na última semana registaram-se mais 29.100 casos, que levaram o total desde que foi declarada a pandemia a ultrapassar os 268.000 e a taxa nacional de recuperação a cair mais uma vez, de 83,7 por cento para 81,2 por cento (218.400 pessoas).

O número de óbitos deu igualmente um salto, com o registo de mais 345 mortes – número superior à média registada nos últimos meses – que elevaram o total desde o início da pandemia para 10.574.

A meio da última semana, a Dra. Theresa Tam, directora dos serviços de saúde do Canadá, indicou que o número de pacientes em estado grave com Covid-19 provavelmente irá continuar a aumentar, dado o recente surto de infecções.

Como explicou, há um desfasamento no número de hospitalizações e de mortes em relação aos novos diagnósticos de infecção, uma vez que o agravamento do estado de saúde dos pacientes mais afectados demora algumas semanas a manifestar-se, pelo que é razoável concluir que estas venham agora a aumentar.

Em Toronto, a directora dos serviços de saúde da autarquia, Dra. Eileen de Villa, anunciou o reatar do programa de rastreio de contactos, após uma redução no seu âmbito no início de Outubro, quando as autoridades passaram a concentrar-se apenas nos casos considerados de alto risco.

Segundo a médica, a unidade de saúde pública de Toronto está a ampliar a infra-estrutura de combate à Covid-19 numa tentativa de preparar a cidade para o levantamento amanhã, sábado (14), de algumas das restrições que tinham voltado a ser impostas há um mês.

Toronto é actualmente um dos quatro "pontos quentes" do vírus corona no Ontário – juntamente com a cidade de Otava e as Regiões de Peel e York – e o município tem estado sujeito a uma série de restrições mais intensas que determinaram o encerramento de ginásios, cinemas e restaurantes sem esplanada.

Estas restrições estão previstas ser suspendidas na Região de Peel e em Otava amanhã, sábado, mas o Presidente da Câmara de Toronto, John Tory, pediu ao governo provincial para que as mantenha em vigor no município durante mais uma semana, enquanto a autarquia se esforça por conter o número casos.

Entretanto, o Primeiro-ministro do Ontário, Doug Ford, defendeu o novo sistema de identificação de áreas com casos activos de Covid-19, introduzido no dia anterior, e que determina a aplicação de restrições e medidas de confinamento a nível provincial consoante uma das quatro cores que lhes forem atribuídas.

Alguns críticos consideram o sistema demasiado brando e opinam que vai levar a uma maior disseminação do vírus, mas o Primeiro-ministro retorquiu que vai ajudar o governo a responder mais rapidamente aos surtos de infecção, ao mesmo tempo que se procura encontrar o equilíbrio entre a reabertura do comércio local e a protecção do público.

Foi entretanto dado a conhecer o resultado de um estudo levado a cabo pelos pesquisadores Alex Luscombe e Alexander McClelland, das Universidades de Toronto e de Carleton, sobre a eficácia da aplicação de multas aos prevaricadores das medidas de confinamento decretadas pelos vários níveis de governação.

De acordo com os pesquisadores, há poucos indícios de que a ameaça de multas incentive os canadianos a seguirem as regras, mas é uma ferramenta de que os governos provinciais se continuam a valer cada vez mais, apesar da falta de provas de que funcione como mecanismo dissuasor.

Com um em cada 10 residentes do Ontário sem acesso de alta velocidade à Internet, o orçamento do ministro das Finanças, Rod Phillips, inclui um estimulo de 680 milhões de dólares na provisão de banda larga na província.

O objectivo, conforme foi indicado, é melhorar o acesso de alta velocidade sobretudo nas zonas rurais da província onde, ao contrário das cidades, é mais limitado, dado que a pandemia continua a obrigar milhões de pessoas a trabalhar de casa.

Entretanto, enquanto alguns sectores se retraem e voltam ao confinamento, outros procuram reatar as suas actividades.

É o caso da Justiça onde o Supremo Tribunal do Ontário informou que os julgamentos com júri iam voltar a realizar-se em várias cidades, com a selecção de jurados a ter início logo na segunda-feira seguinte, em Otava, e uma semana depois em Toronto, Brampton e Newmarket.

Contudo, esta semana, o Tribunal viria a indicar que em virtude do crescente número de casos em Toronto e Brampton, os planos para retomar a realização de julgamentos com júri e a selecção de jurados nestas cidades foram cancelados para já.

Na passada sexta-feira (6), o Primeiro-ministro Justin Trudeau comentou publicamente a importância de repensarmos as nossas relações com os entes queridos e parentes chegados, que devemos proteger face ao aumento no número de casos de Covid-19.

No seu caso, salientou pensar sobretudo no padrinho e tio, Tom Walker, que indicou andar "dentro e fora do hospital" e que ainda na noite anterior tinha tido que voltar a ser internado.

O Primeiro-ministro referiu que se multiplicam as provas de que as gotículas expelidas da boca e do nariz são um dos principais vectores de transmissão da doença e que com o Inverno a obrigar em breve as pessoas a recolherem-se às suas residências e a permanecerem dentro de edifícios menos ventilados, a "situação é séria" e não é altura para baixarmos a guarda.

Há, como destacou, algumas vacinas que se prevê venham a ser aprovadas e estejam disponíveis no novo ano, mas advertiu que existem "sérios desafios" em termos de logística e de distribuição, incluindo a necessidade de serem transportadas em congeladores especiais ultra-frios que as consigam manter a temperaturas inferiores a 80º C negativos, embora se esperem outras que sejam mais fáceis de manusear.

O governo federal prometeu também mais 155 milhões de dólares para as firmas de alta tecnologia e de pesquisa que normalmente não se qualificam para os subsídios actualmente em curso e que custeiam uma percentagem da folha salarial de várias empresas.

Segundo o Departamento Canadiano de Estatísticas (conhecido por StatsCan), o ritmo de crescimento do emprego abrandou em Outubro, com a criação de apenas 84.000 novos postos de trabalho, em comparação com 378.000 em Setembro e menos do que os 100.000 que se esperavam.

Enquanto isso, a taxa de desemprego caiu de 9,0 para 8,9 por cento, mantendo-se acima dos 8,8 por cento previstos pelos economistas.

Dias depois, a StatsCan emitiu também dados que, pela positiva, indicam ter-se verificado uma descida no número de crimes registados pelos principais departamentos da Polícia do país, na ordem dos 17 por cento em relação ao mesmo período do ano anterior.

Entretanto, o elevado índice de infecções na região de Peel – particularmente em Brampton – significa que se mantém com a designação "vermelha", com fortes restrições, embora alguns restaurantes sem esplanada possam reabrir, assim como os ginásios, mas não os cinemas.

A região de Peel previa aliviar as restrições no sábado, tal como aconteceu em York e Otava, mas um aumento repentino nos indicadores de propagação da pandemia travaram o desconfinamento.

Apesar da subida repentina do número de infecções, os restaurantes locais podem continuar a servir o público no interior, com quatro ou menos clientes por mesa e um máximo de 10 pessoas.

A Associação de Imobiliárias do Ontário anunciou que os agentes podem voltar à prática de mostrar imóveis para venda no sistema de "casa aberta" nas regiões designadas "verde" (prevenir), "amarelo" (proteger) ou "laranja" (restringir), embora continuasse a aconselhar os agentes a que evitassem fazê-lo e usassem antes as ferramentas virtuais ao seu dispor.

Na segunda-feira (9), face ao anúncio da farmacêutica Pfizer de que os dados preliminares apontam para uma eficácia da vacina que está a desenvolver para prevenir a Covid-19 na ordem dos 90 por cento, o Primeiro-ministro canadiano indicou ser sinal de que o país consegue ver já "uma luz ao fundo do túnel".

Contudo, advertiu, isso não significa que se deixem de tomar precauções, destacando que "se contrair Covid-19 nos próximos dias e semanas, uma vacina não vai ajudá-lo, nem à sua família".

A comprová-lo, a Dra. Eileen de Villa viria nesse dia a anunciar um novo recorde diário de infecções em Toronto, com 504 novos casos registados nas últimas 24 horas e a afirmar estarmos perante "uma situação de alto risco" mas lembrando que "não é hora de entrar em pânico, mas sim de agir".

Na terça-feira (10) a província do Ontário voltou a bater o recorde de casos diários, com 1.388 infecções detectadas no espaço de 24 horas e 15 mortes, superado de imediato no dia seguinte pelos 1426 casos que foram detectados e que não só indicam que a pandemia continua a alastrar como levaram as autoridades a opinar que novas medidas de confinamento são praticamente "inevitáveis".

Enquanto isso, um estudo efectuado pela Universidade Dalhousie, em Halifax, alerta para a possibilidade das baleias e outros mamíferos marinhos poderem também contrair o vírus corona através do contacto com o efluente dos esgotos e das águas residuais mal tratadas.

Entretanto a saga do sector da aviação continua, com a transportadora aérea Air Canada a indicar pretender reduzir o número de aeronaves na sua frota, dada a quebra de 88 por cento no número de passageiros transportados no terceiro trimestre face a igual período no ano transacto, e um prejuízo de 685 milhões de dólares só nos últimos três meses.

Por seu turno a Porter Airlines, que tencionava retomar a actividade a 15 de Dezembro, anunciou que vai manter a suspensão dos voos até 11 de Fevereiro.

Entretanto, o Primeiro-ministro canadiano indicou que Otava ia enviar imediatamente mais 61 milhões de dólares para ajudar as comunidades indígenas de Manitoba a combater a pandemia.

Foi ainda anunciado pelo governo do Ontário que vai ser criada uma nova categoria de empregos para ajudar a colmatar a falta de funcionários nos lares da terceira-idade, designados "auxiliares de apoio aos residentes".

Segundo o Ministério de Cuidados Prolongados, o duplo objectivo é oferecer emprego aos trabalhadores do sector da restauração que ficaram sem trabalho devido às medidas de confinamento, ao mesmo tempo que prestam ajuda aos idosos nas suas actividades recreativas, durante as refeições e na coordenação das visitas dos familiares.

Contudo, Jane Meadus, do centro para a Advocacia dos Idosos, adverte que estes novos funcionários não vão ter o mesmo nível de formação profissional do pessoal de apoio mas ainda assim irão trabalhar com idosos com necessidades complexas.

Por seu turno, o Sindicato Canadiano dos Funcionários Públicos argumenta que estes trabalhadores provavelmente vão acabar por prestar cuidados que não constam das suas descrições de trabalho, uma vez que os lares têm falta de funcionários.


Voltar a Sol Português