1ª PÁGINA


Conselho Mundial das Casas dos Açores reúne em Toronto

Criado na Horta, em 1997, o Conselho Mundial das Casas dos Açores (CMCA), visa "promover e desenvolver actividades que contribuam para a afirmação dos Açores e da sua diáspora, bem como para a promoção de relações sociais, culturais e económicas entre o arquipélago e os territórios onde estão inseridas cada uma das instituições que o integram".

É com esse objectivo que tem vindo a reunir anualmente e para este, que constitui o seu 20.º encontro, a presidência pertence à Casa dos Açores do Ontário (CAO), anfitriã das 14 Casas dos Açores espalhadas por Portugal e pelas Américas.

A primeira reunião informal decorreu na terça-feira (12) e os trabalhos começaram oficialmente no dia seguinte, quarta-feira (13), com a sessão oficial que marcou a abertura desta XX Assembleia Geral do Conselho Mundial das Casas dos Açores a decorrer no Victoria College da Universidade de Toronto.

Após a cerimónia de abertura, presidida pela presidente da CAO, Suzanne Cunha, e na presença do secretário regional adjunto da Presidência para as Relações Externas, Rui Bettencourt, e de Paulo Teves, director regional das Comunidades, os representantes das Casas passaram a dar conta das actividades que organizaram ou nas quais participaram no ano que decorreu desde o último encontro, reunindo-se de seguida em câmara fechada para uma sessão de trabalho interna.

Da parte da tarde, a professora Manuela Marujo, da Universidade de Toronto, fez uma apresentação do Canadian Centre for Azorean Research and Studies (Centro Canadiano para a Pesquisa e Estudos sobre os Açores).

Trata-se de um projecto conjunto das universidades de Toronto e York, encabeçado por ela própria e pela professora Maria João Dodman, da Universidade de York, que tem já um sítio web (www.yorku.ca/ccars) onde são disponibilizadas várias informações.

A oradora terminou com um apelo à contribuição de todos os presentes, assim como à ajuda na divulgação deste organismo e dos seus objectivos, que passam pela divulgação dos Açores em inglês junto de descendentes de ilhéus que não dominam suficientemente o português para obterem informações pertinente de outra forma.

No final da tarde o CMCA e os dignitários e restante delegação do Governo dos Açores prosseguiram para a Biblioteca Bloor-Gladstone, onde decorreu a inauguração da exposição "Antero e Nemésio. Mare magnus do saber. Breves narrativas", dedicada à exploração da história e das contribuições de Antero de Quental e Vitorino Nemésio – dois açorianos que deixaram uma marca indelével na história e cultura de Portugal.

As sessões de trabalho continuaram ontem, quinta-feira (14) com uma visita à Galeria dos Pioneiros, em Toronto.

Para hoje, sexta-feira (15), durante a manhã a agenda consiste duma visita à instituição social Portuguese Support Services for Quality Living, localizada em Hamilton, ficando a tarde para uma visita ao Centro Cultural Português de Mississauga, seguida de uma sessão subordinada ao tema "O papel dos jovens na Diáspora", que será moderada pelo deputado federal Peter Fonseca.

À noite será inaugurada a exposição "20 anos do Conselho Mundial das Casas dos Açores", na Câmara Municipal de Brampton, e amanhã, sábado (16), decorrerá na Casa dos Açores do Ontário, em Toronto, o jantar de encerramento desta 20.ª Assembleia Geral do CMCA.


Voltar a Sol Português