1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Novos recordes definem período da Páscoa

No espaço de uma semana – de 6 a 13 de Abril – o número de mortes provocadas pela Covid-19 em todo o mundo quase duplicou, de 70.000 para cerca de 120.000, sinal que a situação se agudiza ainda em muitos países, entre os quais o Canadá.

Apesar de perto de meio milhão de pessoas terem já recuperado da doença, o número de infecções detectadas continuou a aumentar, de 1,3 para 1,9 milhões, embora os casos considerados graves tenham registado apenas um pequeno acréscimo: de 38.000 para 42.000.

No Canadá, os números entretanto ascendem já a mais de 27.000 infectados e 900 mortos, na sua maioria em lares e instituições residenciais ou de cuidados direccionados à terceira idade.

O Quebeque continua a ser a província canadiana mais afectada, com o índice da doença a rondar os 1500 casos por cada milhão de habitantes, três vezes mais do que no Ontário que, na segunda posição, regista 507 casos por milhão.

Na pretérita terça-feira (7), várias companhias do ramo e até proprietários de rulotes e auto-caravanas responderam ao apelo dos funcionários do sistema de saúde que procuravam soluções para se poderem isolar fora de casa e proteger a família, cedendo-lhes este tipo de veículos para habitação provisória.

Nesse mesmo dia, o Primeiro-ministro do Ontário, Doug Ford, anunciou um portal com vista a procurar profissionais da área da saúde, reformados e outros com formação médica, por forma a colmatar as necessidades, ao mesmo tempo que elogiou a produção local de máscaras N95 (com capacidade para filtrar partículas do tamanho de vírus), usadas pelas equipas médicas.

A nível federal, o Primeiro ministro Justin Trudeau anunciou uma proposta de lei que irá alargar o critério para a atribuição de um subsídio salarial às empresas, reduzindo a necessidade de comprovarem uma quebra nos rendimentos de 30 por cento para 15 por cento para se qualificarem.

Justin Trudeau agradeceu ainda as máscaras oferecidas pela companhia de telecomunicações Huawei, ressalvando que isso não iria ter qualquer impacto na forma como Otava lida com a empresa chinesa, e anunciou terem sido firmados contratos para a produção de mais 30.000 ventiladores no Canadá, para além dos 10.500 anteriormente anunciados e a acrescentar aos 5.000 já existentes no país àquela data.

Ainda a nível federal foi anunciado que o teste de Covid-19 ministrado à vice-ministra dos Negócios Estrangeiros, Marta Morgan, teve resultado positivo e a directora do sistema de saúde canadiano, a Dra. Theresa Tam, deu a conhecer terem sido testadas 346.000 pessoas no país, com cerca de cinco por cento dos resultados dados como positivos, incluindo um caso numa comunidade inuíte (povos esquimós), situação "muito séria" dados os parcos recursos disponíveis nessas comunidades remotas, o que reflecte a propagação do vírus.

Também a nível da autarquia de Toronto a situação está em estado de constante fluxo, tendo feito notícia o facto da Câmara ter mandado recolher 200.000 mascaras que tinham sido distribuídas por vários centros de cuidados de saúde prolongados por se ter vindo a verificar estarem defeituosas.

Entretanto, face ao anúncio da aprovação do pacote de apoio às empresas e que se destina a subsidiar 75 por cento dos salários dos funcionários, a transportadora aérea Air Canada anunciou na passada quarta-feira (8) que voltaria a dar emprego aos 16.500 trabalhadores que havia despedido na semana anterior, com a sua rival WestJet a fazer o mesmo no dia seguinte com 6.400 dos seus funcionários.

Por seu turno, a Associação de Seguradoras Canadianas (IBC, na sigla em inglês) revelou que as empresas afiliadas iriam reduzir os prémios de seguro automóvel, dado a drástica redução no seu uso pelos segurados e no número de acidentes.

No mesmo dia o Ontário registava o maior aumento até à data no número de pessoas diagnosticadas com Covid-19 no espaço de 24 horas (550) e mais 21 mortes, sendo o governo alvo de acusações de que não estaria a testar tantas pessoas como seria desejável.

Em resposta aos críticos, Doug Ford colocou o ex-director de saúde de Toronto, David McKeown, à frente de um painel responsável por analisar as medidas de saúde pública que foram implementadas sob a alçada provincial para combater a propagação da Covid-19.

Ainda na quarta-feira foi anunciado o cancelamento do festival caribenho "Caribana", uma das maiores celebrações de Verão em Toronto, e a chegada ao Canadá do primeiro carregamento de máscaras N95 provenientes da firma 3M.

Doug Ford revelou que o sector da construção civil foi autorizado a trabalhar 24 horas por dia na construção de hospitais e centros de avaliação do contágio e Justin Trudeau anunciou um subsídio para as empresas que cobre 100 por cento do salários dos estudantes contratados para trabalharem no período de Verão.

Entre as medidas destinadas a apoiar as pequenas e médias empresas, assim como as organizações sem fins lucrativos, o ministro das Finanças do Canadá, Bill Morneau, anunciou no dia seguinte, quinta-feira (9), o lançamento da Conta Empresarial de Emergência do Canadá (CEBA, na sigla em inglês).

A CEBA consiste na concessão de empréstimos até 40.000 dólares pelas instituições bancárias do país e garantidos pelo governo federal, isentos de juros até 31 de Dezembro de 2022 e com 25 por cento do total (até um máximo de 10.000 dólares) a ser perdoado se o restante 75 por cento da dívida for saldada até essa data.

Entretanto o departamento de estatísticas do Canadá, StatsCan, deu a conhecer os dados relativos ao desemprego no Canadá no mês Março, salientando que foi necessário redefinir alguns dos termos habituais, como "empregado", "desempregado" ou "fora do mercado de trabalho" por não se aplicarem necessariamente às circunstâncias actuais.

Com isso em conta e segundo a StatsCan, com o agravar da crise a economia nacional perdeu mais de um milhão de empregos no mês passado, o que fez subir a taxa de desemprego para 7,8% – o maior aumento mensal dos últimos 40 anos – e que se prevê venha a aumentar ainda mais em Abril.

Só no dia em que foi posto em funcionamento o portal do governo para solicitar o subsídio CERB – que concede 2.000 dólares mensais aos que perderam o emprego ou tiveram de deixar de trabalhar para cuidar dos filhos – inscreveram-se 966.000 pessoas, juntando-se aos 3,7 milhões de canadianos que desde 15 de Março passaram a qualificar-se para receber subsídio de desemprego e que, segundo foi revelado, transitaram automaticamente para o âmbito deste programa de apoio financeiro.

No que diz respeito a medidas para conter a transmissão da doença, o director de saúde do Ontário, Dr. David Williams, anunciou que todas as pessoas internadas em instituições de cuidados prolongados, mesmo as que não tivessem sintomas mas tivessem tido contacto com um caso confirmado, seriam testadas, o mesmo acontecendo com todos os funcionários do sector e todos os que estiverem na vanguarda do combate à doença face a quaisquer sintomas, ainda que fora dos parâmetros considerados característicos da Covid-19.

As projecções federais dadas a conhecer nesse dia apontavam para 1,8 milhões de pessoas infectadas e 44.000 mortes no pior dos casos, ressalvando as autoridades que esse prognóstico poderá ser reduzido drasticamente se todos seguirem as regras de distanciamento social e cobrirem o nariz e a boca quando tossem ou espirram.

Segundo o Primeiro-ministro Justin Trudeau, serão necessários meses de esforço contínuo e determinado para evitar o pior e esta será a nova realidade do país até que seja encontrada uma vacina, enquanto que a vice Primeira-ministra Chrystia Freeland destaca que ainda não há como prever quando é que voltará a ser possível reabrir as fronteiras.

(Recorde-se que a Air Canada suspendeu a maioria dos seus voos internacionais até Junho e que operadoras como a Air Transat e Sunwing Airlines cancelaram todos os voos até 31 de Maio.)

Também o Primeiro-ministro do Ontário avisou que "as coisas ainda podem piorar antes de melhorarem" e por forma a estimular a economia anunciou o arranque de um Comité de Emprego e Recuperação.

Por seu turno, o presidente da Câmara de Toronto, John Tory, salientou que a Covid-19 já tinha ceifado mais vidas do que a epidemia de SARS, em 2003, e mais uma vez apelou aos cidadãos para que permanecessem em casa.

Consciente de que a situação é profundamente perturbadora para muitos, o edil lembrou que sempre que necessitarem podem recorrer ao 211 para obterem apoio em termos de saúde mental.

Na altura eram já 42 os detidos em prisões federais canadianas – três dos quais numa cadeia de Toronto – infectados com Covid-19, um aumento de 30 por cento em relação ao dia anterior.

No dia seguinte, sexta-feira (10), o sindicato dos guardas prisionais revelou que alguns dos seus filiados se tinham recusado a trabalhar quando não lhes foi permitido usar equipamento de protecção nas prisões provinciais.

Nesse dia, a Real Polícia Montada Canadiana (RCMP, na sigla em inglês) alertou que iria começar a aplicar as medidas previstas na lei da quarentena, podendo efectuar detenções em vez de emitir apenas citações ou convocatórias para procedimentos jurídicos.

Um dia depois, o chefe da Polícia de Toronto, Mark Saunders, avisou que as pessoas que não cumprissem com a regra de manterem pelo menos dois metros de distância umas das outras nos jardins e espaços públicos pertencentes ao município passariam a ser multadas, salvo raras excepções.

A Câmara de Toronto revelou ter recebido 550 queixas na quinta-feira relativas a pessoas que usaram instalações públicas ou não respeitaram as regras de distanciamento social nos jardins da cidade, e que os fiscais da Câmara abordaram 770 pessoas, daí resultando 32 avisos e 11 multas, o que elevou para 79 o número de multas passadas desde 4 de Abril.

Apesar destes e outros exemplos de pessoas menos cumpridoras, a directora da saúde do Canadá, Theresa Tam, elogiou os canadianos em geral por aderirem às directivas, salientando que isso "impediu que o sistema de saúde sofresse um colapso", e pediu a todos para assim continuassem a proceder durante o fim-de-semana da Páscoa.

Segundo o governo federal, na manhã de sexta-feira havia já cinco milhões de pessoas a receber o subsídio CERB, incluindo 615.000 que só na véspera tinham feito o seu pedido.

No sábado (11) a Câmara dos Comuns do Parlamento Federal viria finalmente a aprovar o projecto-lei que propunha a concessão de um subsídio no valor de 75 por cento da folha salarial das empresas que se qualificarem, pacote financeiro que totaliza 73.000 milhões de dólares.

Em pleno domingo de Páscoa (12) a companhia Spartan Bioscience, de Otava, anunciou que o teste por si criado para detectar a presença do vírus da Covid-19 tinha sido aprovado e estava disponível para ser distribuído.

O teste permite obter resultados numa hora, o que irá beneficiar principalmente localidades mais pequenas que até agora tinham de depender dos laboratórios nas grandes cidades e que por vezes aguardavam uma semana pelos resultados.

Já no início desta semana – com o Ontário a registar mais 465 casos de Covid-19 e 23 mortes de domingo para segunda-feira (12), elevando para 8.486 o número de casos confirmados ou prováveis e de óbitos para 343 – a directora-geral adjunta de saúde do Onário, Barbara Yaffe, afirmou que a província devia estar prestes a atingir o auge da pandemia, o que previa viesse a acontecer ainda esta semana. Na quinta-feira, segundo as notícias, havia mais 514 novos casos e mais 38 mortes.

Apesar de afirmar que se via agora "uma centelha de luz" face à crise, o Primeiro-ministro Doug Ford indicou que mesmo assim o parlamento provincial iria prolongar a declaração de estado de emergência no Ontário por mais 28 dias e que as escolas não iriam reabrir a 4 de Maio, como estava previsto, embora não fosse indicada uma nova data.

Entretanto, revelou que nos cinco dias anteriores tinha sido possível adquirir mais de 13 milhões de máscaras, incluindo 200.000 de classificação N95, sublinhando que mesmo face à renhida competição global para assegurar a aquisição destes recursos "a equipa do governo especializada em aquisições continua a conseguir obter as máscaras, luvas e ventiladores necessários para garantir a segurança dos nossos funcionários de primeira linha e dos pacientes".

Por seu turno, a Dra. Theresa Tam lembrou que quase metade dos óbitos têm ocorrido em instituições de cuidados prolongados e acautelou que embora se previsse que o número de novos casos começasse a diminuir, o total de mortes continuaria a aumentar.

A ministra da Terceira Idade, Deb Schulte, anunciou uma série de novas directivas federais "baseadas em provas fundamentadas" para conter a propagação do vírus nas instituições de cuidados prolongados, incluindo a restrição no número de visitantes e de voluntários considerados "essenciais", bem como um exame dos funcionários antes do início de cada turno, mais testes e reforço das medidas de desinfecção.

Em Toronto, o edil John Tory anunciou a abertura de mais dois jardins-escola para as crianças dos funcionários do município considerados essenciais, para além dos quatro já em funcionamento.

A ministra federal da Agricultura, Marie-Claude Bibeau, indicou entretanto que o governo federal vai disponibilizar 50 milhões de dólares para auxiliar os agricultores e as empresas agro-alimentares a comportar os custos da quarentena de 14 dias que foi imposta aos trabalhadores sazonais vindos de outros países e que são necessários para o funcionamento do sector.

Face a todas as restrições impostas pelo governo como forma de travar a pandemia, várias organizações têm vindo entretanto a alertar para um aumento no número de casos de violência doméstica.

Uma delas, o centro Abrigo, que dá apoio a idosos e a recém-chegados ao país mas também a vítimas de violência doméstica, indica que o número destes incidentes aumentou 30 a 40 por cento pois as vítimas têm de ficar isoladas na mesma residência com os seus agressores, e revelou começar a detectar também um aumento no número de queixas, o que teme seja apenas o início de uma vaga.

Esta organização de cariz comunitário pede apoio para poder continuar a prestar os seus serviços, solicitando donativos através da página canadahelps.org/en/dn/3063.

Neste período em que existe tanta falta de pessoal e de meios, há também quem tenha tempo livre e vontade de ajudar, por isso o governo canadiano criou um portal (acessível em inglês através do link: tinyurl.com/covid19-ajuda), no qual os que o desejem fazer podem procurar onde e como prestar o seu auxílio na luta contra o vírus da Covid-19 que assola principalmente os grandes centros urbanos do país.


Voltar a Sol Português