1ª PÁGINA


Mississauga:

Poeta luso-canadiano declama em recepção de Ano Novo da autarquia

Por João Vicente
Sol Português

Escolhido para um mandato de dois anos, Paul Edward Costa é apenas o terceiro "Poeta Laureado da cidade de Mississauga" e a ele coube a honra de escrever um poema para o "Levée de Ano Novo", cerimónia que no passado domingo (12) levou muitos cidadãos de Mississauga à Assembleia Municipal para o encontro anual com os governantes da autarquia.

A cerimónia abriu com um cortejo que integrou a edil Bonnie Crombie, entidades políticas e oficiais da cidade, e convidados de honra que seguiam o tocador de gaita de foles e os "Cavaleiros de Colombo" que encabeçavam o desfile.

Após todos tomarem os seus lugares e continuando a tradição, o pregoeiro da cidade, Stephen Travers, deu as boas-vindas ao público e apresentou a mestre-de-cerimónias, Pujita Verma, que por sua vez convocou a artista-convidada, Briana Corona, para interpretar o hino nacional canadiano.

A mestre-de-cerimónias, que acumula igualmente as funções de "Jovem Poeta Laureada de Mississauga" e integra o Comité de Acção Ambiental da autarquia, confessou que ela própria teve de se familiarizar com o significado de "Levée", uma vez que não é um termo comum, e passou a explicar os resultados da sua pesquisa.

Assim, e como destacou, "a tradição da `Levée' teve início no século XVII, na corte de Luís XIV", e representava "uma oportunidade para o rei começar o dia recebendo no seu quarto alguns súbditos que para isso eram seleccionados", vindo depois "a espalhar-se à Grã-Bretanha, onde no século XVIII passou a ser uma recepção formal da corte", geralmente "no início da tarde".

Contudo, "foi no Canadá que a `Levée' ficou associada ao dia de Ano Novo, altura em que os comerciantes de peles vinham apresentar os seus respeitos aos representantes do governo", referiu.

Em Mississauga, esta tradição foi retomada pela autarquia há cerca de 40 anos como forma de estabelecer um contacto directo entre cidadãos e governantes, num ambiente semi-formal e isento de política, que, embora num espaço oficial e definido inicialmente pela pompa da cerimónia, se pretende seja de descontracção e convívio.

Foi nestas circunstâncias que Paul Edward Costa declamou o seu poema, "Uma Volta do Mundo", no qual abordou a passagem do tempo e a constante mudança das pessoas, das coisas e dos sítios que compõem e representam Mississauga – e não só.

Professor numa escola secundária da Direcção Escolar de Peel, o poeta luso-canadiano começou por escrever letras para canções a pedido de um amigo, actividade que viria a despontar-lhe o gosto e a aptidão para a poesia formal.

Filho de pai português, natural da Madeira, e de mãe de origem alemã-checoslovaca (na altura o país era ainda designado por Checoslováquia), Paul sente que a história da imigração da família é uma influência na forma como vê o mundo e sente-se emocionado ao imaginar-se a dizer ao avô que o risco que este correu como um dos primeiros imigrantes portugueses na década de '50 permitiria que o neto um dia viesse a ser o poeta laureado da cidade que escolheu para viver.

Presentes a esta cerimónia encontravam-se a Presidente da Câmara, Bonnie Crombie, os deputados provinciais Deepak Anand, Rudy Cuzzetto, Kaleed Rasheed, o chefe dos bombeiros Tim Beckett, o vice-presidente da Direcção da Polícia de Peel, Ron Chatha, os delegados escolares Nokha Dakroub e John Marchand, assim como a cônsul-geral do Japão, Takako Ito, que foram apresentados pela mestre-de-cerimónias.

Por seu turno, a edil viria a destacar a presença dos vereadores Stephen Dasko, Karen Ras, Chris Fonseca, John Kovac, Ron Starr e Matt Mahoney, assim como dos deputados Sheref Sabawy (provincial) e Iqra Khalid (federal), reconhecendo ainda a presença na plateia do ex-vereador Dave Cook.

Ao abrir a sua alocução, Bonnie Crombie lamentou que o ano começasse ensombrado pelo infortúnio do avião de passageiros abatido por um míssil iraniano, passando a ler os nomes de 12 dos 176 passageiros que faleceram na tragédia e que eram residentes ou tinham laços familiares, de trabalho ou estudavam em Mississauga.

Continuando depois num tom mais positivo, a edil salientou alguns dos momentos altos de 2019 na cidade, incluindo os festejos no chamado "Jurassic Park West" onde mais de 150.000 pessoas celebraram a vitória da equipa de basquetebol Raptors – mais do que os que festejaram em Toronto, junto ao estádio Scotiabank – e a celebração na praça da Câmara Municipal da conquista do Open de Ténis dos Estados Unidos da América pela tenista Bianca Andreescu, que reside em Mississauga.

"Já não somos aquela pacata cidade-dormitório de outrora", afirmou Bonnie Crombie, destacando Mississauga como "uma cidade dinâmica, diversa e próspera com muito para oferecer ao mundo".

Entretanto, e em declarações ao jornal Sol Português, a edil considerou que 2019 foi um ano de muitas realizações para a cidade, destacando como "um dos nossos maiores êxitos" a apresentação de um plano de acção climática na sequência da declaração de "uma crise climática" pela autarquia.

"Fomos uma das primeiras cidades a fazê-lo", realçou, destacando sentir-se por isso "muito orgulhosa", bem como por estarem "a avançar" com um plano para tornar o custo da habitação mais acessível.

Quanto a 2020, Crombie ressalva a inauguração das obras para a construção do metro de superfície LRT (Light Rail Transit), "que vai [transportar passageiros] ao longo de 18 quilómetros da rua Hurontario, com 19 paragens".

Do ponto de vista do desenvolvimento do município realça ainda "a construção de 30 torres [de habitação] na baixa da cidade" assim como das "comunidades planeadas de Lakeview e Breakwater" e o "desenvolvimento dos terrenos da Ninth Line" – uma faixa localizada entre aquela via e a auto-estrada 407.

Por tudo isto, a edil aponta Mississauga como "uma cidade-destino, um sítio com muita pujança e promessa, daí que esteja a acolher muito investimento", destacou.

Após a componente formal do evento, várias centenas de pessoas fizeram fila para cumprimentarem as entidades oficiais e os representantes dos departamentos da polícia e dos bombeiros, e no final muitos optaram ainda por patinar na pista de gelo onde a presidente da Câmara acedeu aos muitos pedidos que lhe eram dirigidos para posar com eles para fotos.


Voltar a Sol Português