1ª PÁGINA


CCPM hasteou pela primeira vez bandeira das quinas pelo 10 de Junho

Por Luís Aparício

Sol Português

Embora frequentemente hasteada frente à sua sede, o Centro Cultural Português de Mississauga (CCPM) içou pela primeira vez a bandeira das quinas nas suas instalações no âmbito das comemorações do 10 de Junho.

A cerimónia destinada a assinalar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas teve lugar na manhã de domingo (12), momento que serviu também para inaugurar o mastro principal, erguido em memória do anterior presidente do Executivo, Tony de Sousa, que faleceu inesperadamente em Maio de 2021, após uma breve luta contra um cancro.

A propósito da cerimónia, que contou com a presença do cônsul-geral de Portugal em Toronto, o novo presidente da colectividade, Jorge Mouselo, descreveu-a como "um sonho" no qual têm vindo a trabalhar há já algum tempo, fruto duma ideia surgida ainda no tempo de Tony de Sousa mas que só agora foi possível concretizar.

Por isso, prosseguiu, "este mastro é-lhe dedicado e tem uma placa de reconhecimento em sua memória", afirmando que "assim, será sempre reconhecido como o mastro de Tony de Sousa".

A iniciativa foi também um momento de fortes emoções, não só para a viúva, Luísa, e para a família chegada do falecido dirigente, como para os directores do clube e amigos que assistiram à cerimónia.

Apesar da emoção, o presidente da Assembleia-Geral do CCPM, Gilberto Moniz, mostrou-se feliz por o clube poder finalmente assinalar o 10 de Junho com a cerimónia do hastear da bandeira, momento que considerou ser há muito devido.

Ao congratular Jorge Mouselo pelo trabalho incansável que foi necessário desenvolver "para que este dia fosse vivido", o responsável pela Assembleia-Geral formulou ainda a expectativa de que o CCPM, continuando na trilha do progresso, possa para o ano "talvez ir mais longe e fazer uma festa nesse dia".

Na sua alocução, o cônsul José Manuel Carneiro Mendes recordou que foi no CCPM que iniciou os seus contactos com o movimento associativo português, pouco tempo depois da sua chegada ao Canadá, em pleno período de pandemia.

"Fui convidado para a inauguração do mural da Amália Rodrigues e nessa altura tive oportunidade de conhecer o então presidente Tony de Sousa; essa conversa marcou-me muito", referiu o diplomata, que adiantou ter-se de imediato apercebido "do dinamismo e dimensão excepcional de Tony de Sousa e das suas ideias para Mississauga".

Ao destacar também o importante papel desempenhado por aquele centro cultural, que, como afirmou, não tem apenas uma dimensão local, "mas nacional, com referências ao nosso país", Portugal, exortou todos a partilharem aquele momento único e a celebrarem a sua portugalidade.

O representante do governo português expressou igualmente a sua convicção de que o CCPM tem em Jorge Mouselo "um sucessor à altura para as ideias" do ex-presidente e "para a liderança dos destinos" da colectividade.

A cerimónia contou com a presença de entidades políticas que representam Mississauga nas Assembleias provincial e federal, que quiseram destacar a importância de celebrar o 10 de Junho e o contributo da comunidade portuguesa para o desenvolvimento da região, em particular, e do Canadá, em geral.


Voltar a Sol Português