ACTUALIDADE INTERNACIONAL


Mais antigo diário de Goa volta a publicar crónicas em português para celebrar 120 anos

O mais antigo diário de Goa, na Índia, fundado em 1900, vai voltar a publicar uma crónica semanal em português, no ano em que o jornal celebra o 120.º aniversário, disse à Lusa o editor.

"Quando celebrámos o 120.º aniversário, em Janeiro, pensei que devíamos publicar um suplemento em português, mas não aconteceu nessa altura", contou à Lusa Alexandre Moniz Barbosa, responsável do diário Herald, publicado em inglês há 37 anos.

O jornal tinha além disso "muitos leitores" a pedir uma página em português, explicou. "Achámos que uma página inteira era capaz de ser muito ambicioso, e decidimos começar com uma crónica semanal, para ver com corria".

O diário chamava-se originalmente "O Heraldo", e apesar de hoje ser mais conhecido por Herald, "os dois `o' foram mantidos no logo", em cor mais clara, recordou o editor, sublinhando que "as raízes" da publicação foram "em língua portuguesa" e que o jornal tem orgulho na sua história.

A primeira crónica, intitulada "A relevância da língua portuguesa em Goa", foi publicada no domingo passado, com muitas reacções elogiosas e sem "qualquer controvérsia", num estado em que a língua franca é o concani e se fala também marata, inglês e hindi.

"Até agora correu maravilhosamente bem", referiu Alexandre Moniz Barbosa. "Tivemos muitas reacções em inglês e até cartas em português de pessoas em Goa, todas elogiosas. Agradeceram-nos e disseram-nos que ia ser uma grande ajuda, sobretudo para os jovens que estão a aprender a língua, porque não temos nenhuns jornais ou revistas em português em Goa", acrescentou.

A conversa com o editor do Herald - que lhe chama sempre "O Heraldo", o nome dado pelos fundadores - começa em inglês, mas passa rapidamente para português, apesar de Alexandre Moniz Barbosa, com 51 anos, nunca ter estudado a língua.

"Eu nasci depois de 1961, quando foi a libertação de Goa, mas em casa, com os meus pais, falava um pouco português. Nunca estudei português, nem na escola, nem na universidade", recordou, apontando que o conhecimento do idioma agora lhe vai ser útil profissionalmente. "Se eu não conseguisse ler, não ia saber o que vai sair no jornal [ao domingo]", brincou.

O responsável do Heraldo, que se orgulha de ter sido "o primeiro" a entrevistar o actual Primeiro-ministro António Costa, de origem goesa, "quando ele ainda era Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, para o [jornal] Times of India", assinou um editorial em que defendeu a importância do português, "não só como língua do passado", mas também "do futuro".

Para Alexandre Barbosa, aprender português "como terceira língua" pode ser uma vantagem "no mercado de trabalho internacional".

"Nós estamos a começar com a crónica em português também porque há alguns jovens que estão a aprender português na Universidade de Goa, não só de Goa, mas de várias partes da Índia, que vêm todos os anos para fazerem mestrado" no idioma, explicou.

A iniciativa conta com a colaboração de Cristo Prazeres da Costa, filho de um antigo responsável do jornal nos anos 1960, década em que Goa viria a integrar a União Indiana.

O jornal foi o primeiro diário fundado em Goa, no então Estado Português da Índia, em 1900, e continuou a ser publicado em português até 1983, mais de duas décadas depois de tropas indianas expulsarem os portugueses, em 19 de Dezembro de 1961, após uma presença de quase 500 anos.

A redacção da crónica, que vai ser publicada todos os domingos na edição impressa e também no site, na secção `review', vai ser assegurada por "goeses em Goa e goeses em Portugal".

Na primeira, divulgada no dia 6 de Setembro, aponta-se "que há muito vocabulário da língua portuguesa" usado "corriqueiramente" em concani, "a língua de Goa", como "xarop" (xarope) ou "shushegad" (sossegado), sublinhando que até o ministro chefe daquele estado usa o termo "doens" (doença) para se referir à Covid-19.

Várias gerações de goeses leram o jornal centenário, que continua a ser o mais vendido em Goa em língua inglesa, e a crónica em português também atraiu muitos leitores em Portugal, no domingo passado.

"Houve muitas pessoas que leram. Aquilo foi uma novidade, agora se vão continuar a ler, não sei", disse o responsável do "Heraldo".


Voltar a Actualidade Internacional


Voltar a Sol Português