1ª PÁGINA


Cantar os Reis nas tradições açorianas

Grupo folclórico Pérolas do Atlântico, Poveiros e Amigos dos Açores num espectáculo que realçou a beleza dos cânticos que marcam o final da quadra natalícia

Por Natividade Ledo e Carlos Ledo
Sol Português

Como os dias correm rápido. Levámos um ano a esperar pelas maravilhosas festas de Natal e em menos de nada já se foram e só nos resta esperar pelas próximas.

Na recta final dos festejos a quadra deu lugar ao Dia de Reis, a 6 de Janeiro, altura em que é tradição por Portugal inteiro, tanto no continente como nas ilhas, "Cantar os Reis" – mais um dos costumes que os emigrantes lusos "trouxeram na mala" também para estas paragens e aqui tentam transmitir às novas gerações, embora nem sempre seja fácil.

Desde o início do ano que várias colectividades – sobretudo na Área da Grande Toronto e arredores, onde reside a maior concentração de portugueses no Canadá – criaram grupos de cantadores e tocadores populares para levarem as tradicionais cantatas a estabelecimentos, clubes, associações e até a casas particulares.

Este hábito de cantar os Reis – ou as Janeiras, como é também conhecido – é uma tradição que o grupo folclórico Pérolas do Atlântico, da Casa dos Açores de Toronto (CAO), fez questão de mais uma vez recriar de acordo com os costumes das ilhas, organizando na tarde do passado domingo (14) um encontro para levar os cânticos da quadra aos seus sócios e apoiantes.

As portas da colectividade abriram por volta do meio-dia e as pessoas foram chegando, intentas em passarem bons momentos na recordação dos costumes das suas terras de origem.

Cláudia Espínola e Bianca Monteiro foram as mestres-de-cerimónias do evento, ao longo do qual o calor humano que emanava daquele salão de festas contrastava agradavelmente com o frio que se fazia sentir lá fora.

Matthew Correia, presidente do rancho Pérolas do Atlântico, formalizou o convívio procedendo à apresentação de boas-vindas e dos agradecimentos aos patrocinadores do evento bem como aos voluntários, em particular às senhoras da cozinha que se disponibilizaram para a preparação do almoço – constituído por cozido à portuguesa e complementado por massa sovada e arroz doce para sobremesa.

O dirigente fez questão ainda de destacar as organizações e clubes comunitários que se fizeram representar nessa tarde, incluindo o Graciosa Community Centre (representado por Jorge Cardoso), os Amigos da Terceira (Lúcia Rocha), ACAPO - Aliança dos Clubes e Associações Portuguesas do Ontário e Casa dos Poveiros (Laurentino Esteves), e os Amigos do Santo Cristo de Brampton e Amor da Pátria (Manuel e Manuela Goularte), assim como o representante da Azores Airlines/SATA em Toronto, Carlos Botelho.

Entretanto, logo após a refeição passou-se ao espectáculo com as cantatas natalícias, também conhecidas por "Janeiras", numa matiné inaugurada por um grupo visitante e que há 29 anos aqui as interpreta.

Pioneiros desta tradição em Toronto, o grupo de cantadores e tocadores populares da Casa dos Poveiros foi apresentado por Laurentino Esteves, que também o integra, e que nas breves palavras que dirigiu à assistência destacou sermos uma comunidade"que vive as nossas tradições" e que "quer sejamos do Continente, Açores ou Madeira, somos um só povo", convidando todos a juntarem-se em voz e espírito nos cânticos da quadra.

Entre os temas que interpretaram destaque para "Tocam os sinos de Belém", sendo seguidos pela actuação do grupo dos Amigos da Terceira, que fizeram uma pequena demonstração desta altura do Natal na Ilha Terceira, num tema com letra de Délia Machado.

Antes do grupo anfitrião, a presidente da Casa dos Açores do Ontário, Susana da Cunha, foi convidada ao palco, onde saudou a assistência e se declarou feliz por participar naquele evento preparado pelos Pérolas do Atlântico.

Logo depois actuava este grupo, constituído por elementos do rancho folclórico da Casa, levando ao público algumas das mais belas melodias desta época festiva.

Segundo revelou Matthew Correia, os Pérolas do Atlântico irão deslocar-se em Junho até Artesia, na Califórnia - Estados Unidos da América, a convite da comunidade portuguesa daquela cidade que integra a região metropolitana de Los Angeles.

O resto da tarde de domingo teria ainda outras surpresas, uma vez que não se resumiu apenas aos cantares, pelo que ao terminar a actuação do grupo anfitrião foi a vez de entrar em palco mais uma voz das cantigas, desta feita na pessoa do cómico Jaimão, havendo posteriormente música para dançar com os Vadios, na voz de Manuel da Ponte.


Voltar a Sol Português