1ª PÁGINA


Benfica campeão: Tetra `escrito' por 67 jogadores, cinco a `tempo inteiro'

Um total de 67 jogadores, cinco dos quais presentes nos quatro títulos, 11 em três, 16 em dois e 35 em apenas um, `escreveram' o primeiro `tetra' da história do Benfica na I Liga portuguesa de futebol.

Depois de ter falhado em 1938/39, 1965/66, 1969/70, 1973/74 e 1977/78, a formação `encarnada', recordista de vitórias na competição, com 36 cetros, logrou, finalmente, o quarto título consecutivo, à sexta tentativa.

Os brasileiros Luisão, que arrebatou o seu sexto título luso, e Jardel, André Almeida, o argentino Salvio e o sérvio Fejsa foram o quinteto dos `verdadeiros' tetracampeões, pois são os únicos que estiveram nos quatro cetros.

O capitão Luisão, único sobrevivente das equipas vencedoras dos campeonatos nacionais de 2004/05 e 2009/10, é o recordista em termos de jogos (95), encontros como titular (95) e minutos disputados (7.743).

Por seu lado, o extremo Salvio é, entre os cinco, o melhor marcador, com 13 golos, e é o segundo em termos de jogos disputados, com 78, sendo que, em matérias de minutos (5.942) e embates como titular (65), Jardel secunda Luisão.

Dos cinco, André Almeida é a personificação do `pronto-socorro': nunca foi titular indiscutível, mas já actuou no `onze' em várias posições, sobretudo como lateral direito ou esquerdo, mas também a meio-campo.

Quanto a Fejsa, é uma espécie de garantia que haverá título: nas últimas nove temporadas, conta... 10 títulos nacionais, entre Sérvia (Partizan, de 2008/09 a 2010/11), Grécia (Olympiacos, de 2011/12 a 2013/14, época em que ainda cumpriu um encontro pelo conjunto helénico) e Portugal.

Entre os 11 jogadores com três títulos, sete pertencem ao actual plantel (Pizzi, Jonas, Eliseu, Júlio César, Samaris, Lindelöf e Lisandro Lopez), enquanto um outro, Gonçalo Guedes, foi vendido em Janeiro, ao Paris Saint-Germain, por 30 milhões de euros.

Quanto aos restantes que partiram, destaque para um que deixou muitas saudades na Luz, o argentino Nicolás Gaitán, que contribuiu com 12 golos, em 78 jogos e 6.263 minutos. Rumo ao Atlético de Madrid, no qual não se impôs como titular.

A este lote ainda se pode juntar uma 12.ª unidade, o guarda-redes Paulo Lopes, que soma dois títulos de campeão e pode chegar ao terceiro se for utlizado na última jornada, no Bessa. Foi cinco vezes suplente não utilizado.

Para já, o terceiro guarda-redes do plantel 2016/17 faz parte do grupo de 16 jogadores que estiveram em dois títulos e inclui mais seis jogadores do actual elenco, casos de Mitroglou, Nelson Semedo, Raúl Jiménez, Ederson, Grimaldo e Luka Jovic, este último com um total de 15 minutos disputados.

No que respeita a minutos de utilização, o conjunto de jogadores com dois títulos é liderado pelo avançado brasileiro Lima (5.140) e pelo lateral uruguaio Maxi Pereira (5.038), que a época passada rumou para o FC Porto.

Com participação em apenas um dos quatro títulos, surgem 35 futebolistas, entre os quais os actuais Cervi, Rafa, Zivkovic, André Horta, Carrillo, Filipe Augusto e José Gomes, mais Celis e Danilo, que saíram em Janeiro.

Neste grupo de jogadores com um cetro, destaque para uma série de `craques' produzidos no Seixal, como Renato Sanches (agora no Bayern Munique), Bernardo Silva (Mónaco), André Gomes (FC Barcelona) e João Cancelo (Valência).

Outros, não foram feitos no Benfica, mas encantaram a Luz, como o argentino Garay, o hispano-brasileiro Rodrigo, os sérvios Matic e Markovic, o esloveno Oblak ou o paraguaio Óscar Cardozo, o melhor marcador estrangeiro dos `encarnados'.

Declarações:

Rui Vitória (treinador do Benfica): "É uma satisfação enorme. O objectivo foi alcançado, um objectivo que queríamos muito conquistar. Estivemos na liderança quase desde o início, fomos sempre uma equipa muito forte. Quando me lembro de ficar na história, lembro-me de todos os que foram `tri' e não conseguiram ser `tetra'. Este título é dividido por eles.

Nós queríamos acima de tudo vencer, contra uma equipa de qualidade. Entrámos determinados, convictos, com uma grande confiança. Ganhámos bem, foi uma boa exibição. Ter um `tetra' é algo que não se esquece. Vivemos a história, ficamos na história".

Pizzi (jogador do Benfica): "Acho que foi uma exibição incrível. Fomos puxados pelos nossos adeptos desde o início do jogo. Foi uma temporada de muito sacrifício, muito trabalho. Estamos na história do Benfica e estamos muito orgulhosos da época que fizemos.

O que se fala extra-futebol e extra-campo não é para aqui chamado. O mais importante agora é festejarmos. Agora vamos para o Marquês festejar um título inteiramente justo".

André Horta (jogador do Benfica): "É uma alegria imensa, era um sonho de criança. Finalmente, vimos o nosso trabalho recompensado. Foi uma época muito longa. Agora vamos festejar, mas ainda temos mais um título para ganhar este ano".

André Almeida (jogador do Benfica): "[Este título é] muito especial. Estivemos desde a quarta jornada em primeiro lugar, merecíamos isto. O meu coração estava a fervilhar desde o início do jogo e continua ainda".

Grimaldo (jogador do Benfica): "É incrível. Jogar aqui e ganhar quatro títulos é incrível".

Luisão (jogador do Benfica): "É a emoção e a amizade de vocês [jogadores do Benfica] que vivem o dia-a-dia com o orgulho de treinar a cada dia que passa. Tudo o que se passou no campeonato, sempre a `cobrar-se', acabando-se um jogo e já a pensar no outro. Não tem preço".

Jonas (jogador do Benfica): "União, amizade, é isso que diferencia este grupo. Todos estão de parabéns".

Júlio César (jogador do Benfica): "Quando temos um grupo unido, focado e a remar na mesma direcção, dificilmente não teremos sucesso. Foi uma campanha brilhante. Parabéns pelo tetracampeonato do Benfica. Sinto-me lisonjeado por fazer parte desta historia, desta conquista. É mais um troféu para o meu armário".


Voltar a Sol Português