1ª PÁGINA


Sporting Clube Português de Toronto:

Espírito leonino volta a rugir com mais intensidade

Por João Vicente
Sol Português

Ao celebrarem o 38.° aniversário do Sporting Clube Português de Toronto (SCPT) – assinalado no passado sábado (14) com uma grande festa na sua sede – tanto a gerência como os associados parecem ter tomado novo fôlego e mostram-se determinados a fazer o leão voltar a rugir com renovada intensidade.

Do período áureo desta casa, nos anos 80/90 até ao princípio da primeira década de 2000, quando atraía largos números de sócios e simpatizantes aos seus animados convívios de fim-de-semana, verificou-se alguma falta de motivação em anos mais recentes, entrando num período menos feliz com a perda de afluência do público.

A história é a mesma que se vai ouvindo um pouco por toda a parte.

O actual presidente, José Sequeira, é sócio há 14 anos, sempre integrado na Direcção e diz ele que "a juventude não adere e os velhotes vão acabando, então vamos tentando manter [o clube], mas com grandes dificuldades".

José Sequeira recorda-se de quando vinha tanta gente à sede ver os jogos que estavam os dois salões cheios e não havia sequer uma cadeira livre – quando "tudo trabalhava e havia dinheiro sem dificuldades nenhumas", acrescenta.

Hoje em dia as receitas são um décimo daquilo que eram e é com isso que a Direcção tem de trabalhar.

"Houve muita coisa que afastou os sócios daqui e agora dificilmente os conseguiremos recuperar", lamenta.

Mas eis que surgem indícios de que a situação está a mudar.

Como refere, numa nota mais positiva, têm vindo a registar progressos "pouco a pouco e a casa tem melhorado, especialmente de Dezembro para cá com esta nova Direcção", estando a situação já "muito melhor".

Não deve haver peito onde o coração leonino bata mais forte do que no de José Rafael – sócio número um e fundador do SCPT, primeiro presidente e actual relações públicas desta agremiação.

"Eu sinto uma felicidade enorme porque me deu a oportunidade de contactar aquilo que eu chamo a fina flor da vida do Sporting Clube de Portugal",diz José Rafael a respeito da fundação do SCPT, confessando que o clube leonino "para mim às vezes é mais do que a família".

Sportinguista desde que tinha oito anos e meio, sócio há 48 anos e accionista da SAD (Sociedade Anónima Desportiva) do clube leonino, José Rafael lamenta que momentos menos bons do clube em Portugal também se tenham reflectido nesta sua filial em Toronto.

Entre as melhores recordações que guarda da sua militância sportinguista recorda quando, no segundo aniversário do SCPT, o sócio número um do clube mãe, Jorge Vieira, veio a Toronto para lhes entregar o estatuto de filial e o guião do Sporting. Depois há a visita de Manuel Fernandes à sede do SCPT, quando esta ainda estava localizada na avenida Augusta, assim como da do então presidente do Sporting, José Roquette.

"Tenho guardados todos os pormenores dessa visita", diz-nos José Sequeira, adiantando que "vivi um momento inesquecível que foi quando ele me abraçou, me entregou um cachecol e, por pura coincidência, apareço no dia seguinte na primeira página do jornal A Bola abraçado a ele", um "momento inigualável".

Recorda também, comovido, a delegação que o SCPT enviou a Portugal para a inauguração do Estádio de Alvalade, altura em que entregaram uma placa comemorativa da ocasião que figura agora no museu do Sporting.

Foram suas as funções de mestre-de-cerimónias na comemoração de mais este aniversário, desde dar as boas-vindas iniciais à convocação do artista Henrik Cipriano e da banda Mexe Mexe logo a seguir ao jantar, uma actuação que depressa gerou um animado baile.

Entretanto, e enquanto a festa decorria no salão de cima, nem por isso o salão de baixo ficou às moscas, com muita gente a andar acima e abaixo toda a noite para espreitar o jogo nos ecrãs gigantes, dar dois dedos de conversa, jogar matraquilhos ou pedir uma bebida no bar.

Durante um intervalo no espectáculo, tanto José Sequeira como José Rafael tiveram oportunidade de dirigir algumas palavras à assistência para agradecer a sua presença, apelando a que continuem a apoiar esta Direcção pois, como destacaram, estão a registar-se mudanças positivas que apontam para o regresso de dias melhores.

As mensagens, que indicaram a vontade de trazer de volta sócios que se tinham afastado bem como atrair novos sócios e novas gerações, foram bem recebidas ouvindo-se, além de calorosos aplausos, fortes cânticos de "Sporting!".

Neste que foi o momento mais cerimonial da noite foram reconhecidos os sócios que cumpriram 25 anos com as quotas sempre em dia, destacando-se ainda a presença de vários ex-presidentes que foram entretanto convidados para ajudarem a cortar o bolo de aniversário, lado a lado com os elementos da actual Direcção.

Henrik Cipriano ajudou a cantar os parabéns a você e enquanto se procedia ao corte e distribuição do bolo escutou-se uma belíssima interpretação na voz da pequenita Victoria.

Os Mexe Mexe e Henrik Cipriano voltariam a animar o baile dando por concluída esta noite de festa com a segunda parte da sua actuação.

Entretanto ficou a pairar no ar um pouco de esperança e de alento pelos dias melhores que se avizinham, expresso nas palavras de José Sequeira: "o clube está pago, tem um grande património, [...] muita credibilidade" e o que faz falta agora é mais eventos, mais festas, mais convivência para restabelecer o espírito de comunidade entre os associados e demonstrar, na prática, o potencial que esta instituição comunitária continua a ter.

Assim sendo, o dirigente deixou já em aberto o convite para a comemoração do Dia da Mãe, que terá lugar na sede do SCPT no dia 12 de Maio.


Voltar a Sol Português