1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Ontário entra na 3.ª fase de desconfinamento e regista mais um dia sem novos óbitos

Toronto, Peel e Windsor-Essex ainda na fase dois enquanto persistirem surtos infecciosos

Com cerca de 112.000 casos de Covid-19 detectados no Canadá – 98.000 dos quais, ou 88 por cento, já recuperados – o país registou cerca de 2.000 novas infecções na última semana, incluindo 60 óbitos que elevaram para 8.800 o total de mortes atribuídas ao vírus corona.

A situação continua a registar uma trajectória decrescente a nível nacional ainda que no mundo o inverso se registe, com 1,6 milhões de casos e 37.000 óbitos desde a última semana que perfazem agora mais de 14,8 milhões de pessoas infectadas – 56 por cento (8,5 milhões) das quais já recuperaram – e 600.000 mortes.

A meio da última semana o Banco do Canadá anunciou que há muitas incertezas em torno das projecções económicas para o país e que a taxa de juro base iria manter-se nos actuais 0,25 por cento pelos próximos tempos, enquanto o nível de inflação permanecer inferior a dois por cento.

O banco central prevê agora uma contracção da economia na ordem dos 7,8 por cento, depois da quebra anualizada de 14,6 por cento que se registou no segundo trimestre do ano, e espera que a taxa de inflação se cifre em torno de 0,6 por cento, aumentando em 2021 para 1,2 por cento e para 1,7 por cento em 2022.

Em Mississauga, depois de dois dias consecutivos marcados por boas notícias em termos do número de infectados, a presidente da Câmara, Bonnie Crombie, fez questão de realçar que a autarquia tinha registado apenas um novo caso na passada terça-feira (14) e nenhum na quarta-feira (15), situação inédita desde que foram impostas as medidas de contenção da pandemia.

As boas notícias continuaram também a fazer-se ouvir da parte das autoridades provinciais que anunciaram que os familiares e amigos dos idosos que residem em lares da terceira idade poderiam voltar a retomar as visitas no interior das instalações a partir de quarta-feira (22) desta semana.

Estas serão limitadas a duas pessoas de cada vez e os visitantes terão de apresentar um comprovativo em como se submeteram a um teste de Covid-19 nos 14 dias anteriores, com resultado negativo, embora não seja necessário para as visitas no exterior.

Entretanto o Primeiro-ministro do Ontário, Doug Ford, anunciou que a fórmula utilizada para calcular o financiamento atribuído aos lares de idosos na província vai ser alterada para incentivar o sector privado a construir mais instituições deste género.

Embora não especificasse qual o número de novas vagas que o governo espera que a iniciativa venha a criar, Doug Ford indicou que se trata de um investimento na ordem dos 1,75 mil milhões e que ao longo da próxima década o governo provincial pretende criar condições para a construção de pelo menos mais 30.000 camas.

Entretanto, a Direcção Escolar Distrital de Toronto (TDSB, na sigla em inglês), indicou ter concluído que seja qual for o novo modelo de ensino a ser implementado no próximo ano lectivo,os custos serão elevados.

A TDSB estima que irá precisar de mais 250 milhões de dólares só para as escolas primárias se os alunos vierem a ser colocados em turmas de 15 e não houver mudanças nos horários, uma vez que terá de contratar mais 2.500 professores.

Caso venham a reduzir 48 minutos no tempo de aulas diárias a despesa desce para 98,5 milhões de dólares e se forem apenas os alunos mais novos a ser colocados em turmas de 15 alunos – ficando os mais velhos em turmas de 20 – serão necessários 200 professores adicionais, com um custo orçado em 20 milhões.

Quanto ao ensino secundário, no plano submetido ao departamento de saúde pública a TDSB sugere dividir o ano escolar em quatro trimestres, com os alunos a aprenderem duas disciplinas por trimestre, recorrendo ao uso de máscaras quando necessário para garantir a segurança dos jovens e dos professores.

Quase dois terços dos pais consultados numa nova sondagem, cujos resultados foram revelados esta semana, acham que quando as crianças regressarem às aulas em Setembro devem usar máscara durante pelo menos parte do tempo.

A sondagem, realizada pela firma Leger e pela Associação de Estudos Canadianos, revela que 41 por cento dos inquiridos são da opinião de que as crianças devem usar máscara no autocarro e na escola, 21 por cento considera que o devem fazer só quando estão fora da sala de aula – durante o recreio ou no autocarro – e 28 por cento acham que esta deve ser opcional e não obrigatória.

O actual consenso das autoridades de saúde é de que as mascaras não-clínicas podem ajudar a conter as partículas infecciosas que são emitidas pelas pessoas contagiosas, reduzindo assim o risco de contágio de Covid-19 por quem não souber que tem a doença.

Porém, o seu uso obrigatório no interior de estabelecimentos que servem o público, conforme foi decretado em várias municipalidades, tem vindo a originar conflitos com alguns clientes que se recusam a colocá-las.

Em Mississauga um homem enfureceu-se e dirigiu impropérios considerados racistas contra os empregados de um estabelecimento T&T quando lhe foi dito que teria de colocar a máscara ou retirar-se da loja.

A rixa foi captada em vídeo e depressa assumiu proporções virais nas redes sociais e o seu interveniente viria a apresentar-se na esquadra 11 de Mississauga na passada quinta-feira (16), depois de intimado pela polícia.

Este não foi o único incidente do género e em Brampton, cidade onde se têm vindo a registar mais de metade dos casos de infecção com Covid-19 na Região de Peel, foram emitidas 14 contra-ordenações relacionadas com a recusa de usar máscaras ou de manter a distância decretada pelas autoridades, incluindo um caso que envolveu uma festa na qual participaram pelo menos 40 pessoas.

Num outro incidente mais grave, a Unidade de Investigações Especiais da Polícia (SIU, na sigla em inglês) foi chamada na sequência da morte de um homem de 73 anos que alegadamente agrediu o empregado de uma loja em Minden quando este tentou oferecer-lhe uma máscara, sendo subsequentemente seguido até casa pela polícia onde viria a ser baleado mortalmente.

Face a isto, e com um número crescente de empresas e organizações a decretar a obrigatoriedade do uso de máscaras, também a Metrolinx, responsável pelos transportes GO, decretou ter adoptado esta medida de segurança para os seus funcionários desde terça-feira (21).

Contudo, num memorando enviado ao sindicato, a empresa realça que a educação dos utentes é o principal objectivo pelo que "os condutores não devem impedir o embarque de passageiros sem máscara" e "ninguém deve ficar para trás".

Segundo uma sondagem levada a cabo pela firma Angus Reid e que foi publicada no passado sábado (18), muitos dos canadianos que usam máscara fazem-no relutantemente.

No inquérito à opinião pública, 55 por cento dos inquiridos indicaram que usam máscara com regularidade, enquanto que 45 por cento não as usam de todo ou apenas raramente.

Perante algumas indicações de que o desconfinamento começa a ter efeitos positivos na economia, a Associação Canadiana de Imobiliário (CREA, na sigla em inglês) revelou que a venda de imóveis aumentou 63 por cento em Junho em relação ao mês anterior e que o número de propriedades colocadas à venda aumentou 49,5 por cento.

Segundo a CREA, o aumento significa que as vendas voltaram a um nível "normal" para o período e cresceram 150 por cento em relação a Abril.

A nível federal, o Primeiro-ministro Justin Trudeau anunciou que os governos federal, provinciais e territoriais chegaram a um acordo que levará à transferência de 19 mil milhões de dólares dos cofres em Otava para reactivar a economia.

Esta verba destina-se a ajudar os governos provinciais e locais a equilibrarem os seus orçamentos assim como a aumentarem a capacidade de rastreamento das pessoas que tiverem contacto com outras infectadas e para comprar material de protecção.

Entretanto o governo federal anunciou ter encomendado mais de 75 milhões de seringas, toalhetes de desinfecção e pensos para apoiar uma eventual campanha de inoculação do público logo que surja uma vacina viável contra a Covid-19.

A ministra responsável pelos Serviços Públicos e Aquisições, Anita Anand, afirmou que Otava tenciona ter em stock equipamento suficiente para administrar pelo menos duas doses por pessoa.

Por seu turno, o governo do Ontário revelou os resultados de uma segunda ronda de projectos aprovados e apoiados pelos 20 milhões de dólares provenientes do Fundo de Pesquisa Rápida da Covid-19 e anunciou a adopção de um plano de protecção da Propriedade Intelectual resultante das pesquisas e inovações que têm sido financiadas com dinheiro do erário público.

Enquanto isto, cientistas da Universidade de Oxford revelaram que a sua vacina experimental contra o vírus corona demonstrou estimular o sistema imunitários nas centenas de pessoas que foram inoculadas durante testes preliminares que têm vindo a realizar desde Abril.

Os ensaios iniciais destinam-se normalmente a verificar a segurança da vacina mas, dada a urgência com que se procura uma solução para o problema, desta vez serviram também para testar o tipo de resposta imunitária.

Segundo os responsáveis, verificou-se uma resposta imunitária dupla em pessoas entre os 18 e os 55 anos, caracterizada pela produção de anticorpos neutralizadores e da activação dos linfócitos T, com alguns efeitos secundários menores como febre, arrepios e dores musculares com mais frequência do que no grupo de controlo que recebeu a vacina da meningite.

Tudo isto surge numa altura em que as agências canadiana, americana e inglesa de defesa de ataques informáticos emitiram um comunicado conjunto onde alertam para uma onde de ataques, "quase de certeza" provenientes de hackers russos, que têm vindo a tentar infiltrar organizações envolvidas na pesquisa de vacinas e tratamentos.

Entretanto, na sequência do escândalo em torno das condições em vários lares de idosos no Ontário, o governo viria a indicar ter assumido a administração de mais uma destas instituições que não conseguiu controlar um foco de Covid-19.

Desta feita foi a Villa Colombo – onde faleceram 27 pessoas com o vírus, enquanto 16 outros residentes e cinco funcionários tiveram testes positivos – que passou a ser gerida pelo hospital Humber River.

À medida em que se aliviam as restrições no que diz respeito às visitas a estas instituições, Doug Ford viria a avisar os operadores de lares de idosos para não impedirem o uso de equipamento de protecção pessoal por parte dos seus funcionários.

Segundo o primeiro-ministro, não é necessário açambarcar este tipo de equipamento, visto que não há escassez, e advertiu que irá "pôr na linha" quaisquer lares que estejam a restringir o seu uso pelos funcionários.

Doug Ford viria ainda a anunciar que o Ontário tenciona construir dois novos lares de idosos em Mississauga – resultando em 640 novas vagas – e que estes estão projectados abrir já em 2021 graças à tecnologia de construção modular.

Também no que diz respeito aos surtos de Covid-19 que têm deflagrado nas herdades do sul do Ontário as notícias são encorajadoras, com o dr. Wajid Ahmed, director de saúde da região de Windsor-Essex, a afirmar que o esforço envidado no sentido de controlar os focos infecciosos naquela região estariam a surtir efeito.

Segundo o médico, no final da semana passada estavam infectados cerca de 150 trabalhadores migrantes, metade do número registado nas semanas anteriores.

Menos encorajadoras são as notícias que dizem respeito ao índice de infecções entre os jovens em geral e no domingo (19) os peritos alertaram para o facto de surgirem cada vez mais jovens infectados com Covid-19, o que está a criar o potencial para um forte surto de infecção.

Embora se desconheça a causa do aumento, os cientistas sugerem a possibilidade de ser uma reacção ao cansaço do isolamento ou ao sentimento de invencibilidade característico dos jovens.

Dois dias depois Doug Ford viria a pedir aos jovens para que evitassem participar em festas e observassem as regras de distanciamento, chamando a atenção para a possibilidade de estarem a pôr em perigo os pais e os avós com o seu comportamento.

Já na passada sexta-feira (17) o dr. Howard Njoo, vice-director do serviço de Saúde nacional, tinha apelado ao público para que não encha os bares e pistas de dança para impedir o alastramento do vírus corona.

A mensagem foi motivada por notícias do aumento do número de casos no Quebeque, após a província ter permitido a reabertura de bares e discotecas na semana anterior.

O presidente da Câmara Municipal de Toronto, John Tory, viria a pedir ao primeiro-ministro provincial, Doug Ford, para que implementasse uma série de alterações às regras decretadas para a reabertura dos restaurantes e bares na província, incluindo a obrigatoriedade do uso de máscaras pelos funcionários e clientes.

Outras medidas solicitadas pela autarquia envolvem um horário de funcionamento mais reduzido, ao fecharem mais cedo, bem como a obrigatoriedade dos clientes permanecerem sentados e de constarem de um registo que terá de ser mantido pelo estabelecimento.

Doug Ford viria a reconhecer alguma validade às sugestões apresentadas pelo município mas salientou que será o director de saúde do Ontário a decidir quais as medidas a implementar.

No início desta semana Doug Ford anunciou que as regiões de Durham, Halton, Hamilton, Niagara, Haldimand-Norfolk, Sarnia-Lambton e York passariam a partir de hoje, sexta-feira (24), à terceira fase de desconfinamento, ficando apenas Toronto, Peel e Windsor-Essex na segunda fase, dado terem ainda níveis elevados de infecções.

Apesar de um ligeiro aumento nos últimos dias, a tendência continua a ser no sentido de um abrandamento no número de novos casos, incluindo em Toronto onde os 14 que foram detectados na segunda-feira (20) constituem o número mais baixo desde meados de Março.

Segunda-feira seria significativa ainda pelo facto de que não só a nível de Toronto como de todo o Ontário se voltou a registar mais um dia sem óbitos atribuídos à Covid-19, o que já não acontecia desde 6 de Julho.

Apesar disso, os epidemiologistas sugeriram cautela na passagem da maior parte da província à terceira fase de desconfinamento face aos exemplos de Alberta e Saskatchewan onde a reabertura acelerada da economia provocou taxas de infecção que são, per capita, mais elevadas do que no Ontário.

Alberta conta agora com 19,3 casos activos por cada 100.000 habitantes, quase o dobro do Ontário (10,1), enquanto Saskatchewan regista 11,54 casos por cada 100.000 habitantes.

Nem a propósito, novos surtos infecciosos em Otava, Peel e Windsor-Essex no início da semana fizeram com que o número de casos detectados no espaço de 24 horas no Ontário aumentasse para 203, algo que não acontecia desde fim de Junho e que a ministra da Saúde descreveu como "preocupante".

O governo do Ontário prolongou até 29 de Julho a declaração de estado de emergência em vigor na província, por forma a manter em vigor a maioria das leis decretadas ao abrigo da Lei de protecção Civil e de Gestão de Emergências.

Entretanto, e de acordo com relatórios publicados pelo governo federal, pelo menos 20 voos que fizeram escala em Toronto entre 1 e 9 de Julho tinham a bordo passageiros com Covid-19 e, segundo o governo realça, esta não é uma lista exaustiva.

Na terça-feira (21) o comité responsável pelo funcionamento da Câmara dos Comuns aconselhou o organismo parlamentar a preparar-se durante o Verão para que na reabertura do Parlamento, em Setembro, os deputados possam participar e votar nas propostas de lei sem terem de estar fisicamente presentes em Otava.

Segundo o comité, provavelmente vai continuar a ser perigoso reunir grande número de deputados em Assembleia devido à Covid-19, especialmente para os que tiverem de viajar grandes distâncias, por isso pretende adicionar ao sistema de vídeo que tem sido usado nos últimos meses uma forma segura de votação nas propostas de lei e que lhes permita retomar as suas funções de forma mais normalizada, ainda que à distância.

Por último, a equipa de basebol Blue Jays ficou a saber que o governo federal não aprovou o seu regresso a Toronto, onde habitualmente joga "em casa" no estádio Rogers Centre, pelo que a equipa terá de o fazer em Buffalo, no estado norte-americano de Nova Iorque, ou em Dunedin, na Flórida.

O jogo de abertura, a 29 de Julho, vai ser contra a equipa campeã, Washington Nationals.


Voltar a Sol Português