1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Toronto e Peel passam à segunda fase do plano de reabertura

O número de casos de Covid-19 continua a alastrar pelo mundo, agora a um ritmo mais acelerado com o registo de 1.100.000 novas infecções e 36.000 mortes em relação à semana anterior, elevando os totais para 9,2 milhões de casos e 475.000 óbitos, respectivamente.

Enquanto isso, no Canadá a progressão do vírus continua a abrandar sendo de registar cerca de 3.000 novos casos, que fizeram subir o número de infecções para 103.000, e mais 370 óbitos, que totalizam agora quase 8.500.

Na pretérita quarta-feira (17) o Primeiro-ministro canadiano prometeu que a 8 de Julho iria finalmente apresentar uma síntese das finanças governamentais na Câmara dos Comuns, algo que tem vindo incessantemente a ser instado a fazer pela Oposição.

O governo adiou a apresentação do orçamento governamental quando foi declarada a pandemia, com Justin Trudeau a afirmar que não é possível fazer prognósticos económicos com exactidão devido ao período de incerteza que o país atravessa.

No dia seguinte, o responsável pelo orçamento parlamentar, Yves Giroux, viria a indicar que o défice federal deste ano poderá atingir os 256.000 milhões de dólares devido às medidas que foram tomadas em torno da pandemia.

Esse valor representa o total das verbas dedicadas pelo governo à criação de subsídios e apoios a privados e empresas – estimado em 169.000 milhões de dólares – a par da queda histórica no desempenho económico do pais e consequente redução nas receitas do governo.

O departamento orçamental estima que a economia nacional possa vir a sofrer uma contracção este ano na ordem dos 6,8 por cento, o desempenho mais fraco desde 1981.

Yves Giroux salienta, no entanto, que estes números resultam de um dos muitos cenários que são possíveis, pelo que não são um prognóstico seguro.

Nesse mesmo dia o departamento de Estatística do Canadá revelou que o índice de inflação tinha voltado a descer em Maio, apesar do regresso à actividade de algumas empresas que até então tinham estado encerradas devido à pandemia.

Entretanto, o ministro federal do ambiente, Jonathan Wilkinson, anunciou que quem tivesse feito reservas em alguns dos parques nacionais poderia voltar a montar as suas tendas ou a colocar as suas caravanas nos espaços designados a partir do dia 22 deste mês.

Muitos destes parques, encerrados desde Março, reabriram no início de Junho para visitas diurnas, com a advertência de que não seria permitido acampar antes do dia 21.

Na província do Ontário, o Primeiro-ministro Doug Ford decretou o prolongamento do estado de emergência até 30 de Junho, apesar do governo estar já a proceder à reabertura gradual da economia.

Por forma a impedir que continuem os despejos de empresas que devido às medidas de contenção da pandemia lutam com dificuldades para pagar a renda – mesmo depois de ter sido anunciado um pacote de auxílio aos senhorios – o governo do Ontário viu-se obrigado a legislar a sua proibição.

A medida, que é retroactiva a 1 de Maio, vai manter-se em vigor até ao dia 31 de Agosto.

Entretanto, um grupo de peritos do hospital SickKids, de Toronto, pronunciou-se a respeito da importância do regresso das crianças às escolas no próximo lectivo, mesmo que a Covid-19 não tenha ainda desaparecido.

O hospital indicou ter estado a trabalhar com o ministério da Educação do Ontário a respeito das medidas a tomar aquando do regresso às aulas e para a equipa médica responsável pela avaliação é mais importante a lavagem frequente das mãos do que o uso de máscaras ou o distanciamento obrigatório entre os alunos.

Segundo os peritos, podem ser envidados alguns esforços no sentido de manter alguma separação, nomeadamente afastando as carteiras e através da criação de grupos de estudo, mas manter as crianças totalmente afastadas umas das outras é impraticável, além de que a falta de contacto com os colegas cria uma série de riscos para o seu desenvolvimento emocional e psicológico.

Quanto à utilização de máscaras pelos alunos, esta é uma prática que foi classificada como apenas "potencialmente benéfica" uma vez que o uso incorrecto pode até aumentar o risco de contrair a doença.

Sobretudo, os peritos destacam que as crianças não são as "super-propagadoras" do vírus que inicialmente se julgava que poderiam ser.

Face a tudo isto, no final da semana o governo viria a apresentar três propostas para a reabertura das escolas em Setembro, nomeadamente: o regresso às aulas de forma relativamente tradicional, a continuação do ensino por meios electrónicos e com períodos "sincronizados" – que o ministro da Educação, Stephen Lecce, descreveu como o contacto virtual entre professores e alunos em tempo real – ou um sistema misto que incorpore elementos de ambas as propostas.

Segundo Doug Ford, não é possível apresentar uma solução única para toda a província devido às diferentes condições que se vivem nas diversas regiões, pelo que cabe às Direcções Escolares analisar estas propostas durante o Verão e escolher a que consideram mais adequada às comunidades que servem.

No que diz respeito às instituições de idosos, menos de um mês após ter sido declarado extinto o foco infeccioso que tinha deflagrado no lar Pinecrest em Bobcaygeon e durante o qual faleceram 28 pessoas, a Unidade de Saúde do Distrito de Haliburton Kawartha Pine Ridge declarou suspeitar de um novo surto no mesmo local.

Este não foi, porém, um caso isolado, uma vez que também em Sunrise Thornhill foi detectado um novo foco infeccioso após um resultado positivo a 27 de Maio e ao qual se seguiram 16 outros – nove residentes e oito funcionários.

Também o Sistema de Saúde William Osler informou a meio da ultima semana que tinha sido detectado um foco infeccioso de Covid-19 no Hospital Geral de Etobicoke que estava a afectar a Unidade Six Med Flex.

O Sistema de Saúde William Osler, que tem a seu cargo várias instituições, tem também uma unidade responsável pela realização de testes de despistagem e indicou que nessa capacidade já diagnosticou um total de 6.060 pessoas com Covid-19, estando àquela data a cuidar de 87 pacientes.

A nível de Toronto e após 14 dias consecutivos em que o número de casos diários tem vindo a diminuir, a cidade encontrava-se bem encaminhada para passar à segunda fase do plano de reabertura.

A directora dos serviços de saúde de Toronto, Eileen de Villa, acautelou no entanto que o indicador geral ainda se mantinha no nível "amarelo", sinal de que há ainda mais a fazer.

Quando questionada sobre a razão porque o município não exige o uso de máscaras aos residentes, a médica respondeu que os advogados da autarquia indicam que não é possível decretar o seu uso obrigatório.

Entretanto, o governo municipal anunciou que iria voltar a emitir licenças de casamento, mas apenas por marcação, a partir de segunda-feira (22).

No ano passado a autarquia emitiu 7.000 licenças de casamento entre Março e Junho, mas apenas 421 este ano.

Entretanto, as dificuldades causadas pelas medidas de contenção da pandemia continuam a causar vítimas económicas, com a TO Live, uma agência da Câmara que gere três prestigiosas salas de espectáculos da cidade a anunciar que até à data tinham perdido o emprego 115 funcionários a tempo inteiro, além dos 480 funcionários sindicalizados, em regime de tempo parcial ou ocasional, que já tinham sido despedidos temporariamente.

A TO Live tem a seu cargo o Meridian Hall (anteriormente conhecido como Sony Centre), o Centro São Lourenço para as Artes e o Centro de Artes Meridian (antes conhecido como o Toronto Centre for the Arts), mas teve de efectuar reduções drásticas de pessoal após uma queda das receitas na ordem dos 85 por cento.

Dado ser uma agência da autarquia torontina a organização não se qualifica para os programas de apoio do governo federal e os 30 funcionários que ainda ali trabalham fazem-no ao abrigo de um plano de contingência, com a semana de trabalho reduzida a quatro dias e um corte salarial de 20 por cento.

Entretanto o governo federal indicou que a província do Ontário iria em breve testar um novo aplicativo de telemóvel para pessoas com Covid-19, enfatizando que o uso do programa, que foi desenvolvido em consulta com o Serviço Digital Canadiano, Shopify e o governo provincial, seria "estritamente voluntário".

Contudo, Justin Trudeau lembrou que quanto mais pessoas usarem o aplicativo mais este se tornará eficaz para permitir rastrear a propagação do vírus, ao mesmo tempo que garantia que será preservada a privacidade e o anonimato dos utentes.

Na sexta-feira (19), as unidades regionais de saúde do Ontário registaram um ligeiro aumento no número de casos detectados (206) após três dias consecutivos com menos de 200 casos diários.

A tendência voltou a inverter-se no dia seguinte, com a província a registar 160 novos casos, altura em que Toronto mais uma vez foi a única jurisdição onde se registaram óbitos (5).

O número de casos aumentou ligeiramente na segunda-feira (22), dando-se uma inversão da situação anterior em que os números estavam a aumentar na Área da Grande Toronto (AGT) e a diminuir no resto da província.

Em Toronto o número de novos casos ficou-se pelos 37 – o mais baixo desde 1 de Abril – enquanto que no resto da província se registaram 100 novos casos.

Entretanto, o governo provincial reconheceu que a actual estratégia de despistagem estava a abranger apenas uma pequena proporção da população de trabalhadores migrantes.

Com vários focos infecciosos detectados entre estes grupos, que trabalham maioritariamente no sector agrícola no sul do Ontário, Doug Ford pediu a todos os que receavam submeter-se aos testes para que o fizessem sem temer consequências.

No início da semana o ministro do trabalho, Monte McNaughton, anunciou que o Ontário e o governo federal iriam passar a realizar inspecções conjuntas das herdades que contratam migrantes após o falecimento de mais um trabalhador, o terceiro com vírus corona.

Segundo as autoridades, 31 dos 32 casos registados nas 24 horas anteriores no condado de Essex ocorreram em propriedades que empregam trabalhadores migrantes.

Enquanto isso, os residentes em Toronto e na Região de Peel passaram a poder frequentar uma série de estabelecimentos que até aqui tinham estado encerrados.

Assim, e após 14 semanas desde que foram impostas restrições devido ao vírus corona, desde quarta-feira (23) que voltou a ser possível frequentar os barbeiros e cabeleireiros, jantar fora em esplanadas e fazer compras em centros comerciais.

Apenas a região de Windsor-Essex continuava limitada à primeira fase de reabertura, devido aos sucessivos novos casos de infecção entre trabalhadores migrantes.

Dada a origem chinesa do vírus, uma sondagem levada a cabo pelo Instituto Angus Reid e pela Universidade de Alberta revela que metade da população sino-canadiana diz ter sido alvo de insultos desde que a pandemia chegou à América do Norte.

Os resultados da sondagem, publicados no início desta semana, revelam que as atitudes racistas direccionadas a elementos das comunidades asiáticas aumentaram substancialmente, com 43 por cento dos inquiridos a declararem terem sido ameaçados ou intimidados pelo menos uma vez, enquanto que 13 por cento responderam que é algo que acontece com frequência e oito por cento declararam ter sido vítimas de agressão física.

Na terça-feira (23) o governo federal anunciou que iria voltar à prática da realização de concursos para a aquisição de equipamento médico de protecção, mas segundo advertiu a ministra responsável pelas aquisições, Anita Anand, o processo só será aplicado quando houver tempo suficiente para tal.

A ministra salientou que na última semana tinha chegado ao porto de Vancouver o décimo terceiro carregamento de desinfectante das mãos, e que chegaram também mais nove aviões de carga com luvas, batas e máscaras.

Seria também nesse dia que o Ontário indicou ter-se registado a primeira morte de uma paciente com menos de 20 anos que acusou Covid-19.

De acordo com informações recolhida pelo governo provincial, a paciente vivia em Toronto e fez o teste de despistagem no dia 18 de Junho.

Contudo, e após a revelação de que se tratava de uma criança com menos de 10 anos, o departamento de saúde de Toronto destacou que embora a paciente tenha falecido com Covid-19, essa não foi aparentemente a causa da morte, indicando haver outros problemas de saúde subjacentes.

A nível da província, o número de pessoas a necessitarem de cuidados hospitalares devido à Covid-19 subiu inesperadamente, após várias semanas em queda.

Entretanto, a pequena localidade de South Bruce Peninsula anunciou que a praia Sauble iria ser encerrada devido à elevada afluência de banhistas nas duas últimas semanas, com a presidente da Câmara a queixar-se de que os visitantes não estão a respeitar as regras de distanciamento.

Em Toronto, o presidente da Câmara, John Tory, anunciou que a autarquia iria distribuir cerca de 4,97 milhões de dólares por várias organizações comunitárias que prestam auxílio a grupos considerados vulneráveis, nomeadamente na área de saúde mental, alimentação, produtos de higiene, Wi-Fi e outros serviços.

Enquanto isso, a Galeria de Arte do Ontário (AGO, na sigla em inglês), em Toronto, anunciou a reabertura para dia 2 de Julho, mas com limites no número de visitantes e no horário de funcionamento, e só para os sócios e detentores de passes anuais uma vez que o grande público terá de aguardar até ao dia 23 desse mês.

Também o Jardim Zoológico de Toronto anunciou a sua reabertura já neste fim-de- semana, mas também neste caso inicialmente só para quem é membro.

Os visitantes vão ter de seguir um percurso pré-delineado, em sentido único, a fim de poderem cumprir com as regras de distanciamento social, sendo necessário também o uso de máscaras para entrarem em edifícios.

Algumas áreas, porém, vão continuar inacessíveis ao público, enquanto que se vão continuar a realizar os passeios de carro que nas últimas semanas surgiram como a única possibilidade do público visitar aquele gigantesco complexo.

Em termos médicos, na última semana ficou-se a saber que uma análise genética do vírus responsável pela Covid-19 sugere que o tipo sanguíneo do paciente poderá influenciar a gravidade com que este atinge as suas vítimas, com as de tipo O a registarem a doença com menos gravidade e as de tipo A com mais.

Os cientistas que participaram neste estudo conjunto entre a Espanha, Dinamarca, Alemanha e outros países compararam os genes de 2.000 pessoas e embora alguns peritos acautelem para o facto de não ser uma amostra suficientemente grande para permitir tirar conclusões concretas, o resultado parece confirmar uma correlação que já havia sido previamente detectada num estudo efectuado na China, com uma amostra ainda menor.

Entretanto a Dra. Soumya Swaminathan, cientista-chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS), indicou que aquele organismo das Nações Unidas esperava que até ao fim do próximo ano sejam disponibilizados dois mil milhões de doses de vacina contra a Covid-19 que seriam reservadas para "populações prioritárias".

Segundo a médica, a OMS recomenda que a imunização seja administrada primeiro às pessoas que integram certas categorias de risco, como os idosos e os que têm problemas de saúde como diabetes ou doenças respiratórias, assim como os que são designados trabalhadores essenciais.

Contudo, não será criada uma estratégia para a distribuição global de vacinas uma vez que a OMS apenas irá "propor estas soluções e cabe aos países chegarem a um acordo e a um consenso".

Várias nações, incluindo a Grã-Bretanha, a França, a Holanda, a Alemanha e os EUA, já estabeleceram acordos com empresas farmacêuticas para garantir fornecimentos prioritários para os seus cidadãos.

A OMS e organizações parceiras apelaram às empresas fabricantes para que suspendam a aplicação de patentes a qualquer vacina que se venha a revelar eficaz contra a Covid-19 e garantam o fornecimento aos países em vias de desenvolvimento.


Voltar a Sol Português