1ª PÁGINA


"Sol e Toiros" em Caledon

Este ano Festival Taurino, para o ano inauguração da nova praça com Corrida de Toiros

Por António Perinú e Noémia Gomes
Sol Português

Agora numa nova herdade em Caledon, e já com a relocalizada Praça de Toiros Monumental Vítor Mendes em processo de finalização, a ganadaria Sol e Toiros realizou no passado domingo (22) um grande Festival Taurino que trouxe ao Canadá o mais famoso cavaleiro português da actualidade, Rui Fernandes, e o jovem Duarte Fernandes para uma actuação especial, dedicada a todos os aficionados.

Apesar de ter ainda muito para concluir – faltam os curros, que vão ter uma manga até à praça, o pátio dos cavaleiros, burladeros para o toureio apeado, assim como as bancadas fixas e muito mais – a nova praça tem uma arena com 38 metros de diâmetro, mais dois do que a anterior em Dundalk, e em seu redor estão já instaladas bancadas provisórias que permitiram ao público assistir confortavelmente ao espectáculo.

Embora muitas vezes haja falta de apoio da parte dos aficionados, os ganadeiros empresários Élio Leal e Fernando Gonçalves mostram continuar a não poupar esforços ou despesas para que a festa brava seja uma realidade no Canadá, incluindo, além das populares touradas à corda, a realização das tradicionais corridas de toiros – ou touradas de praça, como são conhecidas na terminologia tauromáquica terceirense – que apresentam da foram mais autêntica possível.

O tempo desta vez não colaborou, já que o dia foi marcado por fortes chuvadas que só terminaram perto das 17h00, altura em que o sol despontou então, ainda um pouco envergonhado, mas foi o suficiente para que houvesse de facto "Sol e Toiros", literal e figuradamente.

Contratado para lidar dois toiros, o cavaleiro Rui Fernandes – considerado actualmente a máxima figura do toureio equestre em Portugal – apresentou-se nesta sua visita ao Canadá uma semana após ter atravessado o Atlântico para actuar também em Agustin, na Califórnia (EUA), assim como o seu sobrinho, Duarte Fernandes, de 17 anos, que com ele viria a actuar também nessa tarde.

O jovem, natural de Lisboa, começou a tourear aos 11 anos e quer seguir a carreira do tio como cavaleiro tauromáquico, tendo demonstrado já os seus dotes taurinos em Portugal (Portalegre e Pinhel), Estados Unidos da América (Agustin) e Canadá (Dundalk e Caledon).

Pegaram o Grupo de Forcados Amadores do Canadá, capitaneados por Nelson Mendes, e foram lidados dois toiros (assim como um novilho) da Ganadaria Açoriana, e um da Ganadaria Fernando Gonçalves.

A abrir este que foi um resumido mas emocionante espectáculo, o primeiro toiro, com ferro da Ganadaria Açoriana, surgiu em praça mas revelou-se solto e distraído, pouco dado à luta com o cavaleiro.

A muito custo, Rui Fernandes crava um ferro comprido, pede autorização para mudar de cavalo e nos curtos crava dois ferros ao estribo, abreviando a sua actuação.

Não fosse o estado da arena escorregadia, talvez tivesse optado por encher a cara do toiro com a garupa do cavalo, que possivelmente lhe daria outra lide.

Para a primeira pega da tarde, à cara vai Pedro Almeida, que concretiza bem, e no final cavaleiro e forcado dão a volta à arena e vão aos médios sob os aplausos do escasso público.

Já o segunda toiro da tarde foi para o amador Duarte Fernandes e revela-se melhor que o primeiro.

O jovem crava dois ferros compridos, muda de cavalo e nos curtos consegue quatro bons ferros, cada um melhor que o anterior.


A finalizar, à cara vai Brian Ornelas que conclui a pega à primeira tentativa, pelo que cavaleiro e forcado dão a volta ao redondel com ida aos médios para receberem os aplausos dos espectadores.

O terceiro e último toiro da tarde pertence à Ganadaria Fernando Gonçalves, um animal bravo e voluntarioso que saiu dos curros com gás e intento em dar luta à dupla de Rui Fernandes e Duarte Fernandes, que o enfrentam numa lide partilhada, o que resulta numa actuação emocionante e vistosa.

Tio e sobrinho começam por cravar quatro ferros compridos – dois cada um – mudam de cavalos e prosseguem numa sucessão de curtos, com seis ferros irmãmente distribuídos entre os dois, antes de voltarem a mudar de montada e concluírem com mais um cada.

Para a última pega vai à cabeça o forcado Water Joaquim que, tal como os colegas nas anteriores, se fecha bem à primeira tentativa e conclui com sucesso.

No final, cavaleiros e forcado dão a volta à arena muito aplaudidos, desfrutando da calorosa reacção do público.

"Serranito", bandarilheiro que já esteve algumas vezes entre nós e peão de confiança de Rui Fernandes, mais uma vez demonstrou ser diligente e oportuno, coadjuvado nesta actuação por Nelson Mendes.

Dirigiu o festival António Perinú, e o jovem Leo Silva, da Banda Sagrado Coração de Jesus, da Igreja de Santa Helena, foi o corneteiro de serviço, fazendo a sua estreia neste festival taurino em que a música esteve a cargo do DJ Ramiro.

Um olé para o jovem Duarte Fernandes, que foi o detentor dos três melhores ferros curtos da tarde.

Destaque-se que ambos os cavaleiros actuaram ao som de música durante as suas lides, as quais brindaram, respectivamente, ao ganadeiro Élio Leal e ao avô paterno do jovem cavaleiro, Aníbal Marques, tendo a última, toureada a duo, sido dedicada a D.ª Regina, mãe de Élio Leal.

Segundo nos revelou o ganadeiro, a inauguração oficial da nova praça está prevista para 2019, com uma corrida de toiros que trará ao Canadá grandes figuras do toureio – certamente uma boa nova para todos os aficionados, após um interregno de alguns anos.


Voltar a Sol Português