1ª PÁGINA


Casa do Alentejo de Toronto:

"Lobos" e "Vocalistas" dão brilho à XXXIV Semana Cultural Alentejana

Por António Perinú e Fátima Martins
Sol Português

Abriu sexta-feira (20) em Toronto a edição 2017 da Semana Cultural Alentejana, certame que há 34 anos a Casa do Alentejo de Toronto (CAT) tem vindo a organizar nesta cidade e que prima pela selecção de artistas plásticos, poetas, escritores, fadistas, cançonetistas, grupos corais e ranchos folclóricos, particularmente do Alentejo mas não só, que aqui se deslocam, para além dos artistas locais representantes das mais variadas áreas de actividade.

A decorrer até amanhã, sábado (28), a edição deste ano é subordinada ao tema "Alentejo... Térrea Planura onde o Cante e o Fado se abraçam com ternura" e, como o título indica, incide de maneira preponderante sobre estas duas expressões musicais declaradas património imaterial da humanidade pela UNESCO.

Na sessão de abertura que sexta-feira teve início na Galeria Alberto de Castro, sita na sede da CAT, o vice-presidente do Executivo, Jaime Nascimento, proferiu as primeiras palavras em agradecimento e saudação ao público e convidados, convocando de seguida o presidente João Ferreira para dar continuidade às cerimónias.

Com emoção e a voz por vezes embargada, João Ferreira destacou como tudo tem sido feito e programado "com amor e paixão" e agradeceu em especial ao cônsul de Portugal em Toronto, Luís Barros, bem como ao Ministro dos Negócios Estrangeiros e ao Secretário de Estado das Comunidades pelo patrocínio dado à Casa do Alentejo para a realização deste ano.

A destacar as expressões musicais referidas no tema do certame deste ano, foi seguidamente inaugurada a primeira de duas exposições de pintura que ficarão patentes ao público até ao fim desta semana.

"Em Cante", da autoria do pintor Joaquim Rosa, retrata cenas características do Alentejo, desde as que representam aqueles que cantam a sua etnografia aos locais onde o fazem.

Natural de Castro Verde, onde nasceu em 1964, o artista cedo demonstrou gosto pela pintura e aos 14 anos ingressou num curso de Desenho e Pintura.

Ao longo do seu percurso fez um Bacharelato em Design de Interiores, licenciou-se em Design Visual e além de membro fundador das Artes de Castro Verde (1995) desde 1993 que lecciona na Área das Expressões.

Contudo, a sua paixão é a pintura e conta já com várias exposições individuais e colectivas.

Na abertura desta exposição fez questão de ofertar um dos quadros à CAT e depois da sua intervenção chamou até si a filha, Rita, que o acompanhou nesta viagem e que leu uns versos do seu amigo Victor.

Patente também neste espaço está uma segunda exposição, desta feita sobre o fado, da autoria da fadista e pintora luso-canadiana Soraia Mejdoubi.

Inicialmente apresentada na Galeria Almada Negreiros, no Consulado-Geral de Portugal em Toronto, no passado mês, a mostra encontra-se desfalcada de algumas das obras que inicialmente a constituíram e que entretanto foram adquiridas por apreciadores.

Ainda assim, nesta exposição, que intitulou Estrelas do Fado, é possível apreciar as suas interpretações de alguns dos grandes vultos fadistas já desaparecidos que marcaram a canção nacional.

Uma palestra com o escritor David Machado levou o serão das artes plásticas às letras, referenciando algumas das obras do autor que, entre outros galardões, foi distinguido com o Prémio Salerno Livro d' Europa.

A apresentação esteve a cargo de Luciana Graça que sobre o seu mais recente romance, Debaixo da Pele, fez uma descrição detalhada, dando assim a conhecer grande parte do enredo.

Após a narrativa, a palavra passou ao escritor que salientou que na realidade pouco já haveria a falar sobre o livro, pelo que abriu outras fronteiras numa palestra que terminaria numa interactiva sessão de perguntas e respostas com o público.

David Machado, cuja obra se encontra publicada em mais de uma dezena de línguas, deslocou-se a Toronto para esta participação na Semana Cultural Alentejana, numa iniciativa que contou com o apoio do Instituto Camões e que no dia seguinte o veria apresentar no Harbour Front o seu livro "Índice Médio de Felicidade".

Numa noite marcada por inaugurações, destaque também para o Museu da Casa do Alentejo, que foi inaugurado pelo ministro das Finanças do Ontário, Charles Sousa, e por João Ferreira, na presença dos dirigentes da colectividade e de várias entidades convidadas, incluindo o cônsul de Portugal e políticos dos três níveis governamentais canadianos.

Foi o caso da vice-presidente da Câmara de Toronto, Ana Bailão, do vereador César Palacio e das deputadas Cristina Martins (Parlamento do Ontário) e Julie Dzerowicz (Parlamento Federal), que mais tarde se viriam a pronunciar publicamente sobre este evento.

Entretanto, coube ao Grupo Coral da CAT, o único representante do cante alentejano na diáspora, a honra de interpretar os hinos nacionais canadiano e português, o que aconteceu já dentro dentro do espaço do Museu.

As cerimónias passaram então para o salão nobre, onde decorreu o jantar, seguido dos discursos das entidades convidadas, de uma actuação do Rancho Folclórico Infantil Ribatejano e do lançamento da 6.º edição da Revista da Semana Cultural Alentejana.

Devido ao adiantado da hora e por ter ainda outro compromisso a cumprir, Charles Sousa teve de se ausentar mais cedo e não pôde participar neste segmento da programação, mas os oradores representantes dos três níveis do governo canadiano (municipal, provincial e federal) teceram os mais rasgados elogios à colectividade alentejana, pioneira das Semanas Culturais que entretanto se espalharam também a outras agremiações, e cada um ofertou à CAT um certificado do respectivo órgão de soberania.

Os discursos concluíram com a alocução do representante do governo português nesta cidade, Luís Barros, que além de saudar e congratular todos os associados e simpatizantes da Casa do Alentejo, reiterou "a inteira disponibilidade do Consulado-Geral de Portugal em Toronto para colaborar em iniciativas viradas à promoção da língua e da cultura portuguesas e expressar a certeza de mais um grande sucesso nesta XXXIV Semana Cultural Alentejana".

No dia seguinte, sábado (21), a programação incluiu um jantar e espectáculo com artistas locais e dois grupos vindos de Portugal, numa noite dedicada sobretudo ao cante alentejano.

Como tal, a primeira presença em palco foi do Grupo Coral da Casa do Alentejo, um elenco composto por 12 elementos, sete femininos e cinco masculinos, que dão voz a esta expressão musical característica da região do Alentejo.

A apresentação esteve a cargo de Valdemar Mejboubi e o serão continuou com as actuações dos artistas luso-canadianos Nancy Costa e Peter Serrado, ambos muito aplaudidos nos seus espectáculos.

De seguida, vindos de Portugal, mais especificamente de Castro Verde, escutaram-se Há Lobos Sem Ser Na Serra, um grupo composto por três músicos alentejanos – António Bexiga, David Pereira, Bernardo Espino e pela artista de artes visuais, Cristina Viana.

Com um espectáculo intitulado Cantares do Sul e da Utopia, a apresentação constituiu uma verdadeira surpresa para o público, que desfrutou da excelente interpretação musical e uma não menos magnífica componente visual.

Cada melodia, cada canção, era acompanhada pelos desenhos digitais de Cristina Viana ao vivo, dando o desenho corpo à letra num espectáculo que arrebatou aplausos a cada tema e uma ovação em pé no final da actuação.

Por fim, e a encerrar o espectáculo dessa noite, apresentaram-se em palco Os Vocalistas, grupo vindo de Beja e que recentemente se classificou em 2.º lugar num programa televisivo a cantar à capela.

Centrado na música tradicional onde impera a viola campaniça, o cante e as vozes do cancioneiro popular alentejano, os músicos maravilharam com a sua actuação e alguns dos temas levaram mesmo a assistência a com eles cantarolar as letras mais conhecidas, conquistando no final uma grande ovação do público.

Com a Semana Cultural em pleno curso, o domingo (22) foi preenchido com uma tarde dedicada ao folclore, enquanto na segunda-feira (23) se comemorou a Noite do Sócio, um serão que incluiu discursos por parte dos dirigentes da CAT, uma demonstração de artes marciais de Keisatsu Dojo - Jujitsu Japonês, além de actuações do Grupo Coral da Cat e dos "Lobos" de Castro Verde.

Entretanto, destaque para o programa de terça-feira (24), que ficou marcado pelo humor, numa noite de anedotas alentejanas e uma confraternização com os grupos vindos de Portugal, enquanto a quarta-feira (25) foi dedicada à terceira idade com a realização de um almoço para um grupo de idosos e um espectáculo com Os Vocalistas, além da apresentação da peça de teatro Mar, de Miguel Torga, levada à cena pelo Grupo Experimental de Teatro "O Projecto".

Com o dia de quinta-feira (26) livre, para hoje, sexta-feira (27) o destaque vai para uma festa de Halloween, que inclui um espectáculo com João Lucas e Marcelo e baile com o DJ Douggy,

A Semana Cultural termina amanhã, sábado (28), com um programa centrado na nova geração do fado, com actuação das luso-canadianas Clara Santos e Guida Figueira, e, vindos de Portugal, Luana Velasquez, João Paulo, Valéria Carvalho e Luís Capão.

Procurando dar destaque também à gastronomia tradicional do Alentejo, no decorrer desta semana a CAT tem vindo a servir diariamente almoços e jantares que destacam pratos tipicamente regionais.


Voltar a Sol Português