CANADÁ EM FOCO


Canadianos que trabalham de casa têm dificuldade em "desligar-se" dos empregos, revela estudo

O resultado de um novo estudo da LifeWorks revela que 28% dos canadianos têm dificuldade em "desligar-se" do emprego após o horário normal de trabalho, uma tendência que, dizem os especialistas, tem impacto na saúde mental.

De acordo com o mais recente Índice de Saúde Mental da LifeWorks, divulgado na última semana, os canadianos que não se conseguem desligar do emprego no final do dia de trabalho classificam-se quase nove pontos abaixo da média nacional.

Com base no índice, foi possível constatar que os inquiridos com menos de 40 anos eram 70% mais propensos a manterem-se ligados ao trabalho do que os que têm mais de 50 anos.

Segundo o presidente da LifeWorks, Stephen Liptrap, as conclusões surgem numa altura em que muitas organizações e empresas continuam a funcionar em sistema de trabalho à distancia ou num modelo híbrido devido à pandemia de Covid-19.

"Os empregadores começam a perceber que o impacto na saúde mental da perturbação provocada pela pandemia vai continuar connosco ainda por algum tempo. Como o local de trabalho está agora sobreposto ao lar, os benefícios dessa flexibilidade podem ser facilmente invalidades por essa falta de separação", refere Stephen Liptrap.

De acordo com o estudo, 51% dos canadianos afirmam que não conseguem "desligar-se" do trabalho porque têm ainda muito por concluir no final do dia; 25% queixam-se que o gerente os contacta após o horário de trabalho; e 23% dizem que os colegas os contactam para resolver questões relacionadas com o trabalho depois do horário de expediente.

A LifeWorks diz ter constatado também que muitos trabalhadores se queixam actualmente de esgotamento, o que leva à falta de concentração e de motivação para o trabalho.

Na realidade, o Índice de Saúde Mental revela que mais de dois em cada cinco inquiridos dizem chegar ao fim do dia mental e/ou fisicamente exaustos, com a LifeWorks a referir que este grupo tem uma pontuação 13 pontos abaixo da média nacional na sua escala de saúde mental, que atribui um ponto por cada resposta às perguntas do inquérito.

De acordo com o índice, calculado mensalmente, 27% dos canadianos inquiridos na última sondagem admitiram achar "cada vez mais difícil" concentrarem-se no trabalho devido ao esgotamento, enquanto que 35% relataram falta de motivação devido a sentirem-se exaustos.

Paula Allen, vice-presidente responsável pelo departamento de pesquisa e bem-estar da LifeWorks, salienta que o esgotamento cria problemas de saúde, queda de produtividade e envolvimento, e perda de funcionários.

Impacto do trabalho contínuo na saúde mental

O Índice de Saúde Mental da LifeWorks referente ao mês de Março caiu 10,5 pontos em relação ao mês anterior e teve uma redução de 11 pontos em relação ao período de referência pré-2020.

Entretanto, e de acordo com o relatório emitido pela empresa, as pontuações referentes à saúde mental melhoraram em Alberta, no Ontário e na Terra Nova e Labrador, enquanto que na Colúmbia Britânica, Saskatchewan, Manitoba, Quebeque e nas províncias Marítimas caíram.

O índice monitoriza também o risco financeiro, a saúde psicológica, o isolamento, a produtividade no trabalho, a ansiedade, a depressão e o optimismo e os mais recentes resultados revelam que as categorias com classificações mais baixas em Março foram as referentes ao risco de depressão (-12,2) e ao grau de optimismo (-11,7), seguidos de perto pela ansiedade (-11,4), enquanto que o risco financeiro surgiu como a que teve melhor resultado e a única a situar-se acima do ponto de referência histórico (+4,0).

O mais recente índice elaborado pela LifeWorks assenta numa sondagem online, em inglês e francês, com recolha de 3.000 respostas entre 3 e 20 de Março.

Todos os inquiridos residem no Canadá e estão ou estavam empregados nos últimos seis meses.


Voltar a Canadá em Foco


Voltar a Sol Português