1ª PÁGINA


Canadá/Covid-19:

Tempo quente leva milhares a ignorarem conselhos das autoridades

Relatório das Forças Armadas revela graves falhas em instituições de idosos

Numa altura em que o mundo regista cerca de 5,6 milhões de pessoas infectadas com o vírus da Covid-19 – mais 800.000 do que na semana anterior – a situação no Canadá apresenta-se mista, com dias em que o número de novas infecções parece indicar um abrandamento da pandemia, intercalada por outros que invertem essa tendência.

Na segunda-feira (25), o número de casos a nível nacional tinha aumentado cerca de 7.700 em relação à semana anterior, cifrando-se agora em mais de 87.000, enquanto que os óbitos ascendiam a 6.600, após o registo de mais 700 mortes atribuídas ao vírus corona.

No Ontário, depois de na véspera se ter registado um abrandamento no número de novas infecções, as autoridades provinciais voltaram a anunciar um acréscimo de 417 novos casos em 24 horas.

Enquanto isso Toronto batia outro recorde, superior ao que se havia registado em Abril, no rescaldo de um fim-de-semana em que o tempo quente e solarengo levou multidões a procurar os espaços verdes com pouco ou nenhum cuidado em relação às regras de distanciamento e de uso de máscaras.

A situação ficou exemplificada sobretudo pelo que aconteceu no parque Trinity-Bellwoods onde se estima que cerca de 10.000 pessoas afluíram para fazerem piqueniques, passearem e apanharem banhos de sol, descuidando por completo os conselhos das autoridades.

A meio da semana anterior, quando os departamentos de saúde do Ontário declaravam a existência de cerca de 25.000 casos de pessoas infectadas e mais de 2.000 óbitos na província, dados actualizados sugeriam que o recente abrandamento mostrava tendência para se inverter, depois de terem atingido o auge com cerca de 700 novos casos diariamente em finais de Abril e caído para uma média de 360 por dia.

Entretanto o governo provincial anunciou que iria trabalhar em parceria com o sector privado para aumentar o número de testes de despistagem, e embora a ministra da saúde, Christine Elliott, não indicasse a data de implementação, revelou que a partir de agora mesmo as pessoas com sintomas menores podem deslocar-se aos centros de despistagem.

Enquanto isso, os peritos do sector da saúde passaram a recomendar o uso de máscaras em público sempre que seja impossível manter um mínimo de dois metros de distancia das outras pessoas, sugestão que a directora dos serviços de saúde do Canadá, dra. Theresa Tam, disse surgir em simultâneo com o abrandar das regras de isolamento social em várias províncias e como forma de oferecer "mais um nível de protecção".

A médica ressalvou no entanto que as máscaras são perigosas para a saúde de algumas pessoas e podem causar problemas a outras, pedindo por isso a compreensão do público para quem não as pode usar.

Em Toronto, um comunicado da autarquia dava a conhecer a intenção de reabrir até ao fim-da-semana 850 espaços que se encontravam encerrados desde Março, incluindo campos de futebol e de basebol, quadras de basquetebol, assim como parques de skateboard e patinagem, continuando interditos, porém, a prática de jogos de equipa, excepto em situações em que todos os participantes residem juntos.

Mantiveram-se no entanto encerrados os parques com brinquedos ou equipamento para crianças e para exercício, e as piscinas, assim como o acesso às ilhas de Toronto, popular destino para passeios e laser.

O município de Toronto avisou ainda que iria expandir a sua iniciativa ActiveTO, através da qual encerrou na totalidade ou parcialmente algumas das ruas principais ao trânsito – numa extensão total de cerca de 57 quilómetros – para, segundo indicou, aumentar o distanciamento físico das pessoas que praticam exercício ou passeiam a pé ou de bicicleta.

O resultado de uma pesquisa de mercado revela que embora os canadianos queiram voltar a praticar desportos de equipa e actividades físicas em grupo após a pandemia, irá levar algum tempo até que se sintam confortáveis para o fazer.

Na quinta-feira (21) o Ontário registou o terceiro dia consecutivo de mais de 400 casos diários de Covid-19 detectados, após 10 dias em que se manteve abaixo desse limiar, e com os 48 óbitos registados desde a véspera a contrariarem também a tendência recente.

O primeiro-ministro do Ontário, Doug Ford, voltou a manifestar a sua frustração com o reduzido número de testes que se realizam na província, onde a capacidade é para 20.000 testes diários e se almejam pelo menos 16.000 – número raramente atingido.

As autoridades provinciais passaram assim a incentivar o público a procurar os locais de teste mesmo que tenham sintomas menores, desde a perda do paladar ou do olfacto às conjuntivites.

Entretanto o Primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, indicou estarem em curso conversações com os seus homólogos provinciais com vista a determinar a forma como Otava pode ajudar a aumentar o número de testes de despistagem para evitar uma segunda vaga da Covid-19, referindo especificamente o Ontário e o Quebeque onde se dá início à reabertura da economia embora o número de casos permaneça ainda relativamente alto.

Afirmando não querer que aspectos logísticos ou financeiros se intrometam na despistagem e rastreio necessários para controlar a pandemia, Justin Trudeau disse ter tido respostas positivas de todo o país após sugerir um enquadramento a nível nacional e salientou a importância do Canadá ter capacidade para aumentar imediatamente o número de testes, mesmo em zonas com poucos casos, a fim de detectar e controlar possíveis focos de infecção.

Também a Associação Canadiana-Americana de Comércio, sedeada em Washington, DC, EUA, apelou a uma abordagem integrada a nível do continente norte-americano, desta feita no que se refere à criação de uma "frente económica unida" pós-pandemia.

Numa nota positiva, cientistas do departamento do Meio-Ambiente do Canadá revelaram que a redução da actividade económica fez cair o nível de poluição em várias cidades, incluindo algumas das maiores, como Toronto, Montreal e Edmonton.

Entretanto a companhia ferroviária Via Rail anunciou que iria retomar o serviço nas linhas 62 e 669, entre a Union Station de Toronto e as cidades de Kingston e Montreal, assim como as linhas 52, 48 e 59, entre Toronto, Kingston e Otava, devido a um aumento da procura, ressalvando no entanto que o número de lugares reserváveis seria limitado para garantir a necessária distancia entre os utentes.

Outra tentativa de retomar as actividades viu o departamento de Bibliotecas Públicas de Toronto anunciar um serviço porta-à-porta para levantamento e devolução de livros que entrou em vigor esta segunda-feira (25), quando alguns dos cacifos para devolução de materiais voltaram também ao activo e os restantes estão previstos estar disponíveis a 1 de Junho.

Entretanto, e enquanto que o campeonato Indycar, que o ano passado bateu recordes ao atrair mais de 30.000 aficionados das corridas automobilísticas à cidade, anunciou o cancelamento da prova deste ano da Honda Indy Toronto, o Festival Internacional de Jazz Beaches anunciou que iria avante com uma "experiência musical virtual" destinada a reunir músicos e fãs e a ajudar a apoiar e a interligar as comunidades musicais a nível local e global.

O festival, que estará acessível gratuitamente de 17 a 26 de Julho através do portal beachesjazz.com, inclui além de concertos oficinas, seminários com mestres de jazz e sessões interactivas com cantores e músicos de renome.

Num reforço à luta contra a doença, o governo do Ontário anunciou que 15 equipas de pesquisadores iriam receber sete milhões de dólares para o desenvolvimento de vacinas ou tratamentos para a Covid-19.

Com a semana a chegar ao fim, o dia de sexta-feira (22) foi o quarto consecutivo com mais de 400 novos casos diários no Ontário – na verdade 492 – mais de metade dos quais (258) em Toronto, enquanto que fora da Área da Grande Toronto o número de detecções continuava estável e baixo.

Doug Ford afirmou que se voltariam a realizar mais testes nos lares da terceira-idade no Ontário ao longo do fim-de-semana, enquanto Justin Trudeau prometeu assistência do governo federal nos esforços provinciais de despistagem e rastreio dos contactos daqueles que tenham testes positivos e na partilha de dados entre as diferentes jurisdições.

Trata-se, segundo o Primeiro-ministro, de uma medida essencial pois como referiu "a economia não pode recuperar por completo até os canadianos estarem seguros de que a Covid-19 será contida onde quer que volte a aparecer".

Entretanto o ministro da segurança pública, Bill Blair, afirmou que não está disposto a usar os serviços secretos canadianos para rastrear as pessoas infectadas com Covid-19 dentro do país.

No sábado (23), um dia após o Presidente da Câmara de Toronto, John Tory, e a directora dos serviços de saúde do município terem destacado a importância do distanciamento social e de se registar o quinto dia consecutivo com mais de 400 casos novos casos detectados no Ontário, enormes multidões juntaram-se no parque Trinity-Bellwoods para desfrutarem do bom tempo criando aglomerações cujas imagens, publicadas e transmitidas pelos órgãos de comunicação social, provocaram fortes reacções das autoridades.

No dia seguinte, domingo (24), os departamentos de saúde do Ontário anunciaram o primeiro dia com menos de 400 casos em quase uma semana, enquanto que em Toronto se batiam recordes.

No parque Trinity-Bellwoods o exagero que se tinha verificado na véspera levou a um aumento da presença policial para fazer cumprir as regras.

Por seu turno, Doug Ford repreendeu os milhares de pessoas que tinham acorrido àquele espaço verde no dia anterior, dizendo-se "absolutamente chocado" com o que tinha visto, e lembrou que o vírus continua a propagar-se e, caso não se tomem as devidas precauções, pode vir a espalhar-se de forma incontrolável.

Quanto a John Tory, que tinha sido criticado por ter estado no sábado entre a multidão no Trinity-Bellwoods a advertir do perigo e, mesmo assim, ter retirado a máscara, apresentou um pedido de desculpas pelo ocorrido.

A autarquia torontina viria ainda a indicar estar a considerar pintar círculos na relva do parque para ajudar os visitantes a compreender as distâncias que devem manter entre si e, caso se verifique que a medida tem sucesso, poderá ser aplicada a outros locais onde se congregam grandes números de pessoas.

Na segunda-feira (25) as entidades oficiais da província endereçaram mensagens contraditórias à multidão, com Doug Ford a pedir a todos para que façam o teste de despistagem da Covid-19, enquanto que a directora da saúde da província, a dra. Barbara Yaffe advertia para que não o fizessem de imediato pois o vírus leva alguns dias até se multiplicar em quantidade suficiente para ser detectado pelos testes.

Em vez disso, a médica recomendou às pessoas que se isolem durante duas semanas e monitorizem se eventualmente têm sintomas.

Também Justin Trudeau se pronunciou sobre o assunto, ao lembrar que "os canadianos têm a responsabilidade de seguir as regras emitidas pelo departamento de saúde pública e travar a propagação da Covid-19, não só para seu próprio bem como para bem das pessoas à sua volta".

O Primeiro-ministro lembrou ainda que cada comunidade irá designar restrições com base nas circunstâncias locais, o que significa que as regras não serão homogéneas e irão depender do sítio onde cada um reside.

Dados do governo federal revelam que a iniciativa CERB, que atribui 2.000 dólares por mês a quem perdeu o emprego ou sofreu uma redução substancial no salário, já pagou mais de 40.000 milhões de dólares a 8,21 milhões de pessoas.

O orçamento inicial previa 35.000 milhões de dólares, mas conta-se que parte desse dinheiro venha a ser reavido no próximo ano, quando o governo tributar os rendimentos do ano corrente e exigir a devolução dos benefícios que foram atribuídos em erro ou indevidamente.

O Primeiro-ministro foi entretanto confrontado com várias perguntas a respeito do facto do partido Liberal, que representa, se ter candidatado ao programa federal de subsídio salarial CEWS, mas o mesmo fizeram os partidos Conservador, Neo-Democrata e Verdes que ao abrigo da iniciativa passam a receber do governo, como qualquer outra empresa que se qualifique, 75 por cento da folha de salários, até um máximo de 847 dólares semanais por empregado.

Foi ainda anunciada a abertura das candidaturas ao programa de subsídio de rendas comerciais CECRA, que paga 50 por cento da renda de Abril, Maio e Junho em situações em que os inquilinos tiveram uma quebra de rendimentos superior a 70 por cento nesse período.

No que terá que ser um acordo mútuo, o inquilino compromete-se a pagar 25 da renda e o senhorio a abdicar dos restantes 25 por cento mas, como destacaram os Primeiros-ministros Doug Ford e Justin Trudeau, será uma forma de todos se entre-ajudarem no que são momentos difíceis que atravessamos.

Justin Trudeau afirmou também que irá pressionar as províncias para que concedam anualmente 10 dias de baixa médica remunerada, para que ninguém sinta necessidade de ter de ir trabalhar doente.

Enquanto isso, o banco alimentar Daily Bread abriu um novo armazém com capacidade para mais 60.000 caixas de comida ou 1.000 paletes, para responder às necessidades de distribuição alimentar criadas pelas medidas de contenção da Covid-19.

Em Toronto, e aproveitando as medidas de emergência que foram aprovadas pela Assembleia Municipal, elementos do corpo administrativo propuseram acelerar a instalação de novas infra-estruturas para ciclistas ao abrigo da iniciativa ActiveTO, pretendendo adicionar mais 25 quilómetros de ciclovias em algumas das ruas principais da cidade.

Entretanto, o Dr. Kamran Khan, um pesquisador canadiano que foi o primeiro a prever o alastramento da Covid-19, indicou que o mundo precisa de mudar a forma como monitoriza e reage a surtos epidémicos.

O cientista criou uma aplicação designada por BlueDot que prevê a propagação de pandemias e juntamente com a sua equipa de 50 especialistas e o recurso a enormes bases de dados, e programas de inteligência artificial avisou da existência de um grave surto epidémico três dias antes da Organização Mundial de Saúde o ter feito.

A meio da semana, um relatório elaborado por elementos das Forças Armadas canadianas destacados para auxiliar em cinco lares de terceira idade do Ontário caiu que nem uma bomba ao dar conta de situações precárias em vários lares de idosos, desde relatos de contaminação fecal a infestações de baratas, a par de casos de negligência e maus tratos.

As histórias chocaram o Primeiro-ministro Doug Ford que destacou como exemplos situações em que os residentes não tomavam banho durante semanas, outras em que imploravam por ajuda horas a fio ou não lhes eram servidas três refeições por dia, além de casos em que pacientes com Covid-19 não estavam restritos aos seus quartos e circulavam livremente pelas instituições.

Visivelmente emocionado, o Chefe do Governo do Ontário considerou esta "uma chamada de atenção para todo o nosso país" e prometeu que a situação seria averiguada e corrigida, acrescentando que iria pedir à polícia para examinar os relatórios do medico legista acerca das mortes em lares de terceira idade para determinar se se justifica a instituição de processos criminais.

Questionado acerca da hipótese do sistema de lares da terceira-idade na província vir a ficar sob a alçada dos serviços de saúde, Doug Ford afirmou que "tudo é possível [e] se for isso que fizer falta é isso que iremos fazer", indicando já ter pedido a ajuda do Governo Federal.

Também Justin Trudeau indicou sentir-se "triste, chocado, decepcionado e zangado" perante as revelações do relatório das Forças Armadas, classificando esta como uma situação "associada à Covid-19, mas que já existe há bastante tempo".

O Primeiro-ministro prometeu que apesar de 36 elementos das Forças Armadas canadianas destacados para ajudar nos lares de idosos terem já sido diagnosticados com o vírus, os serviços médicos militares iriam continuar a prestar auxílio nos mais afectados para garantir que os utentes recebem os melhores cuidados possíveis.

Por fim, indicou que o governo federal está a preparar o sistema de saúde canadiano para a realização de testes que permitam detectar não só os novos casos de Covid-19, como determinar quantas pessoas já tiveram a doença.

O Chefe do governo canadiano considera que esse teste será uma peça fundamental para compreender melhor a presença da doença no Canadá, especialmente naqueles que nunca tiveram sintomas, e indicou que ele próprio se submeterá a essa avaliação assim que o teste esteja amplamente disponível.

Recorde-se que o Primeiro-ministro esteve exposto ao vírus quando a esposa ficou infectada, possivelmente numa viagem à Inglaterra, embora ele próprio nunca tenha acusado sintomas.

No decurso da semana, o Primeiro-ministro viria a anunciar um contracto firmado com a firma automóvel americana GM para a produção de 10 milhões de máscaras e garantiu que vêm também a caminho mais ventiladores, para suprir as necessidades do país.

Face à onda de calor que tem vindo a assolar grande parte das províncias do Ontário e do Quebeque, algumas das autarquias tiveram entretanto de reconsiderar a forma como proporcionam alívio aos residentes perante as restrições destinadas a impedir a propagação da Covid-19.

Espaços onde o público pode normalmente fugir ao calor, como as bibliotecas, os centros comunitários e as piscinas, continuam encerrados e com as previsões a apontarem para temperaturas que se irão manter acima dos 30º centígrados durante vários dias, as autoridades contavam abrir apenas seis espaços – em contraste às centenas em funcionamento no ano passado.

Por fim, o comissário da Liga Nacional de Hóquei no gelo (NHL, na sigla em inglês) informou terem chegado a um acordo com o sindicato dos jogadores quanto à forma como decorrerá o regresso à actividade quando a época 2019-20 puder ser reatada.

Assim, as equipas irão defrontar-se em duas cidades-eixo – uma para as equipas da conferência Leste e outra para os clubes da conferência Oeste – e embora estivessem ainda por determinar, Edmonton, Toronto e Vancouver estão entre as 10 que integram a lista final, sendo as restantes nos EUA.


Voltar a Sol Português